RA­DAR DO CON­SU­MI­DOR

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

A le­gis­la­ção bra­si­lei­ra sem­pre foi la­cu­no­sa e, até mes­mo, omis­sa em re­la­ção ao co­mér­cio ele­trô­ni­co, dei­xan­do mar­gem a im­pre­ci­sões e in­se­gu­ran­ças em des­fa­vor dos con­su­mi­do­res. Es­sas sen­sa­ções de im­pre­ci­sões e in­se­gu­ran­ças se acen­tu­a­ram ain­da mais na me­di­da em que a di­fu­são e fa­ci­li­ta­ção de aces­so à in­ter­net am­pli­a­ram as fron­tei­ras das re­la­ções dos ne­gó­ci­os ju­rí­di­cos, sen­do que es­tes pas­sa­ram, in­clu­si­ve, a ad­qui­rir co­mum ca­rá­ter trans­na­ci­o­nais, ten­do co­mo uma das su­as mo­da­li­da­des o co­mér­cio ele­trô­ni­co (´e-com­mer­ce´) in­ter­na­ci­o­nal. Ape­sar da edi­ção do De­cre­to Fe­de­ral n.º 7.962, de 15/03/2013, que trou­xe no­vas di­re­tri­zes a se­rem se­gui­das pe­los “co­mer­ci­an­tes vir­tu­ais”, ter tra­zi­do al­gum alen­to aos con­su­mi­do­res que op­tam pe­lo ´e-com­mer­ce´ co­mo meio pa­ra aqui­si­ção de pro­du­tos e ser­vi­ços, con­tu­do re­ma­nes­ce ain­da “no lim­bo” das im­pre­ci­sões, in­cer­te­zas e con­tro­vér­si­as ju­rí­di­cas, as tran­sa­ções co­mer­ci­ais ele­trô­ni­cas re­a­li­za­das en­tre con­su­mi­do­res bra­si­lei­ros e for­ne­ce­do­res vir­tu­ais-in­ter­na­ci­o­nais, es­pe­ci­al­men­te no que se re­fe­re àque­les lo­ca­li­za­dos ex­clu­si­va­men­te no ex­te­ri­or.

Ri­car­do Lo­pes

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.