Es­pa­ço des­per­ta os cin­co sen­ti­dos

O Diario do Norte do Parana - - CLASSIDIÁRIO - Ju­li­a­na Fon­ta­nel­la ju­fon­ta­nel­la@di­a­rio.com

E se em lu­gar de ape­nas re­la­xar, vo­cê pu­des­se re­no­var as ener­gi­as do cor­po e da men­te ape­nas vi­si­tan­do um jar­dim? Em um pro­je­to sen­so­ri­al, isso é pos­sí­vel. A ideia é de­se­nhar um am­bi­en­te on­de o in­di­ví­duo re­ce­ba es­tí­mu­los para os cin­co sen­ti­dos (vi­são, ol­fa­to, pa­la­dar, ta­to e au­di­ção).

O me­lhor mo­do de ofe­re­cer es­se “pa­co­te” é tra­ba­lhar com ele­men­tos em con­jun­to, por exem­plo, apos­tar em plan­tas de co­res e ta­ma­nhos di­fe­ren­tes, es­pé­ci­es aro­má­ti­cas e ele­men­tos na­tu­rais co­mo água, pe­dra e ma­dei­ra. Pas­sar al­gum tem­po em um lu­gar as­sim per­mi­te que o or­ga­nis­mo se re­no­ve e a men­te se­re­ni­ze.

A ar­qui­te­ta pai­sa­gis­ta Be­a­triz Chimenti é a au­to­ra de um ar­ti­go so­bre o as­sun­to (O jar­dim sen­so­ri­al e su­as prin­ci­pais ca­rac­te­rís­ti­cas). A es­pe­ci­a­lis­ta en­fa­ti­za a in­fluên­cia ori­en­tal nes­se ti­po de pro­je­to. Se­gun­do ela, para um jar­dim ja­po­nês, por exem­plo são con­si­de­ra­do qu­a­tro dos cin­co sen­ti­dos. O ta­to é es­ti­mu­la­do pe­la tex­tu­ras das plan­tas, a au­di­ção pe­los sons da água, a vi­são é atraí­da pe­la di­ver­si­da­de e exu­be­rân­cia das co­res, já os aro­mas, pe­las es­pé­ci­es em com­po­si­ção.

Be­a­triz ci­ta ain­da os jar­dins sen­so­ri­ais aro­má­ti­cos que po­dem au­xi­li­ar no pro­ces­so de cu­ra e, cla­ro, for­ne­cer as er­vas para chás e re­mé­di­os na­tu­rais. Ce­le­bra­dos no pe­río­do me­di­e­val, es­se ti­po de jar­dim tam­bém po­de con­ter tem­pe­ros e es­pe­ci­a­ri­as. É a di­ver­si­da­de de pos­si­bi­li­da­des que mais en­can­ta os apai­xo­na­dos por es­se ti­po de es­pa­ço. A ideia po­de ser apli­ca­da em gran- des áre­as ou em um can­ti­nho da co­zi­nha, uma sa­ca­da ou área de cir­cu­la­ção, po­de até ser cul­ti­va­do no es­pa­ço do jar­dim de in­ver­no, au­men­tan­do as pos­si­bi­li­da­des de uso des­sa área ver­de.

Ex­pe­ri­ên­ci­a­lo­cal

Alu­nos dos cur­sos de En­ge­nha­ria Ci­vil e Agro­no­mia da Unicesumar, su­per­vi­si­o­na­dos pe­la pro­fes­so­ra Ja­naí­na Me­lo Fran­co, par­ti­ci­pam do pro­je­to vo­lun­tá­rio de um jar­dim sen­so­ri­al para o An­ti­go Mos­tei­ro da Ar­qui­di­o­ce­se. Um dos alu­nos da En­ge­nha­ria de­se­nhou a plan­ta do jar­dim que vai es­tar con­cluí­do em no­vem­bro, as mu­das e ou­tros ele­men­tos que se­rão acres­cen­ta­dos ao es­pa­ço fi­ca­ram sob res­pon­sa­bi­li­da­de dos alu­nos da Agro­no­mia.

Para es­se pro­je­to, além das ori­en­ta­ções sen­so­ri­ais, a pro­pos­ta foi am­pli­a­da para um jar­dim em on­das, con­cei­to do ar­qui­te­to e pai­sa­gis­ta bra­si­lei­ro Ro­ber­to Bur­le Marx. “Tra­ba­lha­mos com plan­tas na­ti­vas, uma das ba­ses das idei­as de­le. O pen­sa­men­to on­du­la­tó­rio acres­cen­ta ban­cos e ca­mi­nhos que pro­pi­ci­am a apro­xi­ma­ção e o en­con­tro das pes­so­as. O jar­dim é pen­sa­do co­mo es­pa­ço para des­per­tar os sen­ti­dos e pro­pi­ci­ar a con­vi­vên­cia”, afir­ma.

A com­po­si­ção do jar­dim sen­so­ri­al nes­sa pers­pec­ti­va agre­ga to­dos os co­nhe­ci­men­tos an­te­ri­o­res. Os alu­nos se­le­ci­o­na­ram es­pé­ci­es or­na­men­tais e na­ti­vas. As plan­tas vão se har­mo­ni­zar com gra­mas, pe­dras, ban­cos de ma­dei­ra rús­ti­ca e, por se tra­tar de um es­pa­ço de re­co­lhi­men­to e pre­ce, uma cruz. Os tons das plan­tas po­dem acal­mar ou es­ti­mu­lar, con­for­me o uso do jar­dim. A es­co­lha do aro­ma das er­vas e flo­res se­gue a mes­ma ló­gi­ca.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.