O pa­dre, o de­pu­ta­do e o pre­fei­to

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

fa­zi­am vi­gí­lia no lo­cal. O dia co­me­ça­ra em cli­ma de pro­fun­da an­gús­tia. O pre­fei­to Jo­sé Cláudio, que es­ta­va in­ter­na­do a fim de se re­cu­pe­rar de uma de­li­ca­da ci­rur­gia, de­ve­ria ter si­do re­mo­vi­do para um hos­pi­tal de Curitiba. No mo­men­to em que o des­lo­ca­men­to es­ta­va sen­do ini­ci­a­do, so­freu uma lon­ga pa­ra­da car­di­or­res­pi­ra­tó­ria. A an­gús­tia se trans­for­mou em dra­ma. Fe­liz­men­te, foi re­a­ni­ma­do pe­lo per­sis­ten­te e com­pe­ten­te mé­di­co que lhe da­va as­sis­tên­cia, mas es­ta­va em co­ma e seu qua­dro clí­ni­co era mui­to gra­ve. Ape­sar da an­gús­tia di­an­te de seu es­ta­do, ins­tau­rou-se um cli­ma de alí­vio e de es­pe­ran­ça em sua re­a­bi­li­ta­ção, vis­to que o pi­or fo­ra evi­ta­do. De for­ma ins­tan­tâ­nea, a ci­da­de se mo­bi­li­zou. A fa­ce mais evi­den­te des­sa mo­bi­li­za­ção foi a dis­se­mi­na­ção de vá­ri­as cor­ren­tes de ora­ção, es­ti­mu­la­das por lí­de­res re­li­gi­o­sos e pe­la ação es­pon­tâ­nea de po­pu­la­res. Por seu tur­no, au­to­ri­da­des de to­das as co­res par­ti­dá­ri­as e es­ca­lões de po­der se co­nec­ta­ram ou se apre­sen­ta­ram para pres­tar so­li­da­ri­e­da­de e ofe­re­cer o apoio ne­ces­sá­rio. No iní­cio da noi­te, vá­ri­os lí­de­res pe­tis­tas de to­do o Pa­ra­ná di­ri­gi­ram­se a Ma­rin­gá. Foi o ca­so do pre­fei­to de Lon­dri­na, Ned­son Mi­che­let­ti. No fim da noi­te, che­ga­ria o de­pu­ta­do fe­de­ral Roque Zim­mer­man. Sa­cer­do­te ca­tó­li­co de for­ma­ção, o par­la­men­tar era co­nhe­ci­do co­mo “pa­dre Roque”. Quan­do ha­via ami­za­de e a in­for­ma­li­da­de per­mi­tia, era cha­ma­do ape­nas de “pa­dre”. O che­fe de ga­bi­ne­te pro­cu­ra­va, na­que­la noi­te fria, cum­prir su­as fun­ções pro­to­co­la­res e re­cep­ci­o­nar as au­to­ri­da­des. No mo­men­to em que fi­ze­ra a per­gun­ta, pre­o­cu­pa­va-se com a che­ga­da do de­pu­ta­do “pa­dre Roque”, que es­ta­va na imi­nên­cia de de­sem­bar­car no ae­ro­por­to. Co­mo não era uma agen­da ofi­ci­al, a ta­re­fa de ir bus­cá-lo era do par­ti­do e não do go­ver­no. Mal re­pe­tiu a per­gun­ta, um mi­li­tan­te pe­tis­ta o cha­mou para uma con­ver­sa re­ser­va­da e, com sem­blan­te mui­to pre­o­cu­pa­do, per­gun­tou: “com­pa­nhei­ro, por que vo­cê está pe­din­do para al­guém bus­car um pa­dre?” Foi só en­tão que se deu con­ta de seu des­cui­do. Não ha­via per­ce­bi­do que a per­gun­ta po­dia ser – e, de fa­to, foi - mal in­ter­pre­ta­da. Na­que­le con­tex­to dra­má­ti­co, nem po­dia cen­su­rar quem ti­ve­ra com­pre­en­são di­ver­sa do sen­ti­do ori­gi­nal que mo­via sua men­sa­gem. Em con­tra­par­ti­da, não te­ve tem­po para cen­su­rar a si pró­prio pe­la de­sa­ten­ção. Ato con­tí­nuo, abra­çou seu in­ter­lo­cu­tor e es­cla­re­ceu que se tra­ta­va do de­pu­ta­do fe­de­ral “pa­dre Roque”. Su­pe­ra­do o mal en­ten­di­do, os dois tro­ca­ram um olhar cúm­pli­ce e sor­ri­ram, es­pe­ran­ço­sos de que ha­ve­ria um fi­nal fe­liz para o dra­ma. A es­pe­ran­ça não foi to­tal­men­te em vão. Jo­sé Cláudio su­pe­rou o co­ma, saiu do hos­pi­tal e te­ve sen­so de hu­mor para rir das es­tó­ri­as e his­tó­ri­as in­só­li­tas que lhe fo­ram con­ta­das a res­pei­to do seu pe­río­do de con­va­les­cen­ça. Sem­pre lu­tan­do con­tra a do­en­ça, re­as­su­miu o car­go e co­man­dou a ci­da­de por, apro­xi­ma­da­men­te, mais um ano. Par­tiu em 16 de setembro de 2003.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.