Na­zis­mo por ou­tro ân­gu­lo

Ju­dia-ale­mã so­bre a ba­na­li­da­de do mal sob o na­zis­mo; fil­me es­treia ama­nhã na ci­da­de FLOR DO MAL “Han­nah Arendt”, de Mar­ga­reth Von Trot­ta, mos­tra vi­são da fi­ló­so­fa

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Da Redação

re­da­cao@odi­a­rio.com Por meio do pro­je­to Be­las Ar­tes, o lon­ga-me­tra­gem “Han­nah Arendt” che­ga a Ma­rin­gá um mês após es­treia na­ci­o­nal para exi­bi­ção no Ci­ne­flix, no Ma­rin­gá Park Shop­ping Cen­ter. O fil­me tem di­re­ção de Mar­ga­rethe Von Trot­ta, que trans­for­ma a obra “Ei­ch­mann em Jerusalém - Um Es­tu­do so­bre a Ba­na­li­da­de do Mal”, da fi­ló­so­fa ale­mã Han­nah Arendt, em uma exi­bi­ção de qua­se du­as ho­ras. A es­treia é ama­nhã.

A di­re­to­ra, re­fe­rên­cia do No­vo Cinema Ale­mão, he­si­tou quan­do, há dez anos, lhe su­ge­ri­ram que fi­zes­se o fil­me so­bre Arendt. De que for­ma co­lo­ca­ria em prá­ti­ca o pro­je­to? Em en­tre­vis­ta à agên­cia de no­tí­ci­as Folhapress, a di­re­to­ra re­cor­dou: “Co­mo eu po­de­ria fa­zer um fil­me so­bre uma fi­ló­so­fa, uma pes­soa que fi­ca sen­ta­da, pensando?”.A per­so­na­gem bi­o­gra­fa­da é in­ter­pre­ta­da pe­la atriz Bar­ba­ra Su­kowa, pre­mi­a­da atriz ale­mã.

Para o fil­me, a di­re­to­ra con­cen­trou-se no epi­só­dio Ei­ch­mann, de con­fron­to, e no qual a fi­ló­so­fa foi am­pla­men­te jul­ga­da, cri­an­do ini­mi­za­des e pro­mo­ven­do gran­des dis­cus­sões: no iní­cio da dé­ca­da de 60, Adolf Ei­ch­mann, en­tão um dos úl­ti­mos lí­de­res na­zis­tas de al­to es­ca­lão ain­da vi­vo, foi jul­ga­do pe­los cri­mes que co­me­teu con­tra a hu­ma­ni­da­de. Han­nah Arendt foi co­brir o jul­ga­men­to para a re­vis­ta “New Yor­ker” apre­sen­tan­do ar­gu­men­tos pro­vo­can­tes, de que Ei­ch­mann não foi a pre­sen­ça ma­lig­na que or­ga­ni­zou os cam­pos de ex­ter­mí­nio, e sim um bu­ro­cra­ta me­dío­cre.

O se­gun­do foi que os cha­ma­dos “con­se­lhos ju­dai­cos” na Ale­ma­nha e Polô­nia fo­ram cúm­pli­ces no as­sas­si­na­to em mas­sa. Eles aju­da­ram os na­zis­tas a ar­re­ba­nhar as ví­ti­mas, con­fis­car bens e os en­vi­ar para os cam­pos on­de mor­re­ri­am. Para a au­to­ra, Ei­ch­mann co­me­teu os atos sem ter cons­ci­ên­cia. Seu ar­ti­go so­bre o ca­so foi pu­bli­ca­do em cin­co par­tes, vi­rou li­vro e ven­deu mais de 100 mil exem­pla­res.

No fil­me, o es­pec­ta­dor acom­pa­nha a vi­a­gem de Han­nah a Is­ra­el, on­de Ei­ch­mann foi jul­ga­do. Se­gun­do o crí­ti­co Marcelo Co­e­lho, do jor­nal Fo­lha de S. Pau­lo, o fil­me de Von Trot­ta “cria uma ba­na­li­da­de de Han­nah Arendt, cer­ta­men­te ina­de­qua­da à per­so­na­gem que o ins­pi­rou”. A su­ges­tão é que os es­pec- ta­do­res lei­am Arendt, de pre­fe­rên­cia an­tes de ver o fil­me (ou, pe­lo me­nos, de­pois). Co­or­de­na­do por Pau­lo Cam­pag­no­lo, o pro­je­to Ber­las Ar­tes vi­sa tra­zer fil­mes não- co­mer­ci­ais para a ci­da­de. São obras pro­ve­ni­en­tes de di­ver­sos paí­ses e cul­tu­ras, in­de­pen­den­tes, que che­gam a ci­ne­mas de gran­des cen­tros mas que tam­bém ga­nham es­pa­ço na pro­gra­ma­ção de Ma­rin­gá por in­ter­mé­dio des­sa ini­ci­a­ti­va.

Di­vul­ga­ção

Bar­ba­ra Su­kowa é Han­nah Arendt no fil­me homô­ni­mo, ba­se­a­do em “Ei­ch­mann em Jerusalém - Um Es­tu­do so­bre a Ba­na­li­da­de do Mal”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.