Al­go mais do que se­xo

“Dan­ça da gar­ra­fa” de Mi­ley Cy­rus re­a­bre fe­ri­da ra­ci­al; es­ta­ria a ex-mu­sa te­en usur­pan­do a par­te que ca­be às ne­gras no la­ti­fún­dio do show­bizz?

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Silas Martí

“Twerk.” Se vo­cê ain­da não sa­be o que é, po­de con­sul­tar o di­ci­o­ná­rio Ox­ford, que aca­ba de in­cor­po­rar o po­lê­mi­co vo­cá­bu­lo à lín­gua in­gle­sa. Po­lê­mi­co por­que foi, di­ga­mos, o pon­to for­te da es­can­da­lo­sa per­for­man­ce da ex-Han­nah Mon­ta­na do se­ri­a­do in­fan­til da Disney, ago­ra tur­bi­na­da di­va te­en Mi­ley Cy­rus, no Vi­deo Music Awards da MTV no úl­ti­mo do­min­go.

No di­ci­o­ná­rio, “twerk” sig­ni­fi­ca “dan­çar de mo­do provocador com mo­vi­men­tos pro­je­tan­do e re­train­do o qua­dril em po­si­ção aga­cha­da”.

Al­guém aí se lem­bra da dan­ci­nha da gar­ra­fa? En­quan­to o “twerk” vi­ra uma febre nos Es­ta­dos Uni­dos, e quan­do re­a­li­za­do de for­ma mais ex­tá­ti­ca po­de até in­cluir ta­pi­nhas na bun­da de co­le­gas na pis­ta de dan­ça, bra­si­lei­ros sa­bem do que se tra­ta des­de os pri­mór­di­os do axé.

Mas o es­cân­da­lo em tor­no de Mi­ley Cy­rus é ou­tro. Na Amé­ri­ca de Ba­rack Obama e 50 anos de­pois do cé­le­bre dis­cur­so do so­nho de Mar­tin Luther King, uma na­ção pu­ri­ta­na vê no “twerk” um ra­cha ra­ci­al de gran­des pro­por­ções.

Tão gran­des quan­to os glú­te­os avan­ta­ja­dos das dan­ça­ri­nas - to­das ne­gras - no pal­co da pre­mi­a­ção da MTV.

En­quan­to Cy­rus, di­mi­nu­ta e tra­jan­do biquí­ni nu­de, re­en­car­na­va uma es­pé­cie de Bar­bie epi­lép­ti­ca e cle­an, seu pa­no de fun­do eram vo­lup­tu­o­sas, para não di­zer gor­das, mu­lhe­res ne­gras que en­fa­ti­za­vam sua fi­na bran­cu­ra.

Pe­lo me­nos es­sa foi a in­ter­pre­ta­ção de uma in­flu­en­te blo­guei­ra fe­mi­nis­ta e ne­gra. Tres­sie McMil­lan Cot­tom dis­se ver na dan­ça de Cy­rus “uma ten­ta­ti­va in­sen­sí­vel de afir­mar sua se­xu­a­li­da­de à cus­ta de uma apro­pri­a­ção cul­tu­ral de cor­pos ne­gros”.

Apro­pri­a­ção por­que es­se ti­po de mo­vi­men­to até aqui foi prer­ro­ga­ti­va das ne­gras na in­dús­tria do pop ame­ri­ca­no.

Im­pos­sí­vel es­que­cer Beyon­cé, a mai­or di­va ne­gra do país, que já can­tou até o hi­no na­ci­o­nal para Obama, em sua fo­go­sa per­for­man­ce da clás­si­ca “Bo­oty­li­ci­ous”.

Sua le­tra já di­zia para “me­xer o cor­po para ci­ma e para bai­xo, fa­zen­do o bum­bum to­car o chão”. E exi­gia do par­cei­ro que es­ta­pe­as­se su­as co­xas, ba­lan­ças­se seus ca­be­los.

Não é na­da per­to das es­tri­pu­li­as e da “von­ta­de de dar” da bra­si­lei­rís­si­ma Va­les­ca Po­po­zu­da. Mas nin­guém per­gun­ta que cor têm Po­po­zu­da e su­as ami­gas fun­kei­ras.

Pa­re­ce es­tar em jo­go nos EUA uma per­da da ino­cên­cia que res­va­lou para a de­sa­gra­dá­vel lem­bran­ça da se­gre­ga­ção ra­ci­al. Cy­rus, uma es­pé­cie de Sandy ame­ri­ca­na, ma­tou seu al­ter ego fo­fi­nho e quer se mos­trar uma “va­dia”.

E isso in­co­mo­da. Um ano an­tes do dis­cur­so de Luther King, Ralph El­li­son pu­bli­cou “Ho­mem In­vi­sí­vel”, clás­si­co so­bre a in­vi­si­bi­li­da­de so­ci­al dos ne­gros. Eles já não são in­vi­sí­veis e, à re­ve­lia de Cy­rus e seu bum­bum, que­rem de vol­ta sua par­te do bai­le.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.