To­das as ma­nhãs do mun­do

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

e ple­ni­tu­de no si­lên­cio que­bra­do pe­los pás­sa­ros, gri­los e um ou ou­tro ca­chor­ro que la­tis­se. No al­mo­ço, a ca­da dia, me con­ta­va his­tó­ri­as do que ha­via ocor­ri­do du­ran­te a noi­te, do que ha­via ob­ser­va­do no jar­dim, dos pás­sa­ros que te­ri­am can­ta­do por per­to, iden­ti­fi­can­do ca­da um, ca­da in­se­to, ca­da bro­to no­vo de plan­ta ou ca­da vi­si­ta for­tui­ta que re­ce­bia. Ou­tro dia me dis­se, sain­do do jar­dim: às ve­zes gos­ta­ria de dar por ter­mi­na­da mi­nha ta­re­fa nes­te jar­dim, para po­der sair à rua e en­con­trar no­vos des­ti­nos nes­se la­bi­rin­to que é a vi­da para fo­ra do por­tão, mas isso é im­pos­sí­vel, há sem­pre uma no­va plan­ta bro­tan­do e não que­ro dei­xar de ver es­se acon­te­ci­men­to. Às ve­zes seus so­nhos são in­tri­gan­tes: pen­sei que a mor­te se­ria rá­pi­da, mas é di­fí­cil mor­rer, já de­sis­ti até, não pos­so mor­rer ago­ra, não pe­lo que vi nes­tes úl­ti­mos anos. Tem mui­ta gen­te mor­ren­do sem sa­ber o que é vi­ver, co­mo po­de ser be­la a vi­da, co­mo é pre­ci­so ter avi­dez por ela. Ele di­zia isso com olhos tre­pi­dan­tes e eu me per­gun­ta­va em que plan­tas do jar­dim ele bus­ca­va es­sas res­pos­tas. Gos­ta­va de me cha­mar por um no­me que es­co­lhia e tri­pu­di­ar: Ân­ge­lo, co­mo con­se­gue car­re­gar es­se peso? Ca­da vez que o en­con­tra­va saía com a cer­te­za que, com a luz que via ne­le, con­ta­ria uma his­tó­ria cheia de pa­la­vras e en­che­ria seus olhos com as ima­gens, en­che­ria seus ou­vi­dos com mi­nha voz, fa­ria bro­tar pa­la­vras de seus lá­bi­os, per­cor­re­ria seus so­nhos de le­ve­za, mas sem ela na­da ve­ria, di­ria ape­nas uma pa­la­vra qual­quer que co­mun­gas­se com o si­lên­cio, me ca­la­ria, fi­ca­ria en­tre­gue aos meus de­lí­ri­os flo­res­cen­tes, em cartas ima­gi­ná­ri­as, em flu­xos tex­tu­ais que se­ca­ri­am à lem­bran­ça de ca­da uma de su­as ma­nhãs, de su­as plan­tas e flo­res en­tre­gues à na­tu­re­za. Num des­ses dias ele me dis­se que um ho­mem só se tor­na um gran­de ho­mem quan­do des­co­bre que está pres­tes a dei­xar a vi­da, quan­do deixa de ser es­cra­vo de­la e de su­as exi­gên­ci­as to­las. Tal­vez co­mo quan­do se des­li­ga da rua e se pas­sa e vê-la na ple­ni­tu­de de to­das as su­as co­res, ape­nas nas plan­tas de um jar­dim.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.