Tec­no­lo­gi­as de mo­bi­li­da­de na Me­di­ci­na

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

A par­tir da vi­ra­da do sé­cu­lo XX para o XXI, as em­pre­sas de saú­de se vi­ram na obri­ga­ção – e tam­bém no be­ne­fí­cio – de in­ves­tir em tec­no­lo­gia de in­for­ma­ção e co­mu­ni­ca­ção co­mo for­ma de mo­der­ni­za­ção da ges­tão, re­du­ção de cus­tos e mai­or efi­ci­ên­cia nos pro­ces­sos.

Na atu­a­li­da­de, no­vas ja­ne­las de opor­tu­ni­da­des de in­ves­ti­men­tos apon­tam para os no­tá­veis avan­ços da te­le­me­di­ci­na e da mo­bi­li­da­de apli­ca­das à saú­de: o eHe­alth e o mHe­alth.

Mui­tos be­ne­fí­ci­os já têm si­do le­van­ta­dos co­mo re­sul­ta­do da te­le­me­di­ci­na, en­tre eles a di­mi­nui­ção da de­si­gual­da­de da qua­li­da­de no aten­di­men­to as­sis­ten­ci­al de­vi­do a dis­tân­ci­as ge­o­grá­fi­cas, re­du­ção no nú­me­ro de con­sul­tas mé­di­cas des­ne­ces­sá­ri­as e a pos­si­bi­li­da­de de de­sos­pi­ta­li­za­ção da­que­les pa­ci­en­tes que po­dem ser mo­ni­to­ra­dos re­mo­ta­men­te.

Mas um no­vo as­pec­to da te­le­me­di­ci­na, mais pro­pri­a­men­te da mo­bi­li­da­de em saú­de, tem se des­ta­ca­do: o fo­co na pre­ven­ção co­mo for­ma de re­du­ção de cus­tos.

Em um país com ca­da vez mais ido­sos, em que se au­men­ta a in­ci­dên­cia de do­en­ças crô­ni­cas – e con­se­quen­te­men­te as des­pe­sas de as­sis­tên­cia –, as tec­no­lo­gi­as de mo­bi­li­da­de em saú­de (mHe­alth) se apre­sen­tam co­mo so­lu­ções e al­ter­na­ti­vas ino­va­do­ras para a di­mi­nui­ção de des­pe­sas para go­ver­nos e tam­bém em­pre­sas de saú­de.

A uti­li­za­ção em mas­sa de dis­po­si­ti­vos mó­veis, co­mo apa­re­lhos smartpho­nes e ta­blets, ofe­re­ce a opor­tu­ni­da­de de mo­ni­to­ra­men­to re­mo­to em tem­po re­al a pa­ci­en­tes por­ta­do­res de do­en­ças crô­ni­cas, que po­dem re­ce­ber aler­tas de me­di­ca­ção, lem­bre­tes de con­sul­ta, ori­en­ta­ção acer­ca de de­ter­mi­na­do es­ta­do de saú­de ou até mes­mo uma in­ter­ven­ção mé­di­ca mais rá­pi­da e efi­caz, se ne­ces­sá­ria, de­vi­do a da­dos vi­tais en­vi­a­dos à equi­pe as­sis­ten­ci­al por meio do seu dis­po­si­ti­vo.

Em apli­ca­ções mais crí­ti­cas, o pa­ci­en­te po­de até mes­mo uti­li­zar pul­sei­ra in­te­li­gen­te para mo­ni­to­ra­men­to con­tí­nuo dos si­nais vi­tais, com lo­ca­li­za­ção por Glo­bal Po­si­ti­o­ning Sys­tem (GPS) e co­mu­ni­ca­ção de emer­gên­cia.

Mais do que sim­ples­men­te uma agen­da ele­trô­ni­ca, as so­lu­ções de mHe­alth es­ta­be­le­cem uma li­nha di­re­ta en­tre pa­ci­en­te e equi­pe mé­di­ca, que po­de agir de for­ma pre­ven­ti­va em vez de pa­li­a­ti­va. Além dis­so, pa­ci­en­tes que pre­ci­sam de mo­ni­to­ra­men­to não pre­ci­sam ne­ces­sa­ri­a­men­te fi­car hos­pi­ta­li­za­dos, uma vez que po­dem re­ce­ber o acom­pa­nha­men­to re­mo­to.

O gran­de re­sul­ta­do do uso de tan­ta tec­no­lo­gia é a re­du­ção de cus­tos: cus­tos de in­ter­na­men­to, des­lo­ca­men­tos, equi­pe mé­di­ca e de en­fer­ma­gem, en­tre tan­tas des­pe­sas as­sis­ten­ci­ais que são evi­ta­das por con­ta da pre­ven­ção.

Afi­nal, um pa­ci­en­te hi­per­ten­so de­vi­da­men­te me­di­ca­do e que vai às con­sul­tas pe­rió­di­cas para acom­pa­nha­men­to tem me­nos chan­ces de so­frer um Aci­den­te Vas­cu­lar Ce­re­bral (AVC) do que aque­le que não man­tém as con­sul­tas em dia e se es­que­ce de to­mar os re­mé­di­os.

Por tan­tos be­ne­fí­ci­os, as so­lu­ções de eHe­alth e mHe­alth vêm mo­vi­men­tan­do o mer­ca­do co­mo lí­de­res em so­lu­ções lu­cra­ti­vas em Tec­no­lo­gia da In­for­ma­ção, es­pe­ci­al­men­te para as ope­ra­do­ras de saú­de su­ple­men­tar que vêm bus­can­do subs­ti­tuir os mo­de­los de saú­de pa­li­a­ti­va e cu­ra­ti­va para mo­de­los de saú­de pre­ven­ti­va.

Nes­se ce­ná­rio, o Go­ver­no Fe­de­ral tam­bém po­de se­guir os mes­mos pas­sos e en­con­trar na tec­no­lo­gia o ca­mi­nho para o equi­lí­brio tão ne­ces­sá­rio em um País que ten­de a en­ve­lhe­cer e pre­ci­sa su­pe­rar os pro­ble­mas crô­ni­cos na saú­de pú­bli­ca.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.