Uma he­ran­ça sa­bo­ro­sa... e sau­dá­vel

O Diario do Norte do Parana - - ESPECIAL - Fernanda Ber­to­la

su­ple­men­tos@odi­a­rio.com Pen­sar na in­fluên­cia da cul­tu­ra ja­po­ne­sa no Bra­sil é pen­sar na cu­li­ná­ria e tam­bém nas ar­tes mar­ci­ais. Os ja­po­ne­ses, as­sim co­mo ou­tros po­vos, trou­xe­ram para o Bra­sil uma cul­tu­ra ri­ca e há­bi­tos ali­men­ta­res pe­cu­li­a­res que aju­da­ram a com­por um no­vo car­dá­pio bra­si­lei­ro. É que hoje o cos­tu­me está tão di­fun­di­do en­tre to­dos, que não é fá­cil iden­ti­fi­car o que é he­ran­ça nipô­ni­ca. Por cau­sa dos cos­tu­mes des­ses po­vos de olhos pu­xa­dos, a po­pu­la­ção pas­sou a in­tro­du­zir no car­dá­pio hor­ta­li­ças, le­gu­mes e fru­tas.

E é na agri­cul­tu­ra em que se per­ce­be um dos prin­ci­pais le­ga­dos des­te po­vo, que in­tro­du­ziu a so­ja, de­sen­vol­veu e apri­mo­rou ou­tras cul­tu­ras, bem co­mo ino­vou­o­pro­ces­so­pro­du­ti­vo.

Se­gun­do o en­ge­nhei­ro agrô- no­mo Jor­ge Ogas­sawa­ra, co­or­de­na­dor da Fei­ra do Pro­du­tor de Ma­rin­gá, on­de há vá­ri­os ja­po­ne­ses tra­ba­lhan­do, os le­gu­mes fo­ram os pri­mei­ros a fa­zer par­te do car­dá­pio dos ma­rin­ga­en­ses. “Não ha­via mui­to cos­tu­me de co­mer le­gu­mes. De­pois veio a prá­ti­ca de con­su­mir pei­xes, es­pe­ci­al­men­te crus”, con­ta. Mas o prin­ci­pal mo­ti­va­dor da mu­dan­ça ali­men­tar do bra­si­lei­ro, se­gun­do ele, fo­ram su­kiya­ki e tem­pu­rá, pra­tos tí­pi­cos que le­vam vá­ri­as ver­du­ras e le­gu­mes­no­pre­pa­ro.

Ogas­sawa­ra sa­li­en­ta que, hoje, nos res­tau­ran­te ja­po­ne­ses, cer­ca de 70% dos cli­en­tes não têm ori­gem ja­po­ne­sa, o que mos­tra que o cos­tu­me “já pe­gou”. Ele acre­di­ta que o con­su­mo de co­mi­das ori­en­tais au­men­tou a par­tir de 1982, quan­do cres­ceu a pre­sen­ça de ja­po­ne­ses na ci­da­de.

A nu­tri­ci­o­nis­ta Pau­la Ma­ga­lhães ex­pli­ca que a cu­li­ná­ria ja- po­ne­sa é be­ne­fi­ci­a­da pe­los ti­pos de ali­men­to que uti­li­za, sen­do que a mai­o­ria dos pra­tos é le­ve e le­va mais pro­du­tos fres­cos. Ela des­ta­ca que o uso de pou­cas es­pe­ci­a­ri­as tam­bém aju­da a man­ter o ali­men­to sau­dá­vel.

Pau­la res­sal­ta que al­guns es­tu­dos mos­tram que a lon­ge­vi­da­de dos ja­po­ne­ses está as­so­ci­a­da ao con­su­mo de ali­men­tos co­mo o ar­roz, al­gas, le­gu­mes, ver­du­ras, fru­tos do mar e pei­xes. Ela ex­pli­ca que o ar­roz é uma boa fon­te ener­gé­ti­ca, ver­du­ras e le­gu­mes for­ne­cem mi­ne­rais e vi­ta­mi­nas, pei­xes são ri­cos em pro­teí­nas de al­to va­lor bi­o­ló­gi­co, a exem­plo do robalo, sal­mão, atum e lin­ga­do. Além dis­so, os pei­xes são fon­te de vi­ta­mi­nas A, B1, D, E, cál­cio, só­dio e zin­co. Ela tam­bém ci­ta o gen­gi­bre, ali­men­to com ação ter­mo­gê­ni­ca, que ace­le­ra o me­ta­bo­lis­mo.

Os que­ri­di­nhos da cu­li­ná­ria ja­po­ne­sa, os pei­xes tam­bém con­tam com gor­du­ra in­sa­tu­ra­da, tem áci­dos gra­xos e ôme­ga 3 e 6, que es­tão as­so­ci­a­dos à pre­ven­ção de do­en­ças crô­ni­cas não trans­mis­sí­veis, a exem­plo de hi­per­ten­são, di­a­be­tes e obe­si­da­de. No en­tan­to, o pre­pa­ro do ali­men­to é fun­da­men­tal para que se­ja van­ta­jo­so con­su­mi-lo. “Me­lhor co­mer o pei­xe gre­lha­do ou cru. E se es­ti­ver cru, é im­por­tan­te pres­tar aten­ção em co­mo es­se ali­men­to foi ma­ni­pu­la­do, ar­ma­ze­na­do e preparado”, acon­se­lha.

So­bre os cos­tu­mes de se con­su­mir ali­men­tos que não fal­tam na me­sa dos ja­po­ne­ses, Pau­la faz uma res­sal­va. De acor­do com ela, é re­co­men­dá­vel ma­nei­rar no shoyo, que é um ali­men­to ri­co em só­dio que, em ex­ces­so, po­de pro­vo­car hi­per­ten­são, ain­da mais se a pes­soa já ti­ver his­tó­ri­co fa­mi­li­ar. “Tam­bém é bom apre­ci­ar pra­tos fri­tos com mo­de­ra­ção”, diz.

Di­vul­ga­ção

Os ja­po­ne­ses trou­xe­ram o há­bi­to de co­mer ver­du­ras cru­as co­mo o al­fa­ce

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.