FERNANDA ROS­SI

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

Por mais lon­ge que se vá, por mais que se pos­sa dis­tan­ci­ar de sua ori­gem, te­mos uma fan­ta­sia de que ter para on­de vol­tar ou, ao me­nos, en­xer­gar o ca­mi­nho do re­gres­so é sem­pre ali­vi­a­dor. Po­rem não é para to­dos que o re­gres­so é po­si­ti­vo. Para mui­tos, o pas­sa­do tem raí­zes des­tru­ti­vas, chei­as de dor e má­go­as. Por isso fo­gem, vão em­bo­ra, ten­tam ne­gar es­te pas­sa­do. Qual o seu fa­rol? Que lem­bran­ças sua ba­se lhe pro­por­ci­o­na? O que su­pe­ra é o bom ou ruim? E di­an­te des­ta res­pos­ta, para on­de vo­cê po­de vol­tar ao fi­nal de su­as jor­na­das? Fa­rol é o que ilu­mi­na­va e in­di­ca­va o ca­mi­nho para os an­ti­gos na­ve­gan­tes. Sem es­te, a vi­da do ma­ri­nhei­ro po­dia fi­car mui­to pe­ri­go­sa e a vi­a­gem ser bem as­sus­ta­do­ra. Da mes­ma for­ma ne­ces­si­ta­mos de fa­róis. Por mais do­lo­ro­sas que se­jam as lem­bran­ças, ain­da é me­lhor tê-las do que ter Alzhei­mer.As lem­bran­ças po­dem ser imu­tá­veis, mas a ma­nei­ra de li­dar com elas na atu­a­li­da­de po­de ser al­te­ra­da e, com is­to, o fa­rol po­de ser re­fei­to. Ne­gar o pas­sa­do ou se afas­tar de­le não nos pro­te­ge, ao con­trá­rio, nos faz mui­to mal, nos­sa ori­gem ne­ces­si­ta ser cui­da­da, ain­da que não se pos­sa – ou quei­ra – vol­tar a ela. Is­to não faz o pas­sa­do dei­xar de es­tar vi­vo dentro de nós. En­quan­to es­te não é re­co­nhe­ci­do, en­ca­ra­do e di­ge­ri­do, in­flu­en­ci­a­rá em to­das as nos­sas es­co­lhas e de­se­jos. O fa­rol es­ta sem­pre pis­can­do, po­de­mos não

Reprodução

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.