En­con­trei o que es­ta­va per­di­do

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

Em setembro, te­mos co­mo tra­di­ção na Igre­ja Ca­tó­li­ca ce­le­brar o mês da Bí­blia no Bra­sil. Es­se cos­tu­me vem do fa­to de que no dia 29, ce­le­bra­mos a mor­te de São Jerô­ni­mo, o tra­du­tor da Bí­blia do gre­go an­ti­go e do He­brai­co para o La­tim.

Para ori­en­tar o lei­tor das Sa­gra­das Es­cri­tu­ras ca­da ano a equi­pe co­or­de­na­do­ra pro­põe um le­ma e um de­ter­mi­na­do li­vro da Bí­blia para ser es­tu­da­do, re­fle­ti­do, se­ja in­di­vi­du­al­men­te co­mo nas co­mu­ni­da­des. Para es­te ano foi indicado o Evan­ge­lho de Je­sus se­gun­do Lu­cas sob o pris­ma do dis­ci­pu­la­do-mis­si­o­ná­rio, co­mo o le­ma: “Ale­grai-vos co­mi­go, en­con­trei o que es­ta­va per­di­do” (Lc 15)

“Há mui­to, Deus tem ten­ta­do es­cla­re­cer ao ho­mem, acer­ca do seu gran­de amor por nós. A ove­lha per­di­da, é uma pa­rá­bo­la con­ta­da por Je­sus, afim de mos­trar a bus­ca in­ces­san­te do pai por seus fi­lhos. Deus cri­ou o ho­mem à sua ima­gem e se­me­lhan­ça. O so­pro do pai o fez vi­ven­te. So­mos seus fi­lhos. Je­sus co­me­ça ilus­tran­do a dis­po­si­ção do bom pas­tor, que na fal­ta de uma ove­lha, so­men­te uma de­las, sai e en­fren­ta o que for pre­ci­so para a res­ga­tar e a tra­zer em se­gu­ran­ça ao apris­co. E foi isso mes­mo que acon­te­ceu. O pai nun­ca rom­peu a sua re­la­ção com o ho­mem. O ser hu­ma­no foi quem se per­deu, se dis­traiu, não te­ve aten­ção su­fi­ci­en­te e er­rou o ca­mi­nho”.

Nes­ta pers­pec­ti­va de en­con­trar o ca­mi­nho de vol­ta, a Pa­la­vra de Deus é a bús­so­la que ori­en­ta­rá com cer­te­za ao ru­mo do amor in­fi­ni­to de Deus. E no re­tor­no à ca­sa, ao apris­co das ove­lhas a ale­gria se trans­for­ma­rá em festa, ami­gos e vi­zi­nhos se­rão con­vi­da­dos para se ale­grar por uma úni­ca ove­lha que vol­tou, que foi en­con­tra­da.

Ao mes­mo tem­po que a Pa­la­vra de Deus, na Bí­blia é bús­so­la, não po­de­mos es­que­cer de que nin­guém vi­ve so­zi­nho. A pre­sen­ça de um ami­go, de um ir­mão, para ca­mi­nhar jun­tos se­rá fun­da­men­tal, a fim de sen­tir no re­tor­no a for­ça para che­gar. Co­mo faz bem, co­mo é in­dis­pen­sá­vel um Ci­ri­neu, para apoi­ar e di­vi­dir o pe­sa da cruz.

Ca­da um nós tem uma his­tó­ria, uma vi­da que vai sen­do cons­truí­da a ca­da mo­men­to. Na di­nâ­mi­ca do ca­mi­nho so­mos in­ter­pe­la­dos de to­dos os la­dos, por pro­pos­tas en­can­ta­do­ras.

Mas ne­nhu­ma pro­põe em pri­mei­ro lu­gar a cruz. O Mes­tre Je­sus ao fa­zer a pro­pos­ta do se­gui­men­to de­le deixa cla­ro: “Quem qui­ser me se­guir, re­nun­cie a si mes­mo, to­me a sua cruz ca­da dia e si­ga­me” (Lc 14,26). No mun­do nin­guém fa­la em re­nún­cia, em cruz, em per­se­gui­ção, tu­do é festa, tu­do é fei­to para vi­ver um pa­raí­so ter­res­tre, on­de tu­do ter­mi­na aqui. To­da es­co­lha exi­ge re­nún­cia, per­das, e tam­bém ga­nhos, com uma pe­que­na di­fe­ren­ça, que tu­do se en­ca­mi­nha para o pa­raí­so ce­les­te, on­de tu­do se­rá uma festa eter­na.

Nun­ca e nin­guém po­de subs­ti­tuir nin­guém no ca­mi­nho da fe­li­ci­da­de aqui e no ou­tro mun­do. Não exis­te re­pre­sen­ta­ção e mui­to me­nos de­le­ga­ção. So­mos to­dos con­vi­da­dos em pri­mei­ra pes­soa e jul­ga­dos co­mo in­di­ví­du­os agra­ci­a­dos e ama­dos des­de to­da a eter­ni­da­de.

O Deus que nos amou e ama nos cha­ma para ir con­tra a cor­ren­te do mun­do, das ide­o­lo­gi­as ali­e­nan­tes, das dou­tri­nas mo­der­nas, e do mo­der­nis­mo fa­ci­li­ta­dor de tu­do. É pre­ci­so co­ra­gem para re­to­mar o ca­mi­nho. Se faz ne­ces­sá­rio re­nun­ci­ar as coi­sas de Deus e fi­car com o Deus das coi­sas. Ale­gre­mo-nos por uma só ove­lha que vol­ta ao co­lo do pas­tor.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.