In­de­pen­dên­cia ou mor­te?

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

Ao re­cor­dar­mos os tem­pos de es­co­la, pro­va­vel­men­te va­mos nos lem­brar das au­las de His­tó­ria cha­tas e en­te­di­an­tes, on­de os pro­fes­so­res fa­zi­am de tu­do pa­ra atin­gir a nos­sa aten­ção, en­quan­to que nós alu­nos ima­gi­ná­va­mos to­dos os lu­ga­res pos­sí­veis em que po­de­ría­mos es­tar e pen­san­do em que mo­men­to ilus­tre da vi­da usa­ría­mos a tal da His­tó­ria. No en­tan­to, o que nun­ca con­si­de­ra­mos é que a His­tó­ria po­de ser sim in­te­res­san­te, em­bo­ra não tão bo­ni­ta e he­roi­ca co­mo nos foi con­ta­da.

Des­ta for­ma, é que se faz ne­ces­sá­rio ana­li­sar o Dia da In­de­pen­dên­cia do Bra­sil. Não é ape­nas um fe­ri­a­do que por azar caiu nes­te ano em um sá­ba­do e não apro­vei­ta­re­mos o fe­ri­a­dão, mas sim um dos mo­men­tos que con­so­li­da­ram o que de fa­to te­mos atu­al­men­te, se­ja is­so bom ou ruim.

Às mar­gens do Rio Ipi­ran­ga, dom Pe­dro I, for­mo­so, lim­po e sa­dio, mon­ta­do em seu ala­zão de­sem­bai­nha a sua es­pa­da ao al­to e gri­ta: “In­de­pen­dên­cia ou mor­te!”. Es­pe­ra um pou­co, pa­re­ce que já vi­mos es­sa ce­na e é ób­vio que sem­pre que fa­la­mos em In­de­pen­dên­cia do Bra­sil fa­ze­mos alu­são ao qua­dro de Pe­dro Amé­ri­co, em “In­de­pen­dên­cia ou mor­te” ou “o Gri­to do Ipi­ran­ga”. No en­tan­to, al­guns acon­te­ci­men­tos nos fo­ram ocul­ta­dos.

No gran­di­o­so dia Se­te de Se­tem­bro, ao ama­nhe­cer, con­for­me Lau­ren­ti­no Go­mes re­la­ta em seu li­vro “1822”, dom Pe­dro saiu de San­tos ru­mo a São Pau­lo, mas sua vi­a­gem te­ve de ser in­ter­rom­pi­da vá­ri­as ve­zes, pois o prín­ci­pe es­ta­va com “dor de bar­ri­ga”. Exaus­to não ape­nas pe­la vi­a­gem, mas tam­bém pe­los pro­ble­mas in­tes­ti­nais, dom Pe­dro per­sis­te em seu ca­mi­nho em uma mu­la, o meio mais efi­caz da épo­ca pa­ra su­bir a ser­ra do mar. Ao che­gar pró­xi­mo de São Pau­lo, na co­li­na do Ipi­ran­ga, dois men­sa­gei­ros tra­zi­am a no­tí­cia que Por­tu­gal ti­nha en­vi­a­do sol­da­dos ao Bra­sil na in­ten­ção de ata­car o País e os adep­tos da In­de­pen­dên­cia. E é jus­ta­men­te nes­te mo­men­to que as con­tra­di­ções são re­for­ça­das, pois al­gu­mas tes­te­mu­nhas re­la­tam que dom Pe­dro não gri­tou a fra­se que per­du­ra sé­cu­los, já ou­tros di­zem que sim. As si­tu­a­ções e o que de fa­to foi fa­la­do cau­sam cer­tas dis­cus­sões so­bre a ver­da­de.

Di­an­te dis­to, ten­do cla­ra a bre­ve sín­te­se re­a­li­za­da, per­ce­be­mos que a his­tó­ria foi um pou­co dis­tor­ci­da. Ao lon­go dos anos pa­ra se fir­mar o pa­tri­o­tis­mo ne­ces­sá­rio a qual­quer na­ção que se de­se­ja exal­tar a sua de­fe­sa e ca­ris­ma por par­te dos ci­da­dãos é im­pres­cin­dí­vel que o país te­nha “he­róis” e uma con­jun­tu­ra his­tó­ri­ca ad­mi­rá­vel, sem ad­ver­si­da­des, co­mo uma “dor de bar­ri­ga”. En­tre­tan­to, não que­ren­do de­fen­der se um país pre­ci­sa ou não de he­róis ou que não hou­ve uma lu­ta ar­ma­da e mui­to me­nos que a in­de­pen­dên­cia te­nha si­do pro­cla­ma­da por um por­tu­guês, a re­a­li­da­de é que acon­te­ceu e 191 anos de­pois en­fren­ta­mos as con­sequên­ci­as des­te dia.

Por mais crí­ti­cas que pos­sa­mos ter ao Bra­sil e to­das as su­as ma­ze­las é cer­to que es­tá sen­do cons­truí­do, a his­tó­ria es­tá sen­do nar­ra­da, pas­san­do por mu­dan­ças, ten­tan­do se re­a­dap­tar e, por ve­zes, des­mo­ro­nan­do. O que não po­de pas­sar des­per­ce­bi­do é que nós, bra­si­lei­ros, fa­ze­mos par­te des­sa cons­tru­ção e é nos­sa res­pon­sa­bi­li­da­de ao me­nos ten­tar­mos fa­zer com que es­se Bra­sil con­si­ga dar cer­to, mes­mo que os acon­te­ci­men­tos não se­jam os mais ilus­tres e van­ta­jo­sos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.