Au­to­ma­ção na co­zi­nha

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Ta­li­ta Ama­ral ta­li­ta@odi­a­rio.com

A tec­no­lo­gia na ar­qui­te­tu­ra e de­sig­ner de in­te­ri­o­res tem al­can­ça­do li­mi­tes ja­mais so­nha­dos há al­guns anos. Atu­al­men­te é pos­sí­vel pro­gra­mar os ho­rá­ri­os para acen­der e apa­gar as lu­zes, li­gar ele­tro­e­le­trô­ni­cos e ou­tros equi­pa­men­tos por meio de um sim­ples con­tro­le re­mo­to ou toque e mui­tos ou­tros pro­ces­sos que dei­xam a ca­sa mais in­te­li­gen­te. En­tre os am­bi­en­tes que ga­nha­ram es­sa pra­ti­ci­da­de e são ca­da vez mais con­vi­da­ti­vos está a co­zi­nha. Es­pe­ci­a­lis­tas re­ve­lam que é pos­sí­vel cli­ma­ti­zar e aque­cer o am­bi­en­te, bem co­mo pro­gra­mar aces­só­ri­os e ele­trô­ni­cos para tor­nar a ar­te de co­zi­nhar ain­da mais prá­ti­ca e agra­dá­vel.

De acor­do com o de­sig­ner de in­te­ri­o­res Marcelo Car­va­lho, com re­cur­sos de au­to­ma­ção, é pos­sí­vel ins­ta­lar persi- anas mo­to­ri­za­das, aque­cer o pi­so frio e pro­gra­mar apa­re­lhos de áu­dio e ví­deo dentro do am­bi­en­te. “Tam­bém po­de­mos co­lo­car tor­nei­ras com aces­sos bem sim­ples, que per­mi­tem, por exem­plo, com ape­nas um toque, de­ter­mi­nar a quan­ti­da­de de água de­se­ja­da”, exem­pli­fi­ca o de­sig­ner.

Ele co­men­ta que hoje tam­bém é pos­sí­vel de­sen­vol­ver pro­je­tos de au­to­ma­ção no mo­men­to da con­cep­ção do am­bi­en­te, ain­da que a ins­ta­la­ção dos sis­te­mas não es­te­ja pre­vis­ta em cur­to pra­zo. “Se a pes­soa dis­ser que fu­tu­ra­men­te vai que­rer au­to­ma­ti­zar to­da a ca­sa, já dei­xa­mos tu­do preparado para evi­tar trans­tor­nos no fu­tu­ro”.

Quan­to à au­to­ma­ção de ele­tro­do­més­ti­cos, Car­va­lho ex­pli­ca que es­se é um pro­ces­so ain­da em evo­lu­ção. “Por en­quan­to ain­da não con­se­gui­mos pro­gra­mar ele­tro­do­més­ti­cos, mas é pos­sí­vel com­prar equi­pa­men­tos im­por­ta­dos que ofe­re­cem al- gu­mas fa­ci­li­da­des”.

O que há de mais mo­der­no em au­to­ma­ção não é ne­ces­sa­ri­a­men­te a en­ge­nha­ria usa­da para co­nec­tar to­da a ca­sa, mas sim a for­ma com que as op­ções são aces­sa­das pe­lo usuá­rio.

Além dos apa­re­lhos de bi­o­me­tria e os “in­ter­rup­to­res” lu­mi­no­sos, ca­pa­zes de ini­ci­ar ou pa­rar uma ta­re­fa em exe­cu­ção, a au­to­ma­ção re­si­den­ci­al per­mi­te ao usuá­rio uti­li­zar smartpho­nes e ta­blets para con­tro­lar pro­ces­sos. Es­tes dis­po­si­ti­vos po­dem ser in­te­gra­dos na co­zi­nha aos de­mais am­bi­en­tes da ca­sa e aju­da­rão no con­tro­le do es­to­que de pro­du­tos e ali­men­tos na des­pen­sa e o aces­so à in­ter­net, aju­dan­do na bus­ca por re­cei­tas cu­li­ná­ri­as.

Ou­tro in­gre­di­en­te (além da fa­ci­li­da­de) que tor­na a au­to­ma­ção tão atra­ti­va é a eco­no­mia. Ao aces­sar to­dos os sis­te­mas re­mo­ta­men­te, o usuá­rio li­ga ape­nas aqui­lo que quer e pre­ci­sa, sem ne­ces­sa­ri­a­men­te usar tu­do na po­tên­cia má­xi­ma. Isso faz com que as lu­zes de um cô­mo­do da ca­sa, por exem­plo, es­te­jam li­ga­das ape­nas quan­do ne­ces­sá­rio, e de uma for­ma in­te­li­gen­te.

O pre­ço vai de­pen­der do que é pos­sí­vel ins­ta­lar no imó­vel e o que vo­cê pro­cu­ra em ter­mos de in­te­gra­ção. Os va­lo­res re­ais va­ri­am de acor­do com aqui­lo que vo­cê já pos­sui (co­mo um iPho- ne ou iPad) e o que vo­cê pro­cu­ra (a bi­o­me­tria, por exem­plo, au­men­ta o va­lor to­tal do pro­je­to). Ape­sar de ser um si­nal de sta­tus, a au­to­ma­ção re­si­den­ci­al está ca­da vez mais aces­sí­vel.

Di­vul­ga­ção

AM­BI­EN­TE IN­TE­LI­GEN­TE Co­zi­nhas po­dem ga­nhar pi­sos aque­ci­dos e tor­nei­ras con­tro­la­das com um sim­ples toque

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.