Gram­po con­tra Dil­ma é tra­ta­do co­mo emer­gên­cia

Dil­ma con­vo­cou Gil­ber­to Car­va­lho para reu­nião no Pla­nal­to; en­con­tro, que não es­ta­va pre­vis­to na agen­da ofi­ci­al, de­ve dis­cu­tir su­pos­to mo­ni­to­ra­men­to de agên­cia dos EUA

O Diario do Norte do Parana - - GERAL - Agên­cia Es­ta­do

re­da­cao@ O mi­nis­tro-che­fe da da Se­cre­ta­ria-Ge­ral, Gil­ber­to Car­va­lho, afir­mou on­tem que o go­ver­no está em “si­tu­a­ção de emer­gên­cia” em ra­zão das de­nún­ci­as de es­pi­o­na­gem à pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff e a seus as­ses­so­res pe­la Agên­cia de Se­gu­ran­ça Na­ci­o­nal (NSA, na si­gla em in­glês) dos Es­ta­dos Uni­dos. Car­va­lho foi um dos as­ses­so­res con­vo­ca­dos por Dil­ma para uma reu­nião re­a­li­za­da pe­la ma­nhã. O en­con­tro não es­ta­va pre­vis­to na agen­da ofi­ci­al da pre­si­den­te.

“Es­ta­mos nu­ma si­tu­a­ção de emer­gên­cia por cau­sa des­sas de­nún­ci­as de es­pi­o­na­gem”, afir­mou o mi­nis­tro, re­fe­rin­do-se às no­vas de­nún­ci­as, re­ve­la­das por re­por­ta­gem pro­gra­ma Fan­tás­ti­co, da TV Glo­bo, do­min­go. Car­va­lho res­sal­vou, no en­tan­to, que não sa­bia se es­se era o as­sun­to do en­con­tro, mas que es­ta­va sen­do con­vo­ca­do pe­la pre­si­den­te para uma reu­nião.

O mi­nis­tro par­ti­ci­pa­va da aber­tu­ra do 4º Fó­rum In­ter­con­se­lhos do Pla­no Plu­ri­a­nu­al (PPA) e jus­ti­fi­cou que não po­de­ria per­ma­ne­cer no even­to por ter si­do con­vo­ca­do para um en­con­tro com a pre­si­den­te. “Não sei se o as­sun­to é es­se”. Ques­ti­o­na­do pe­la im­pren­sa, o mi­nis­tro evi­tou fa­zer mais co­men­tá­ri­os e ale­gou pres­sa para ir para o en­con­tro.

Par­ti­ci­pa­ram tam­bém da reu­nião os mi­nis­tros Jo­sé Eduardo Car­do­zo (Jus­ti­ça), Cel­so Amo­rim (De­fe­sa), e Pau­lo Ber­nar­do (Co­mu­ni­ca­ções). O no­vo mi­nis­tro das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res, Luiz Al­ber­to Fi­guei­re­do Ma­cha­do, tam­bém foi ao Pla­nal­to, de­pois de se reu­nir com o em­bai­xa­dor nor­te-ame­ri­ca­no no Bra­sil, Tho­mas Shan­non.

No do­min­go, à TV Glo­bo, Car­do­zo clas­si­fi­cou o ato do go­ver­no nor­te-ame­ri­ca­no co­mo “inad­mis­sí­vel” e afir­mou que co­bra­rá ex­pli­ca­ções for­mais. Du­ran­te a tar­de de on­tem, Car­do­zo e Fi­guei­re­do se reu­ni­ram para fa­lar so­bre as de­nún­ci­as, se­gun­do in­for­ma­ções da as­ses­so­ria de im­pren­sa do Mi­nis­té­rio das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res. “As no­vas in­for­ma­ções so­bre a es­pi­o­na­gem da NSA in­di­cam grau má­xi­mo de des­res­pei­to à so­be­ra­nia do País”

Re­a­ção

Em seu per­fil no Twit­ter, a mi­nis­tra-che­fe da se­cre­ta­ria de Di­rei­tos Hu­ma­nos, Ma­ria do Ro­sá­rio, dis­se que as “no­vas in­for­ma­ções so­bre a es­pi­o­na­gem da NSA in­di­cam grau má­xi­mo de des­res­pei­to à so­be­ra­nia do País”. Se­gun­do ela, a vi­o­la­ção de in­for­ma­ções de di­ri­gen­tes e ci­da­dãos de na­ções so­be­ra­nas de­ve ser te­ma cen­tral das Na­ções Uni­das. “É vi­o­la­ção tam­bém de di­rei­tos hu­ma­nos”, pos­tou a mi­nis­tra.

O líder do go­ver­no na Câ­ma­ra, Ar­lin­do Chi­na­glia (PTSP), in­for­mou que vai su­ge­rir um pro­tes­to for­mal do Con­gres­so Na­ci­o­nal con­tra a es­pi­o­na­gem nor­te-ame­ri­ca­na. “Me pa- re­ce não ha­ver dú­vi­das de que hou­ve es­pi­o­na­gem. Isso fe­re a nos­sa so­be­ra­nia, in­va­de a nos­sa pri­va­ci­da­de e, no ca­so da pre­si­den­te Dil­ma, é de um abu­so ina­cei­tá­vel”, cri­ti­cou o de­pu­ta­do.

O em­bai­xa­dor dos Es­ta­dos Uni­dos no Bra­sil, Tho­mas Shan­non, foi on­tem ao Ita­ma­raty pres­tar es­cla­re­ci­men­tos so­bre o te­ma ao chan­ce­ler Fi­guei­re­do Ma­cha­do. De­pois da reu­nião, Shan­non saiu sem fa­lar com a im­pren­sa

His­tó­ri­co

Em agos­to, o ex-agen­te da Agên­cia de Se­gu­ran­ça Na­ci­o­nal Edward Snow­den re­ve­lou do­cu­men­tos que in­di­ca­ri­am a in­ter­cep­ta­ção de in­for­ma­ções de ci- Após os aten­ta­dos de 11 de setembro de 2001, a NSA, de­pen­den­te do Pen­tá­go­no e com mais de 37 mil em­pre­ga­dos ci­vis e mi­li­ta­res, te­ve os po­de­res am­pli­a­dos. Sa­be-se hoje que a agên­cia pos­sui aju­da de gran­des em­pre­sas, para ob­ter es­cu­tas te­lefô­ni­cas e da­dos de usuá­ri­os da in­ter­net. As re­gras que re­gem a mais obs­cu­ra agên­cia fe­de­ral ame­ri­ca­na são em sua mai­o­ria se­cre­tas e co­nhe­ci­das por poucos. Cri­a­da em 1952, a en­ti­da­de foi es­con­di­da da po­pu­la­ção por 20 anos. da­dãos bra­si­lei­ros pe­lo go­ver­no dos EUA. No dia 13 da­que­le mês, a pre­si­den­te re­ce­beu no Pa­lá­cio do Pla­nal­to o se­cre­tá­rio de Es­ta­do dos Es­ta­dos Uni­dos, John Ker­ry, que ten­tou pres­tar es­cla­re­ci­men­tos so­bre a es­pi­o­na­gem nor­te-ame­ri­ca­na. Na oca­sião, o Pla­nal­to con­si­de­rou in­sa­tis­fa­tó­ria a ex­pli­ca­ção de Ker­ry.

Reprodução

Antonio Cruz/abr

Dil­ma Rous­seff: li­ga­ções e e-mails te­ri­am si­do mo­ni­to­ra­dos pe­los EUA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.