O Ja­pão é

FES­TA TRA­DI­ÇÃO 24º Fes­ti­val Ni­po-bra­si­lei­ro co­me­ça uma das prin­ci­pais atra­ções, Ti­zu­ka Ya­ma­sa­ki,

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Ana Lui­za Ver­zo­la

ana­ver­zo­la@odi­a­rio.com Os taikôs soam com mais vi­gor a par­tir de ho­je na Ace­ma, mar­can­do o iní­cio do 24º Fes­ti­val Ni­po-Bra­si­lei­ro, que tem ex­pec­ta­ti­va de re­ce­ber nos dez di­as de even­to apro­xi­ma­da­men­te 120 mil vi­si­tan­tes. Cri­a­do com o in­tui­to de pre­ser­var e pro­pa­gar a cultura ja­po­ne­sa em Ma­rin­gá e re­gião, o fes­ti­val já é co­nhe­ci­do na­ci­o­nal­men­te tem sem­pre uma pro­gra­ma­ção far­ta vol­ta­da pa­ra a cultura – se­ja ori­en­tal ou não. Um dos des­ta­ques des­ta edi­ção é a pre­sen­ça da ci­ne­as­ta Ti­zu­ka Ya­ma­sa­ki, que exi­bi­rá às 17h o lon­ga-me­tra­gem “Gai­jin 2”, tí­tu­lo ori­gi­nal de “Gai­jin - Ama-me Co­mo Sou”, pre­sen­te­a­rá tam­bém os ido­sos do Asi­lo Wa­jun­kai com có­pi­as do fil­me e mi­nis­tra­rá uma pa­les­tra so­bre imi­gra­ção ja­po­ne­sa. A en­tra­da é gra­tui­ta.

A his­tó­ria dos nik­keis é te­ma re­cor­ren­te nos pre­mi­a­dos tra­ba­lhos de Ti­zu­ka – além de “Gai­jin 2”, o fil­me que a lan­çou co­mo di­re­to­ra, “Gai­jin – Ca­mi­nhos da Li­ber­da­de” (1980) abor­da­va a his­tó­ria dos es­tran­gei­ros (gai­jin em ja­po­nês). Ti­zu­ka atua pro­fis­si­o­nal­men­te des­de 1977, ten­do ini­ci­a­do a car­rei­ra co­mo as­sis­ten­te de di­re­to­res co­mo Nel­son Pe­rei­ra dos San­tos e Glau­ber Ro­cha.

Tam­bém atu­ou no cinema in­fan­til com “Lua de Cris­tal” (1990), “O No­vi­ço Re­bel­de” (1997), “Xu­xa Re­que­bra” (1999) e “Xu­xa em O Mis­té­rio de Feiu­ri­nha” (2009), além da ópe­ra “Ma­da­me But­ter­fly”, vi­de­o­cli­pes, co­mer­ci­ais e a mi­nis­sé­rie “O Pa­ga­dor de Pro­mes­sas”, en­tre ou­tros tra­ba­lhos. Com “Gai­jin 2”, con­quis­tou o prê­mio de me­lhor fil­me e di­re­ção no 33º Fes­ti­val de Gra­ma­do, con­quis­tan­do tam­bém ki­ki­tos pa­ra Me­lhor Atriz Co­ad­ju­van­te com Aya Ono e Me­lhor Tri­lha So­no­ra.

Aos 64 anos, a ci­ne­as­ta nas- ci­da em uma fa­zen­da de ca­fé no Rio Gran­de do Sul e ra­di­ca­da no Rio de Ja­nei­ro es­tá sem­pre en­vol­vi­da em no­vos pro­je­tos, mas, por su­pers­ti­ção, não fa­la de­les aber­ta­men­te. “Dá azar”, ri, em en­tre­vis­ta con­ce­di­da por te­le­fo­ne ao Diá­rio, en­quan­to es­ta­va em Be­lém (PA), tra­tan­do de as­sun­tos de um de seus no­vos tra­ba­lhos. Na en­tre­vis­ta, ela fa­la com res­pei­to e gra­ti­dão da re­gião nor­te do Pa­ra­ná, on­de es­te­ve pa­ra gra­var ce­nas do lon­ga-me­tra­gem que se­rá exi­bi­do de­pois de ama­nhã na Ace­ma (no Es­ta­do, gra­vou ce­nas em Ma­rin­gá, Lon­dri­na, Cu­ri­ti­ba, Foz do Igua­çu e Pa­ra­na­guá).

Além do cinema bra­si­lei­ro e os va­lo­res ori­en­tais, Ti­zu­ka fa­la tam­bém da gas­tro­no­mia: em meio a mais de 20 pra­tos da gas­tro­no­mia ja­po­ne­sa, a di­re­to­ra es­tá an­si­o­sa mes­mo pa­ra pro­var a lei­toa de­sos­sa­da em Pa­raí­so do Nor­te (98 km dis­tan­te de Ma­rin­gá), pro­mes­sa de Ta­kao Sa­to, um dos or­ga­ni­za­do­res do fes­ti­val. “Eu ado­ro pu­ru­ru­ca”, diz. E dar uma pas­sa­di­nha no res­tau­ran­te Kan­pai, a me­lhor co­mi­da que já pro­vou por es­sas ban­das.

A 24ª edi­ção do Fes­ti­val Ni­po Bra­si­lei­ro te­rá dez di­as e no­ve noi­tes – um dia a mais do que nas edi­ções an­te­ri­o­res. O in­gres­so te­rá pre­ço úni­co de R$ 5, com en­tra­da fran­ca no do­min­go (8) e na ter­ça-fei­ra (10). O es­ta­ci­o­na­men­to nas de­pen­dên­ci­as da Ace­ma cus­ta­rá R$ 10. Ma­rin­gá, jun­ta­men­te com ou­tras cidades do Pa­ra­ná, ser­viu de lo­ca­ção pa­ra “Gai­jin – Ama-me co­mo sou”. Lem­bra de al­gu­ma si­tu­a­ção da­qui? A gen­te fil­mou em Ma­rin­gá, pou­ca coi­sa, mas fil­ma­mos. O pes­so­al de Ma­rin­gá foi bem com­pa­nhei­ro. Aju­da­ram mui­to nas fil­ma­gens, e fi­co mui­to agra­de­ci­da com is­so. Fil­ma­mos aí na ci­da­de a bo­a­te que era pa­ra ser a bo­a­te lá do Ja­pão. To­da a fi­gu­ra­ção foi fei­ta, pas­sa­mos uma tar­de in­tei­ra aí. O que mais me atraiu a fil­mar no nor­te do Pa­ra­ná foi exa­ta­men­te es­sa co­mu­ni­da­de mui­to uni­da. Is­so não tem mais em São Pau­lo ou em ou­tro lu­gar, me im­pres­si­o­nou mui­to na épo­ca e fo­ca­li­zei a his­tó­ria aí por con­ta dis­so, des­sa so­li­da­ri­e­da­de en­tre os nik­keis da re­gião. O fes­ti­val em que se­nho­ra vai pa­les­trar é bem tra­di­ci­o­nal por aqui e tem o ob­je­ti­vo de pre­ser­var a cultura ja­po­ne­sa pen­san­do nas no­vas ge­ra­ções. Ro­dar fil­mes com es­sa in­ten­ção, de mos­trar e pre­ser­var a cultura de um po­vo, é um de­sa­fio no cinema bra­si­lei­ro ho­je? Ho­je não tem mais in­ves­ti­men­to pa­ra fa­zer fil­me des­se ti­po, o “Gai­jin 2” foi o úl­ti­mo com es­se te­or ét­ni­co, com cons­tru­ção de cidades ce­no­grá­fi­cas. Ho­je é mui­to di­fí­cil le­van­tar di­nhei­ro pa­ra es­se ti­po de fil­me. Com “Gai­jin – Ama-me Co­mo Sou” eu com­ple­tei a his­tó­ria da imi­gra­ção ja­po­ne­sa da me­lhor for­ma que pu­de fa­zer, em ho­me­na­gem à mi­nha fa­mí­lia, mi­nhas ori­gens. Na ver­da­de a his­tó­ria ja­po­ne­sa não é mui­to di­fe­ren­te de ou­tras, os ára­bes, ale­mães, ita­li­a­nos. É uma bra­va gen­te que te­ve co­ra­gem de atra­ves­sar o Atlân­ti­co pa­ra fa­zer uma no­va vi­da aqui. Gai­jin é um can­to de amor por es­sa gen­te des­bra­va­do­ra e co­ra­jo­sa. Em en­tre­vis­ta ao jor­nal Folha de Lon­dri­na a se­nho­ra dis­se que a gra­va­ção des­se fil­me a emo­ci­o­nou mui­to por a obra es­tar li­ga­da à his­tó­ria da sua fa­mí­lia. Quais va­lo­res des­sa his­tó­ria a se­nho­ra car­re­ga no seu tra­ba­lho? Eu acho que os ja­po­ne­ses dei­xa­ram aos seus her­dei­ros uma se­ri­e­da­de de tra­ba­lho, um com­pro­mis­so com a ho- nes­ti­da­de e edu­ca­ção, prin­ci­pal­men­te. Is­so é mui­to for­te na fa­mí­lia ja­po­ne­sa, da qual me or­gu­lho mui­to. A se­nho­ra es­tá en­vol­vi­da em dois pro­je­tos de lon­ga-me­tra­gem e tam­bém um pro­je­to te­le­vi­si­vo. Po­de adi­an­tar al­go pa­ra nós? Es­tou tra­ba­lhan­do na fi­na­li­za­ção de um lon­ga [“En­can­ta­do”] e tra­ba­lhan­do em um se­ri­a­do pa­ra TV. Mas tem ou­tro lon­ga-me­tra­gem tam­bém, não? Sem­pre te­mos um lon­ga na man­ga. Mas não pos­so adi­an­tar. Quan­do vo­cê não tem for­ma­ta­do di­rei­to, fa­lar dá azar.

Di­vul­ga­ção

Ti­zu­ka Ya­ma­sa­ki: di­re­to­ra re­tra­tou a imi­gra­ção ja­po­ne­sa ao Bra­sil em seus pre­mi­a­dos fil­mes

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.