Nem tão Fe­men co­mo pa­re­cia

“Ucrâ­nia Não É Um Bor­del”, documentário que es­tre­ou no Fes­ti­val de Ve­ne­za, re­ve­la que grupo fe­mi­nis­ta Fe­men era con­tro­la­do por um ho­mem

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Ro­dri­go Salem

O grupo fe­mi­nis­ta Fe­men fi­cou co­nhe­ci­do nos úl­ti­mos anos pe­la for­ma in­co­mum de cha­mar a aten­ção para os di­rei­tos das mu­lhe­res: mos­tran­do os sei­os. Não hou­ve to­pless na ses­são de “Ukrai­ne Is Not a Brothel” (“Ucrâ­nia Não é um Bor­del”), documentário da aus­tra­li­a­na Kitty Gre­en apre­sen­ta­do on­tem, fo­ra de com­pe­ti­ção no Fes­ti­val de Ve­ne­za. Mas o ba­ru­lho­foi­gran­de­mes­mo­as­sim.

O pri­mei­ro lon­ga a mos­trar os bas­ti­do­res do grupo for­ma­do na Ucrâ­nia re­ve­lou que Vik­tor Svyatsky, ti­do co­mo um sim­ples con­sul­tor do Fe­men, na ver­da­de é um dos cri­a­do­res do mo­vi­men­to e o li­de­ra­va até um ano trás. “Eu não sa­bia o pa­pel de Vik­tor”, con­ta a ci­ne­as­ta de 28 anos que pas­sou 17 se­ma­nas vi­a­jan­do com o grupo, fil­mou mais de 100 protestos pe­la Eu­ro­pa e exi­biu o lon­ga pe­la pri­mei­ra vez em Ve­ne­za acom­pa­nha­da de Sasha e In­na Shev­chen­ko, du­as das mais co­nhe­ci­das in­te­gran­tes do Fe­men. “Es­sa é a ver­da­de por trás do mo­vi­men­to e nós qu­e­ría­mos con­tar a ver­da­de, por isso es­ta­mos aqui”, con­ta In­na. “Vik­tor nos deu a com­pre­en­são com­ple­ta do que o mo­vi­men­to po­de­ria ser, mas ele não faz mais par­te do grupo. Ele foi o de­to­na­dor de tu­do, mas ago­ra o Fe­men tem mães.”

O documentário mos­tra o fun­da­dor do Fe­men co­mo um ho­mem agres­si­vo e ma­ni­pu­la­dor, que se re­cu­sou ini­ci­al­men­te a apa­re­cer no fil­me de Gre­en. “Foi bom tê-lo em nos­sas vi­das para sa­ber­mos co­mo os ho­mens po­dem ser gran­des ca­na­lhas. Man­te­mos Vik­tor em nos­sas me­mó­ri­as para fi­car­mos­mais­for­tes”, dizSasha.

Em uma das par­tes mais pa­ra­do­xais do lon­ga, Svyatsky ex­pli­ca a ra­zão de ser res­pon­sá­vel pe­la or­ga­ni­za­ção do grupo: “Es­sas ga­ro­tas são fra­cas”.

“Sim, é um pa­ra­do­xo quan­do exis­te um ho­mem li­de­ran­do um mo­vi­men­to fe­mi­ni­no”, ad­mi­te In­na. “Mas o Fe­men não foi ba­se­a­do em te­o­ri­as. As mu­lhe­res co­me­ça­ram a se reu­nir e ha­via vá­ri­os ho­mens no nos­so cír­cu­lo. O pro­ble­ma é que ele sen­tiu que pre­ci­sa­va de mais es­pa­ço, por­que é um ho­mem. E ho­mens pre­ci­sam ter o po­der.”

O fil­me su­ge­re que a ideia de es­co­lher ga­ro­tas bo­ni­tas para pro­tes­tar de to­pless veio tam­bém de Svyatsky, mas as su­as in­te­gran­tes ne­gam. “In­fe­liz­men­te não pos­so di­zer que Vik­tor não se­ja re­al, mas o mo­do de pro­tes­tar foi uma de­ci­são co­le­ti­va. Éra­mos nós na rua gri­tan­do, não va­mos es­que­cer isso”, rebate Sasha, sem­pre lem­bran­do que o Fe­men ago­ra se es­pa­lhou para dez fi­li­ais na Eu­ro­pa, com sede em Pa­ris. “Não aguen­tá­va­mos fi­car mais sob seu con­tro­le. Ago­ra te­mos vá­ri­as lí­de­res”, fi­na­li­za Sasha.

Arquivo/afp

Ati­vis­tas do Fe­men: ideia de es­co­lher ga­ro­tas bo­ni­tas para pro­tes­tar de to­pless te­ria si­do mas­cu­li­na

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.