Sus­pen­sa ses­são que li­vrou de­pu­ta­do

Pe­na e com­pa­drio na Câ­ma­ra

O Diario do Norte do Parana - - GERAL - Agên­cia Fo­lha

re­da­cao@odi­a­rio.com O mi­nis­tro do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) Luís Ro­ber­to Bar­ro­so aten­deu par­ci­al­men­te um pe­di­do fei­to pe­lo líder do PSDB na Câ­ma­ra, Car­los Sam­paio (SP), e sus­pen­deu os efei­tos da ses­são que man­te­ve o man­da­to do de­pu­ta­do Na­tan Do­na­don (ex-PMDBRO) até que o ple­ná­rio do STF se ma­ni­fes­te so­bre o ca­so.

A de­ci­são, con­tu­do, não im­pli­ca a per­da au­to­má­ti­ca do man­da­to do de­pu­ta­do, que, de acor­do com Bar­ro­so, de­ve ser pro­ces­sa­da pe­la Me­sa Di­re­to­ra da Câ­ma­ra.

“Pe­la gra­vi­da­de mo­ral e ins­ti­tu­ci­o­nal de se man­te­rem os efei­tos de uma de­ci­são po­lí­ti­ca que (...) chan­ce­la a exis­tên­cia de um de­pu­ta­do pre­si­diá­rio (...). A in­dig­na­ção cí­vi­ca, a per­ple­xi­da­de ju­rí­di­ca, o aba­lo às ins­ti­tui­ções e o cons­tran­gi­men­to que tal si­tu­a­ção ge­ra para os Po­de­res cons­ti­tuí­dos le­gi­ti­mam a atu­a­ção ime­di­a­ta do Ju­di­ciá­rio. Co­mo con­sequên­cia, sus­pen­do os efei­tos da de­li­be­ra­ção do Ple­ná­rio da Câ­ma­ra”, diz tre­cho da de­ci­são.

Pri­são

En­car­ce­ra­do des­de o dia 28 de ju­nho em um pre­sí­dio do Dis­tri­to Fe­de­ral após ser con­de­na­do pe­lo STF a mais de 13 anos de pri­são pe­lo des­vio de R$ 8,4 mi­lhões da As­sem­bleia de Rondô­nia por meio de con­tra­tos de publicidade frau­du­len­tos, Do­na­don não te­ve o seu man­da­to de de­pu­ta­do fe­de­ral cas­sa­do­naúl­ti­ma­quar­ta-fei­ra.

Na vo­ta­ção, que foi se­cre­ta, o ple­ná­rio da Câ­ma­ra re­gis­trou ape­nas 233 vo­tos pe­la cas­sa­ção (24 a me­nos do que o mí­ni­mo ne­ces­sá­rio), con­tra 131 vo­tos pe­la ab­sol­vi­ção e 41 abs­ten­ções.

A au­sên­cia de 108 de­pu­ta­dos no dia que tra­di­ci­o­nal­men­te há o mai­or quó­rum na Ca­sa tam­bém be­ne­fi­ci­ou Do­na­don. Pre­sen­te no ple­ná­rio du­ran­te a vo­ta­ção, o de­pu­ta­do re­a­giu com um gri­to de “não acre­di­to!”

Fo­ra das ses­sões

Ape­sar de ser o pri­mei­ro de­pu­ta­do bra­si­lei­ro a man­ter o car­go atrás das gra­des, Do­na­don não vai po­der par­ti­ci­par das ses­sões. O pre­si­den­te da Ca­sa, Hen­ri­que Eduardo Al­ves (PMDB-RN), de­ter­mi­nou o afas­ta­men­to de Do­na­don, pe­lo fa­to de ele es­tar pre­so, e a con­vo­ca­ção do suplente, o ex­mi­nis­tro Amir Lan­do (PMDB-RO), para as­su­mir o man­da­to. A vo­ta­ção se­cre­ta nas ses­sões de cas­sa­ção de co­le­gas mal­fei­to­res faz aflo­rar, en­tre os par­la­men­ta­res, o sen­ti­men­to de com­pa­drio, de cor­po­ra­ti­vis­mo, de ami­za­de e, tam­bém, de dó. Quem o diz é o pre­si­den­te da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos, Hen­ri­que Eduardo Al­ves (PMDB-RN), ao ten­tar jus­ti­fi­car o re­sul­ta­do que man­te­ve o Do­na­don no car­go.

“O vo­to se­cre­to ge­ra es­sa ano­ma­lia, por­que fi­ca aque­le vo­to do com­pa­drio, do cor­po­ra­ti­vis­mo, da ami­za­de, do sen­ti­men­to de pe­na. Em al­guns ca­sos pe­sa­ram res­sen­ti­men­tos pes­so­ais em re­la­ção a ou­tros pro­ce­di­men­tos da Jus­ti­ça. En­tão, é um acú­mu­lo que o vo­to se­cre­to per­mi­te ex­pres­sar. Fi­cou cla­ro que a trans­pa­rên­cia do vo­to se im­põe para que es­sas ques­tões me­no­res ou dis­tor­ci­das não pos­sam pre­va­le­cer. Co­mo pre­si­den­te da Ca­sa, não co­lo­co mais pro­ces­so de cas­sa­ção de de­pu­ta­do sob o man­to do vo­to se­cre­to”, dis­se.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.