A mu­lher sem ros­to

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

apa­re­ce­ria co­mo uma loi­ra fa­tal, olhos azuis co­mo o céu, ba­tom ver­me­lho nos lá­bi­os e po­se de madame? Usa­ria um per­fu­me de fra­grân­cia mar­can­te, tí­pi­co das mu­lhe­res que de­têm o po­der em to­das as cir­cuns­tân­ci­as? O tem­po se en­car­re­ga­ria de dar a res­pos­ta, que mui­tas ve­zes não cor­res­pon­de com nos­sas ex­pec­ta­ti­vas, uma vez que pro­cu­ra­mos cri­ar uma ima­gem que aten­da aos de­va­nei­os da men­te. Mas ela era re­al e sua pon­tu­a­li­da­de im­pres­si­o­na­va. Nem a agi­ta­ção na­tu­ral dos ani­mais de es­ti­ma­ção con­se­guia dis­si­mu­lar sua pre­sen­ça. To­mei co­nhe­ci­men­to so­men­te tem­pos de­pois que tra­ba­lha­va nu­ma usi­na de açú­car a al­guns quilô­me­tros da ci­da­de. De­cer­to exer­cia fun­ções ad­mi­nis­tra­ti­vas, a jul­gar pe­la in­du­men­tá­ria, ob­vi­a­men­te ana­li­sa­da de bai­xo para ci­ma, úni­ca re­fe­rên­cia pos­sí­vel até o mo­men­to. Se­ria ela ocu­pan­te de al­gum car­go no se­tor de re­cur­sos hu­ma­nos, de­par­ta­men­to pes­so­al, fi­nan­cei­ro, ge­rên­cia ou até mes­mo na di­re­to­ria? Es­sa dú­vi­da le­vou-me a al­gu­mas ten­ta­ti­vas em des­ven­dar o mis­té­rio da ma­dru­ga­da, sem su­ces­so. Eis que nu­ma be­la oca­sião a da­ma da noi­te ma­te­ri­a­li­zou-se di­an­te de meus olhos. Fui to­ma­do pe­la an­si­e­da­de ao ou­vir aque­les pas­sos rit­ma­dos, pro­cu­ran­do vi­su­a­li­zar an­te­ci­pa­da­men­te o vul­to da di­va ima­gi­ná­ria que po­vo­a­va meus pen­sa­men­tos. O que te­ria a lhe di­zer, se me per­mi­tis­se tal ou­sa­dia? Co­mo se­ria re­tri­buí­do, uma vez que ja­mais ha­via lhe di­ri­gi­do uma pa­la­vra se­quer? Fi­nal­men­te, aque­la que por mui­to tem­po foi a res­pon­sá­vel por de­ter­mi­nar o iní­cio dos meus dias de tra­ba­lho es­ta­va bem à mi­nha fren­te. E para mi­nha sur­pre­sa, es­ten­deu-me a mão num cum­pri­men­to cor­di­al, elo­gi­an­do mi­nha dis­po­si­ção em acor­dar tão ce­do. Era uma sim­pá­ti­ca ve­lhi­nha de ori­gem nipô­ni­ca e com­plei­ção mir­ra­da, cal­çan­do um ta­man­co ca­rac­te­rís­ti­co da­que­le país ori­en­tal. Con­tra­ta­da co­mo co­zi­nhei­ra, fa­zia do tra­ba­lho uma te­ra­pia em sua vi­da. Es­ta­va des­fei­to o mis­té­rio da mu­lher sem ros­to. E de to­das aque­las que pas­sa­ram pe­la cal­ça­da de mi­nha vi­da. Se­jam elas loi­ras, mo­re­nas ou rui­vas, com ou sem o aro­ma per­fu­ma­do do ima­gi­ná­rio hu­ma­no. Hoje não ou­ço mais aque­les pas­sos em mi­nha cal­ça­da. A vo­vó de­ve ter se apo­sen­ta­do. Que pe­na!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.