Mais es­pa­ços para a cul­tu­ra

DI­FU­SÃO Es­ta­be­le­ci­men­tos pú­bli­cos e pri­va­dos ofe­re­cem, por con­ta pró­pria, op­ções cul­tu­rais ao público, se­ja por meio da lei­tu­ra ou da apre­ci­a­ção de obras de ar­tis­tas lo­cais

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Ana Lui­za Ver­zo­la

ana­ver­zo­la@odi­a­rio.com Ca­fé Li­te­rá­rio, Rock and Hon­da, 2ª Va­ra do Tra­ba­lho, De­mo­crá­ti­co Bar – apa­ren­te­men­te os lo­cais não têm na­da em co­mum, não fos­se o fa­to de que ca­da am­bi­en­te re­ser­va um es­pa­ço para a di­fu­são de cul­tu­ra, se­ja por meio da lei­tu­ra, apre­ci­a­ção de mú­si­ca ou apre­ci­a­ção de ar­te. “A ar­te sem­pre en­ri­que­ce mui­to o am­bi­en­te, não só em ter­mos de va­lor nu­mé­ri­co, mas tam­bém em ter­mos cul­tu­rais”, des­ta­ca a ar­qui­te­ta de in­te­ri­o­res Cla­ris­sa Bro­et­to. E em ge­ral es­se é o ob­je­ti­vo dos res­pon­sá­veis por co­lo­car as idei­as em prá­ti­ca nos lu­ga­res ci­ta­dos.

É na sa­la de au­di­ên­cia da 2ª Va­ra do Tra­ba­lho, em Ma­rin­gá, que al­go de in­co­mum cha­ma a aten­ção dos que es­tão ali es­pe­ran­do: na pa­re­de, um va­ral de bar­ban­te, pre­ga­do­res de rou­pa e po­e­mas di­ver­sos de­pen­du­ra­dos. “Tro­ca­mos men­sal­men­te os po­e­mas e ve­jo as pes­so­as len­do, re­ti­ran­do, per­gun­tan­do se po­dem le­var e le­vam. A in­ten­ção é le­var cul­tu­ra e po­e­sia às pes­so­as, por­que aqui ela po­de co­nhe­cer, se in­te­res­sar e bus­car mais in­for­ma­ções”, diz a téc­ni­ca ju­di­ciá­ria Si­be­li Pi­nhei­ro, que acom­pa­nha de per­to a re­a­ção das pes­so­as ao ob­ser­va­rem o va­ral, que está ali há cer­ca de dois anos. O po­e­ta des­te mês é Ál­va­ro de Cam­pos, he­terô­ni­mo do po­e­ta por­tu­guês Fer­nan­do Pes­soa. Os po­e­tas que mais fi­ze­ram su­ces­so até ago­ra fo­ram o cu­ri­ti­ba­no Pau­lo Le­mins­ki e a ca­ri­o­ca Ce­cí­lia Mei­re­les.

A ini­ci­a­ti­va, que re­ce­beu o no­me de Fó­rum de Po­e­sia, par­tiu do juiz do tra­ba­lho subs­ti­tu­to Jo­sé Vinicius Sou­za Rocha. “Ten­ta­mos de vá­ri­as ma­nei­ras dis­trair o pes­so­al que es­pe­ra as au­di­ên­ci­as, que às ve­zes de­mo­ram, atra­sam. Eu sem­pre gos­tei mui­to de po­e­sia, en­can­ta a to­dos e me­lho­ra o mun­do”, con­ta. Além do Fó­rum de Po­e­sia, ou­tro pro­je­to im­plan­ta­do ali é de do­a­ção de li­vros: uma es­tan­te está po­si­ci­o­na­da no hall e as pes­so­as po­dem do­ar e pe­gar os li­vros, que são ca­rim­ba­dos pe­lo Fó­rum para que só cir­cu­lem com o pro­pó­si­to de in­cen­ti­vo à lei­tu­ra.

Quan­do se tra­ta de es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais, a di­ca da ar­qui­te­ta Cla­ris­sa Bro­et­to é es­co­lher obras de ar­tis­tas com as quais os pro­pri­e­tá­ri­os se iden­ti­fi­quem e “que se sin­tam bem com a ideia trans­mi­ti­da pe­la obra”.

Foi des­sa for­ma que a de­co­ra­ção de um res­tau­ran­te na zo­na 7 foi pen­sa­da, jun­tan­do ca­rac­te­rís­ti­cas de to­dos os en­vol­vi­dos no es­ta­be­le­ci­men­to. Em uma te­ma­ke­ria a gas­tro­no­mia ori­en­tal por si só po­de­ria ser um pra­to cheio de cul­tu­ra, li­te­ral­men­te. Na Rock and Hon­da, do la­do es­quer­do do am­bi­en­te é res­pei­ta­da a pro­pos­ta de ca­rac­te­ri­zar o es­pa­ço ins­pi­ra­do na cul­tu­ra ja­po­ne­sa. Já para quem ob­ser­va a pa­re­de do la­do di­rei­to, o que pre­do­mi­na é al­go mais con­tem­po­râ­neo e con­cei­tu­al: di­ver­sas obras re­me­ten­do a íco­nes mu­si­cais em azu­le­jos, qua­dros e fo­to­gra­fi­as de ar­tis­tas ge­ral­men­te lo­cais – são cin­co ar­tis­tas reu­ni­dos e to­das as pe­ças es­tão à ven­da.

Os só­cio-pro­pri­e­tá­ri­os do res­tau­ran­te, Car­los Eduardo Hon­da, Le­o­nar­do Goha­ra e Rob­son Osny de Ca­mar­go Dol­berth Fi­lho, não ga­nham fi­nan­cei­ra­men­te com as ven­das das obras. “A ca­da ven­da ga­nha­mos uma de­co­ra­ção no­va, que subs­ti­tui o es­pa­ço da an­te­ri­or”, diz Dol­berth Fi­lho.

A pre­o­cu­pa­ção tam­bém é com a so­no­ri­da­de do lo­cal - pe­lo no­me do es­ta­be­le­ci­men­to já se tem uma ideia do gos­to pre­do­mi­nan­te dos só­ci­os. Mas não só: Dol­berth ob­ser­va os cli­en­tes e ten­ta, por meio do es­ti­lo da pes­soa, as­so­ci­ar um es­ti­lo mu­si­cal que tal­vez o cli­en­te apre­cie.

Ca­fé e li­vros po­dem ser uma com­bi­na­ção bas­tan­te atra­ti­va, e não ra­ro al­guns lo­cais unem os dois pra­ze­res. “A gen­te sen­tia que fal­ta­va um lu­gar para ir sem pre­o­cu­pa­ção e re­la­xar”, con­ta a ad­mi­nis­tra­do­ra Na­tá­lia Reis, só­cia-pro­pri­e­tá­ria do Ca­fé Li­te­rá­rio. Fun­da­do em 2009 co­mo um se­bo, a li­vra­ria é atu­al­men­te pon­to de en­con­tro prin­ci­pal­men­te de es­tu­dan­tes para por em prá­ti­ca o ob­je­ti­vo de Na­tá­lia e Taís Go­mes, tam­bém só­cia. Ago­ra não fal­ta É in­te­res­san­te usar os itens não só por se­rem de ar­tis­tas, mas que se­jam re­la­ci­o­na­dos com a ti­po­lo­gia do lo­cal. Isso aju­da a va­lo­ri­zar ain­da mais o ar­tis­ta, pois os fre­quen­ta­do­res vão se iden­ti­fi­car ain­da mais com a obra de ar­te, vão bus­car sua ori­gem. E tam­bém é im­por­tan­te que es­se ob­je­to não atra­pa­lhe a fun­ci­o­na­li­da­de do am­bi­en­te. Mas o in­cen­ti­vo é sem­pre mui­to im­por­tan­te. mais: sen­tar em um can­ti­nho, pe­gar um li­vro e fo­lheá-lo sem pre­o­cu­pa­ção, com a opor­tu­ni­da­de de pe­dir um ca­fé e de que­bra às ve­zes par­ti­ci­par de uma boa con­ver­sa tem lu­gar cer­to. “Ía­mos sem­pre a São Pau­lo e qu­e­ría­mos tra­zer o ide­al de um es­pa­ço acon­che­gan­te”, jus­ti­fi­ca Na­tá­lia.

De me­sa em me­sa

No De­mo­crá­ti­co, além da cer­ve­ja ge­la­da, o ob­je­ti­vo do pro­pri­e­tá­rio Téo é ser­vir tam­bém cul­tu­ra aos fre­quen­ta­do­res do A ar­qui­te­tu­ra hoje em dia é uma re­fe­rên­cia de es­ti­lo, bem-es­tar, é al­go que to­dos ana­li­sam e usam co­mo ins­pi­ra­ção para um es­ti­lo de vi­da. Nes­se que­si­to re­fe­rên­cia, se usar­mos obras de ar­te, as pes­so­as vão pa­rar, re­fle­tir, e ana­li­sar por que es­ses itens fo­ram usa­dos, e vão ter von­ta­de de usar tam­bém. Re­su­min­do, a ar­qui­te­tu­ra é uma vi­tri­ne on­de es­ti­los são usa­dos e co­pi­a­dos. bar. “Des­de que co­me­çou o ob­je­ti­vo é es­se, de le­var cul­tu­ra re­gi­o­nal para as pes­so­as”, res­sal­ta. O bar tem no cur­rí­cu­lo pro­je­tos co­mo o Mu­ti­rão Ar­tís­ti­co (even­to que reu­niu ar­tis­tas da ci­da­de com obras em ex­po­si­ção), apre­sen­ta­ção de ban­das, obras de gra­fi­te fi­xas e cons­tan­te­men­te apre­sen­ta­ção de mú­si­ca ao vi­vo. Até o fi­nal do ano, o ob­je­ti­vo é tam­bém or­ga­ni­zar um fes­ti­val de con­ta­dor de pi­a­das. “Na­da de stand up, é con­ta­dor de pi­a­da mes­mo”, adi­an­ta Téo. A di­fe­ren­ça é uma ques­tão psi­co­ló­gi­ca, ba­si­ca­men­te. Quan­do uma pes­soa fre­quen­ta um am­bi­en­te que foi pre­vi­a­men­te pen­sa­do, pla­ne­jan­do, com itens ar­tís­ti­cos, o am­bi­en­te se tor­na mais hu­ma­ni­za­do, e as­sim a pes­soa se sen­te mais con­for­tá­vel, com von­ta­de de per­ma­ne­cer na­que­le lu­gar o tem­po que for pre­ci­so. E com o uso da ar­te, a pes­soa se iden­ti­fi­ca mais com o am­bi­en­te, sa­be que al­guém te­ve o cui­da­do de pen­sar que aque­le lu­gar se­ria fre­quen­ta­do por pes­so­as co­mo ela, e aca­ba va­lo­ri­zan­do mui­to mais a empresa, ou o pro­pri­e­tá­rio do lo­cal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.