A mu­dan­ça ne­ces­sá­ria

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

se cos­tu­ma di­zer por aí. É por­que um nú­me­ro sem fim de pos­si­bi­li­da­des ju­rí­di­cas se apre­sen­ta pa­ra aque­les que se uti­li­zam do sis­te­ma pa­ra ar­ras­tar seus pro­ces­sos ad in­fi­ni­tum, e ja­mais ha­ve­rá ma­gis­tra­dos su­fi­ci­en­tes nes­sa oli­go­fre­nia le­gal. Uma am­pla re­for­ma é ne­ces­sá­ria, fun­da­men­tal, in­dis­pen­sá­vel. Pois Jus­ti­ça que per­mi­te que as­sas­si­nos con­fes­sos se­jam li­be­ra­dos por con­ta de pres­cri­ção cau­sa­da pe­la len­ti­dão po­de ser tu­do, me­nos jus­ta. Há ca­sos em to­do o Bra­sil pa­ra exem­pli­fi­car ape­nas es­sa ques­tão - em Ma­rin­gá in­clu­si­ve, on­de um ra­paz foi mor­to a chu­tes e o agres­sor se­quer foi jul­ga­do, pois o ca­so pres­cre­veu após di­ver­sas chi­ca­nas ju­rí­di­cas. É co­mum que cri­ti­que­mos os nor­te-ame­ri­ca­nos, e eles têm sim su­as ma­ze­las e idi­os­sin­cra­si­as. En­tre­tan­to, o sis­te­ma le­gal nos Es­ta­dos Uni­dos é o que exis­te de mais pró­xi­mo da per­fei­ção pos­sí­vel na atu­a­li­da­de. Lá, a Jus­ti­ça é cé­le­re e as leis são fei­tas ten­do co­mo ob­je­ti­vo a re­so­lu­ção rá­pi­da das pen­den­gas, se­jam elas quais fo­rem. Co­mo em to­do sis­te­ma, cla­ro que há ex­ce­ções no mo­de­lo ame­ri­ca­no. Mas o pro­ble­ma é que aqui a ex­ce­ção vi­rou re­gra. E o que de­ve­ria ser re­gra acon­te­ce ape­nas de vez em quan­do, prin­ci­pal­men­te quan­do há pres­são po­pu­lar. É ri­dí­cu­lo ob­ser­var que o ca­so do jul­ga­men­to da im­pug­na­ção da can­di­da­tu­ra do pre­fei­to elei­to Car­los Pu­pin, pas­sa­do qua­se um ano da elei­ção, ain­da não te­nha si­do apre­ci­a­do. Fi­co bo­qui­a­ber­to quan­do mi­nis­tros pe­dem vis­tas pa­ra ana­li­sar pro­ces­sos, sen­do que o as­sun­to es­ta­va pau­ta­do pa­ra aná­li­se já há al­gum tem­po. Pa­ra que o leitor en­ten­da a im­be­ci­li­da­de da ques­tão, é co­mo se fôs­se­mos a uma reu­nião com pau­ta di­vul­ga­da e, em lá che­gan­do, so­li­ci­tás­se­mos mais tem­po pa­ra es­tu­dar o as­sun­to. De­pois, em no­va reu­nião, ou­tra pes­soa fi­zes­se o mes­mo. Mul­ti­pli­que is­so por se­te mi­nis­tros ve­zes dois me­ses (tem­po que le­vou Tof­fo­li pa­ra des­co­brir que, sa­be-se lá o mo­ti­vo, não po­de­ria jul­gar o pro­ces­so) e te­mos mais de dois anos de um jo­go de em­pur­ra le­gal­men­te es­ta­be­le­ci­do. Nes­se ca­so em es­pe­cí­fi­co, é im­por­tan­te di­zer que pou­co me im­por­ta o resultado, so­men­te gos­ta­ria de ver o as­sun­to re­sol­vi­do – e is­so de­ve­ria ter acon­te­ci­do ain­da an­tes do plei­to. A fun­ção de um par­la­men­tar não é dis­tri­buir mi­mos em seu cur­ral elei­to­ral. De­pu­ta­do, se­na­dor, ve­re­a­dor tem é que le­gis­lar, pro­por mu­dan­ças no sis­te­ma pa­ra que ele aten­da às de­man­das da po­pu­la­ção. Ho­je, pa­re­ce-me que o Le­gis­la­ti­vo se trans­for­mou em ex­ten­são da Se­cre­ta­ria de Obras ou de As­sis­tên­cia So­ci­al. En­quan­to is­so, nos­sas leis atra­sa­das, mal­fei­tas e chei­as de bre­chas se­guem tor­nan­do nos­so país um lu­gar ca­ro, in­se­gu­ro e in­jus­to de se vi­ver. Exi­gir a mu­dan­ça ime­di­a­ta des­te es­ta­do de coi­sas se­ria um bom mo­te pa­ra os pro­tes­tos que es­tão sen­do or­ga­ni­za­dos por aí. En­tre­tan­to, sal­vo en­ga­no, não lem­bro de ter vis­to ne­nhum ma­ni­fes­tan­te com um car­taz re­cla­man­do de nos­so sis­te­ma le­gal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.