Gló­ria fei­ta de es­ti­lo Con­sul­to­ra de mo­da

CHIC nes­ta quin­ta-fei­ra para um Gló­ria Ka­lil vem à ci­da­de papo so­bre ten­dên­ci­as, es­ti­lo e com­por­ta­men­to

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Ariá­diny Ri­nal­di

ari­a­diny@odi­a­rio.com A con­sul­to­ra de mo­da e jor­na­lis­ta Gló­ria Ka­lil vem a Ma­rin­gá, tra­zen­do na ba­ga­gem as úl­ti­mas ten­dên­ci­as in­ter­na­ci­o­nais da mo­da. A pa­les­tra com o te­ma “Es­ti­lo: mo­da e com­por­ta­men­to” acon­te­ce nes­ta quin­ta-fei­ra, a par­tir das 19h30, no Moi­nho Ver­me­lho.

O en­con­tro re­a­li­za­do pe­la CR Even­tos em par­ce­ria com o Shop­ping Ma­rin­gá Park, tem co­mo ob­je­ti­vo reu­nir for­ma­do­res de opi­nião para a tro­ca de ex­pe­ri­ên­ci­as e pro­mo­ver a atu­a­li­za­ção das ten­dên­ci­as in­ter­na­ci­o­nais so­bre mo­da e es­ti­lo. Além da pa­les­tra, a pro­gra­ma­ção con­ta com des­fi­les das mar­cas Di­vi­ni­tá e Dan­ka­ri, co­que­tel e di­ver­sos sor­tei­os para os par­ti­ci­pan­tes.

For­ma­da em so­ci­o­lo­gia po­lí­ti­ca, Glo­ria ini­ci­ou a car­rei­ra co­mo jor­na­lis­ta na Edi­to­ra Abril, na dé­ca­da de 70, para se de­di­car em se­gui­da à in­dús­tria têx­til. Foi di­re­to­ra de pro­du­to da Sca­la D’Oro Têx­til, uma das gran­des te­ce­la­gens e es­tam­pa­ri­as bra­si­lei­ras. Foi res­pon­sá­vel tam­bém por tra­zer uma gri­fe in­ter­na­ci­o­nal para o País, a Fi­o­ruc­ci, in­tei­ra­men­te pro­du­zi­da no Bra­sil.

So­bre o te­ma, Gló­ria já pu­bli­cou os li­vros “É Chic - Um Guia Bá­si­co de Mo­da e Es­ti­lo”; “Chic Ho­mem – Ma­nu­al de Mo­da e Es­ti­lo”; “Alô, Chics!” ; “Chiquér­ri­mo: Mo­da e Eti­que­ta em No­vo Re­gi­me” e “Vi­a­jan­te Chic”.

Em en­tre­vis­ta con­ce­di­da por te­le­fo­ne ao Diá­rio, Gló­ria fa­la so­bre a di­fe­ren­ça en­tre mo­da e es­ti­lo, de­fen­de o uso de leis de in­cen­ti­vo cul­tu­ral para pro­mo­ver a mo­da bra­si­lei­ra e se mos­tra pre­o­cu­pa­da em re­la­ção à ve­lo­ci­da­de com que as ten­dên­ci­as vêm se de­sa­tu­a­li­zan­do. O DIÁ­RIO O que se­rá dis­cu­ti­do no en­con­tro?

GLÓ­RIA KA­LIL

Quan­do é uma pa­les­tra para um público mai­or e mais am­plo, acre­di­to que o mais in­te­res­san­te é fa­zer uma con­ver­sa so­bre mo­da e es­ti­lo, dis­cu­tin­do a di­fe­ren­ça en­tre os dois con­cei­tos e a ma­nei­ra co­mo as pes­so­as se apro­xi­mam do pró­prio es­ti­lo. A pa­la­vra es­ti­lo tem tan­to ou mais peso do que a pa­la­vra mo­da. Mo­da é ofer­ta e es­ti­lo é es­co­lha. Se­rá um ba­te-papo le­ve em ci­ma des­sa no­va si­tu­a­ção em que o con­su­mi­dor se en­con­tra. A re­gião de Ma­rin­gá e Ci­a­nor­te é re­co­nhe­ci­da co­mo um dos prin­ci­pais po­los de mo­da do País. Vo­cê co­nhe­ce a mo­da lo­cal ? Já es­ti­ve em Ma­rin­gá há al­guns anos. Co­nhe­ço to­dos os po­los de mo­da e sei que é um dos mais for­tes, mas não es­tou por dentro da pro­du­ção atu­al para dar opi­nião. Se­guir a mo­da é um que­si­to só para a eli­te ou pes­so­as de bai­xa ren­da tam­bém con­se­guem se ves­tir bem? A mo­da é uma ofer­ta que está al­can­ce de qual­quer bol­so. Tem mo­da fashi­on nas lo­jas de de­par­ta­men­to e nas lo­jas po­pu­la­res. To­dos os ti­pos de lo­jas con­se­guem ven­der as úl­ti­mas no­vi­da­des e es­tão in­for­ma­dís­si­mas em ques­tão de ten­dên­ci­as. Hoje em dia, nin­guém mais com­pra rou­pa, to­do mun­do com­pra mo­da. Se ves­tem para se ex­pres­sar e não para se co­brir. O es­ti­lis­ta Pe­dro Lou­ren­ço cau­sou po­lê­mi­ca por ter con­se­gui­do cap­tar R$ 2,8 mi­lhões pe­la Lei Rou­a­net para re­a­li­zar dois des­fi­les em Pa­ris. Acre­di­ta que a mo­da bra­si­lei­ra po­de se be­ne­fi­ci­ar des­sas leis de in­cen­ti­vo cul­tu­ral? Com cer­te­za. A mo­da é, sim, um as­sun­to de cul­tu­ra e de­ve ser tra­ta­do na pas­ta do Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra. As­sim co­mo as pes­so­as ex­pres­sam sua iden­ti­da­de pe­lo mo­do co­mo se ves­tem, o País tam­bém se ex­pres­sa atra­vés de sua mo­da. Se a co­le­ção do des­fi­le tem te­mas que abor­dam a ima­gem do Bra­sil, po­de, per­fei­ta­men­te, ser en­qua­dra­do em leis de in­cen­ti­vo cul­tu­ral. A mí­dia ain­da tem a mes­ma in­flu­en­cia de quan­do sur­giu so­bre o com­por­ta­men­to das pes­so­as? Na mo­da, ain­da in­flu­en­cia mui­tís­si­mo. O mes­mo im­pac­to de “Dan­cin’Days”, por exem­plo, te­ve a “Ave­ni­da Bra­sil” [no­ve­las da Glo­bo, res­pec­ti­va­men­te]. To­do mun­do que­ria a bol­sa da Carminha ou a rou­pa da Su­e­len. No­ve­las con­ti­nu­am en­tre as prin­ci­pais lan­ça­do­ras de mo­da. E a mú­si­ca? Acre­di­ta que al­gu­mas le­tras de funk ou ser­ta­ne­jo re­fle­tem o com­por­ta­men­to das mu­lhe­res? Acre­di­to que es­sas mú­si­cas ex­pres­sam a iden­ti­da­de de uma gran­de par­te da po­pu­la­ção. Não exis­te ne­nhum mo­vi­men­to, se­ja da mú­si­ca, dan­ça, te­a­tro, li­te­ra­tu­ra ou cinema que não re­pre­sen­ta a de­man­da do público. Em tem­pos de su­pe­rex­po­si­ção, as pes­so­as sen­tem ne­ces­si­da­de de par­ti­ci­par, de se­rem vis­tas e ou­vi­das e a in­ter­net é o prin­ci­pal meio. Exis­te uma eti­que­ta para as re­des so­ci­ais. Quais se­ri­am as prin­ci­pais ati­tu­des? Exis­te há mais ou me­nos dez anos. A eti­que­ta é a res­pos­ta que o sen­so co­mum dá para as no­vi­da­des que a so­ci­e­da­de in­ven­ta.Na in­ter­net, é pre­ci­so sa­ber do­sar o uso do Fa­ce­bo­ok e do ce­lu­lar para não ser to­tal­men­te ab­sor­vi­do por es­sas re­des ou apre­sen­tar um com­por­ta­men­to ex­tre­ma­men­te in­va­si­vo. A mo­da sem­pre se rein­ven­tou. Mui­tas pe­ças an­ti­gas de dé­ca­das atrás vol­tam a ser ten­dên­cia de for­ma adap­ta­da ao mun­do atu­al. Es­sas mu­dan­ças es­tão ca­da vez mais rá­pi­das. A ve­lo­ci­da­de é boa ou ruim? Es­sa ve­lo­ci­da­de é um pou­co ex­ces­si­va. To­das as dé­ca­das da mo­da fo­ram re­vi­si­ta­das e as pe­ças já ga­nha­ram inú­me­ras in­ter­pre­ta­ções de for­mas, co­res e ta­ma­nhos di­fe­ren­tes. O que ain­da po­de mu­dar a mo­da são as no­vi­da­des tec­no­ló­gi­cas de te­ci­dos. Para o co­mér­cio, a in­dús­tria e os cri­a­do­res, es­sas mu­dan­ças cons­tan­tes são ago­ni­an­tes. Quan­do con­se­guem fa­zer um gran­de acer­to, ime­di­a­ta­men­te já é subs­ti­tuí­do por ou­tro. Não dá tem­po de apri­mo­rar. A ex­pec­ta­ti­va de no­vi­da­des tão pro­nun­ci­a­das tor­na es­se mo­vi­men­to an­si­o­so e cor­ri­do de­mais.

Di­vul­ga­ção

Gló­ria Ka­lil: “A pa­la­vra es­ti­lo tem tan­to ou mais peso do que a pa­la­vra mo­da. Mo­da é ofer­ta e es­ti­lo é es­co­lha”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.