Os li­mi­tes da in­com­pe­tên­cia

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

O go­ver­no bra­si­lei­ro vi­a­bi­li­zou uma me­di­da po­lê­mi­ca para ten­tar re­sol­ver o pro­ble­ma da fal­ta de mé­di­cos no país, se­gun­do sua ver­são so­bre o ca­so. A che­ga­da dos pri­mei­ros pro­fis­si­o­nais vin­dos do ex­te­ri­or, re­ce­bi­dos no ae­ro­por­to pe­lo mi­nis­tro da Saú­de é uma mos­tra evi­den­te que o pro­gra­ma tem pri­o­ri­da­de so­bre as de­mais ini­ci­a­ti­vas ofi­ci­ais. Além da ima­gem mi­diá­ti­ca que a pre­sen­ça de al­tas au­to­ri­da­des pro­vo­ca nes­sas si­tu­a­ções, há que se aten­tar para in­ten­ções mais su­tis dos di­ri­gen­tes da re­pú­bli­ca. Não por coin­ci­dên­cia a me­di­da iné­di­ta se efe­ti­vou num mo­men­to em que as pes­qui­sas apon­tam uma que­da acen­tu­a­da na po­pu­la­ri­da­de da presidenta. Na­da mais viá­vel e opor­tu­no que ala­van­car os nú­me­ros dos ins­ti­tu­tos de pes­qui­sa com ações de im­pac­to, ten­tan­do pas­sar ao elei­tor uma ima­gem de com­pe­tên­cia e de­sen­vol­tu­ra, coi­sa que o go­ver­no atu­al não pos­sui. No em­ba­lo des­sas “im­por­ta­ções” des­re­gra­das so­bres­sai-se um ine­di­tis­mo cons­tran­ge­dor, uma vez que Cu­ba fi­ca­rá com a mai­or par­te dos sa­lá­ri­os de seus en­vi­a­dos. Es­ta­re­mos, por­tan­to con­tri­buin­do in­vo­lun­ta­ri­a­men­te para uma mai­or qua­li­da­de de vi­da dos ilha­dos “her­ma­nos” ca­ri­be­nhos. Com a pos­si­bi­li­da­de de des­cum­pri­men­to dos dis­po­si­ti­vos das leis tra­ba­lhis­tas bra­si­lei­ras.Se­ria in­te­res­san­te um apor­te de mé­di­cos des­sa en­ver­ga­du­ra se nos­sas ins­ti­tui­ções pú­bli­cas e pri­va­das de me­di­ci­na não for­mas­sem anu­al­men­te um vo­lu­me ex­pres­si­vo de pro­fis­si­o­nais, sa­bi­da­men­te ar­re­di­os na ade­são ao aten­di­men­to público de saú­de. As jus­ti­fi­ca­ti­vas são co­nhe­ci­das de lon­ga da­ta e cer­ta­men­te se fa­rão pre­sen­tes no co­ti­di­a­no dos no­vos con­tra­ta­dos. A ques­tão sa­la­ri­al não é fa­tor pre­pon­de­ran­te, pois al­guns mu­ni­cí­pi­os me­no­res ofe­re­cem ren­di­men­tos subs­tan­ci­al­men­te su­pe­ri­o­res à mé­dia da ca­te­go­ria, sem, con­tu­do ob­te­rem êxi­to nas con­tra­ta­ções. O que pe­sa na ba­lan­ça e de­ter­mi­na a fi­xa­ção dos pro­fis­si­o­nais em áre­as po­pu­lo­sas são as con­di­ções de tra­ba­lho. Não se po­de exer­cer com efi­ci­ên­cia uma ati­vi­da­de des­sa re­le­vân­cia em am­bi­en­tes to­tal­men­te ina­de­qua­dos. A lis­ta dos pro­ble­mas é ex­ten­sa com hos­pi­tais, pos­tos de aten­di­men­to e uni­da­des de saú­de su­per­lo­ta­dos; fal­tam equi­pa­men­tos, ma­te­ri­ais para pro­ce­di­men­tos, es­tru­tu­ra fí­si­ca e pro­fis­si­o­nais ca­pa­ci­ta­dos. É nes­se ce­ná­rio de ca­os ab­so­lu­to que os mé­di­cos es­tran­gei­ros irão atu­ar. Res­ta sa­ber por quan­to tem­po.

Se­gun­do o Mi­nis­té­rio da Saú­de, os pro­fis­si­o­nais re­cém-con­tra­ta­dos pas­sa­rão por uma pre­pa­ra­ção in­ten­si­va com du­ra­ção de três se­ma­nas que in­clui no­ções de lín­gua por­tu­gue­sa, do­en­ças tro­pi­cais e nor­mas do SUS, en­tre ou­tros. Ini­ci­al­men­te, só po­de­rão tra­ba­lhar na aten­ção bá­si­ca da saú­de, sem po­der re­a­li­zar pro­ce­di­men­tos mais com­ple­xos, co­mo ci­rur­gi­as. Al­guns se­to­res da área mé­di­ca se mos­tram to­tal­men­te con­trá­ri­os ao exer­cí­cio da pro­fis­são por mé­di­cos “im­por­ta­dos” em “re­gi­me de ur­gên­cia”, uma vez que a re­pro­va­ção de can­di­da­tos nos exa­mes an­te­ri­o­res co­nhe­ci­dos co­mo “Re­va­li­da” é al­tís­si­ma e o re­qui­si­to foi dis­pen­sa­do para es­se grupo.

O in­ti­tu­la­do pac­to da saú­de po­de­ria ter si­do efe­ti­va­do com me­nos pi­ro­tec­nia. Pres­si­o­na­do pe­las ma­ni­fes­ta­ções re­cen­tes o go­ver­no ten­ta, a toque de cai­xa, re­sol­ver os pro­ble­mas que há mui­to acom­pa­nham o bra­si­lei­ro. Com sua re­co­nhe­ci­da in­ca­pa­ci­da­de de ge­ren­ci­a­men­to ali­a­da ao gi­gan­tis­mo de uma má­qui­na ad­mi­nis­tra­ti­va em­per­ra­da en­tre 39 mi­nis­té­ri­os, o equí­vo­co atu­al fi­ca mais evi­den­te no mo­men­to em que se in­ver­te a ló­gi­ca dos fa­tos. Em vez de sa­nar as ca­rên­ci­as na saú­de cons­truin­do, equi­pan­do hos­pi­tais e ofe­re­cen­do con­di­ções mí­ni­mas de tra­ba­lho aos mé­di­cos bra­si­lei­ros o go­ver­no ata­ca os efei­tos e não as cau­sas. Não se co­nhe­ce a for­ma­ção aca­dê­mi­ca dos es­tran­gei­ros nem tam­pou­co sua ca­pa­ci­da­de em di­ag­nos­ti­car com efi­ci­ên­cia os ca­sos es­pe­cí­fi­cos que ocor­rem no País. Sem le­var em con­si­de­ra­ção as di­fe­ren­ças cul­tu­rais e as di­fi­cul­da­des na­tu­rais do idi­o­ma, só com mui­to oti­mis­mo para se acre­di­tar nu­ma me­lho­ria sig­ni­fi­ca­ti­va nos ser­vi­ços de aten­di­men­to de saú­de. Fi­ca a im­pres­são, mais uma vez, de que se ten­ta co­brir o sol com pe­nei­ra. Não me­re­ce­mos ta­ma­nha in­com­pe­tên­cia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.