Fre­jat en­tra

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Ale­xan­dre Gai­o­to

gai­o­to@odi­a­rio.com Tro­car um de­do de pro­sa com Da­ni­el Mal­ker é a mes­ma coi­sa que fa­lar com Ro­ber­to Fre­jat: é a mes­ma voz gra­ve res­pon­den­do as per­gun­tas do ou­tro la­do do te­le­fo­ne. Nos tem­pos de Afro­di­zia, quan­do can­ta­va reg­ga­es co­mo “Amor de Praia”, nin­guém no­ta­va a se­me­lhan­ça com a voz do lí­der do Ba­rão Ver­me­lho. Mas era só ele pe­gar o vi­o­lão e to­car um ou­tro som que as pes­so­as per­ce­bi­am o go­gó em co­mum.

Du­ran­te o úl­ti­mo show do Ba­rão em Ma­rin­gá, em mar­ço, o em­pre­sá­rio do MPB Bar Os­ler Co­lo­ma­ri o in­cen­ti­vou: que ajei­tas­se lo­go um tri­bu­to. O resultado po­de ser con­fe­ri­do nes­te sá­ba­do, no MPB Bar. De­pois de em­pla­car o Afro­di­zia na­ci­o­nal­men­te e par­ti­ci­par de um bem su­ce­di­do pro­je­to de mú­si­ca ele­trô­ni­ca, ele fi­nal­men­te apro­vei­ta seus re­cur­sos na­tu­rais pa­ra o rock (é a voz, ora bo­las, com que ele nas­ceu): Mal­ker vi­ra Fre­jat. O DIÁ­RIO Qual Ba­rão vo­cê pre­fe­re: com o Ca­zu­za ou com o Fre­jat? Da­ni­el Mal­ker - Fre­jat é meu fa­vo­ri­to por­que co­me­cei a ou­vir o Ba­rão em “Su­per­mer­ca­dos da Vi­da” (1992), com ele can­tan­do. Eu era jo­vem de­mais pa­ra acom­pa­nhar o Ca­zu­za. Ou­vir o Fre­jat me re­ve­lou uma pos­si­bi­li­da­de di­fe­ren­te de fa­zer mú­si­ca. Era a épo­ca do he­avy me­tal, dos can­to­res com for­tes agu­dos, co­mo Ste­ven Ty­ler e Bon Jo­vi. En­tão sur­giu o Fre­jat e mos­trou que era pos­sí­vel, sim, fa­zer rock com voz gra­ve, e que ha­via um bri­lho bo­ni­to na­que­le tim­bre: com­ple­ta­men­te di­fe­ren­te da­que­les­me­ta­lei­ro­sa­me­ri­ca­nos. Vo­cê vai pri­vi­le­gi­ar o re­per­tó­rio do Fre­jat? Sim. Es­se se­rá meu pri­mei­ro show do ti­po tri­bu­to. Vou fa­zer “Pu­ro Êx­ta­se”, “Por Vo­cê”, “Pen­se e Dan­ce”, “Be­te Ba­lan­ço”, além dos hits que fi­ca­ram bem co­nhe­ci­dos com o Ca­zu­za. Se­rá ba­si­ca­men­te o mes­mo re­per­tó­rio do úl­ti­mo show do Ba­rão aqui na ci­da­de, com a tur­nê “Mais Uma Do­se”. O Afro­di­zia che­gou a ir no Do­min­gão do Faus­tão, a ban­da em­pla­cou uma mú­si­ca na Malhação, vo­cês par­ti­ci­pa­ram de pro­gra­mas na MTV. Que fim to­mou o Afro­di­zia? “Amor de Praia” em­pla­cou na­ci­o­nal­men­te, mas era uma mú­si­ca que eu ti­nha fei­to aos 15 anos. De­pois de 2006, de acor­do com o si­te de­les, eles emen­da­ram três gran­des tur­nês pe­la Eu­ro­pa, to­ca­ram na Fran­ça, Sué­cia, Ale­ma­nha. Foi bem na épo­ca em que o reg­gae no Bra­sil deu uma bai­xa­da boa. Ho­je te­nho 34 anos e per­di o con­ta­to, há mui­to tem­po, com os in­te­gran­tes do Afro­di­zia. Meu tra­ba­lho mu­dou com­ple­ta­men­te. Ago­ra, mi­nhas le­tras são pro­fun­das e não es­tou fo­ca­do no mains­tre­am. Mi­nha MPB e meu sam­ba rock são vol­ta­dos pa­ra o un­der­ground: te­nho pre­ten­são de fa­zer uma mú­si­ca mais in­ti­mis­ta, pa­ra um pú­bli­co ma­du­ro, que­ro so­li­di­fi­car uma car­rei­ra. Ver­da­de que vo­cê re­cu­sou um con­vi­te pa­ra in­te­grar uma du­pla ser­ta­ne­ja, lo­go após a sua saí­da do Afro­di­zia, e te ofe­re­ce­ram até um con­tra­to com uma gran­de gra­va­do­ra? Co­mo vo­cê sa­be dis­so? É ver­da­de. O ser­ta­ne­jo uni­ver­si­tá­rio não es­ta­va nes­sa mo­da to­da, não ha­via um ce­ná­rio de­fi­ni­do, e já es­ta­va tu­do cer­to: con­tra­to com um cli­pe, uma gran­de gra­va­do­ra, mas re­cu­sei e não me ar­re­pen­do. Era uma coi­sa fu­lei­ra e ra­sa de ar­gu­men­to ar­tís­ti­co. Eu não fa­ço ne­nhum es­ti­lo mu­si­cal­só­por­di­nhei­ro. Vo­cê pro­duz jin­gles e du­bla­gens de co­mer­ci­ais, em seu pró­prio es­tú­dio. Es­se mer­ca­do em Ma­rin­gá es­tá nu­ma boa fa­se? O jin­gle é mui­to im­por­tan­te pa­ra uma em­pre­sa. Há ca­sos de em­pre­sas que qua­dru­pli­ca­ram seus lu­cros só por cau­sa da mu­si­qui­nha. Fa­ço cer­ca de dez jin­gles por mês, pa­ra em­pre­sas de to­do o País. Ho­je mes­mo ter­mi­nei um jin­gle pa­ra uma em­pre­sa de Ma­naus. Sur­gem em­pre­sas de tu­do o que é ti­po: mar­ca de rou­pa, ali­men­tos, au­to­mó­veis, em­pre­sa de tec­no­lo­gia... Tem mui­to jin­gle que eu fiz e tu­do mun­do sa­be a le­tra, mas nin­guém per­ce­be que sou eu, ali, can­tan­do aqui­lo.

Jef­fer­son Oha­ra

Da­ni­el Mal­ker, que pe­la pri­mei­ra vez se de­di­ca a um tri­bu­to: “O Ba­rão do Fre­jat é o meu fa­vo­ri­to”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.