Mar­cos ar­qui­tetô­ni­cos con­tam a his­tó­ria de Ma­rin­gá

UR­BA­NIS­MO O pri­mei­ro foi er­gui­do na dé­ca­da de 50, o Gran­de Ho­tel Ma­rin­gá. Os ar­qui­te­tos Jo­sé Bel­luc­ci e Luty Kas­prowicz es­tão en­tre os que mais mudaram a ca­ra da ci­da­de

O Diario do Norte do Parana - - ZOOM - Car­la Gu­e­des

car­la@odi­a­rio.com A his­tó­ria dos mu­ni­cí­pi­os é con­ta­da por pi­o­nei­ros, fo­to­gra­fi­as, pe­la po­lí­ti­ca, eco­no­mia e tam­bém pe­los mar­cos ar­qui­tetô­ni­cos. Ma­rin­gá tem de­ze­nas de­les, a mai­o­ria cons­truí­da até os anos 70. O pri­mei­ro, er­gui­do na dé­ca­da de 50, ser­viu de hos­pe­da­gem a per­so­na­li­da­des e in­ves­ti­do­res pau­lis­tas, pa­ra­na­en­ses e mi­nei­ros in­te­res­sa­dos em com­prar ter­ras na re­gião.

O Gran­de Ho­tel Ma­rin­gá (hoje, o de­sa­ti­va­do Ho­tel Ban­dei­ran­tes) foi pro­je­ta­do por Jo­sé Au­gus­to Bel­luc­ci, ar­qui­te­to pau­lis­ta, fa­le­ci­do nos anos 90, a pe­di­do da Com­pa­nhia Me­lho­ra­men­tos Nor­te do Pa­ra­ná (CMNP).

Bel­luc­ci apre­sen­tou no­ve pro­je­tos à com­pa­nhia, que de­ci­diu pe­la cons­tru­ção de um imó­vel de três an­da­res, em al­ve­na­ria, com ja­ne­las de ma­dei­ra. O ho­tel foi er­gui­do apro­vei­tan­do as cor­ren­tes de ven­to, o que dis­pen­sa­ria uso de ar-con­di­ci­o­na­do se fos­se re­a­ber­to hoje.

O pri­mei­ro pro­je­to, re­jei­ta­do pe­la com­pa­nhia, foi con­si­de­ra­do mo­der­no de­mais para a Ma­rin­gá de chão ba­ti­do. “Ele pro­je­tou um pré­dio de se­te an­da­res, high te­ch, com fa­cha­da de vi­dro no meio da ter­ra”, con­ta a ar­qui­te­ta Tânia Nu­nes Gal­vão Ver­ri, che­fe do De­par­ta­men­to de Ar­qui­te­tu­ra e Ur­ba­nis­mo da Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Ma­rin­gá (UEM). Ela pre­pa­ra uma te­se de dou­to­ra­do so­bre a ar­qui­te­tu­ra em Ma­rin­gá ao lon­go das dé­ca­das.

Até a cons­tru­ção do ho­tel, a ar­qui­te­tu­ra pre­do­mi­nan­te em Ma­rin­gá, se­gun­do Tânia, era do ti­po emer­gen­ci­al e er­gui­da com a ma­dei­ra da ma­ta der­ru­ba­da. Os edi­fí­ci­os ti­nham fun­ção co­le­ti­va por­que pre­ci­sa­vam abri­gar os ci­da­dãos que vi­nham abrir a ci­da­de. “Fo­ram fei­tas es­co­las, igre­jas, pos­tos de saú­de, agre­mi­a­ções; imó­veis com gran­de res­pon­sa­bi­li­da­de de abri­go, com boa ve­da­ção e co­ber­tu­ra e sol­tos do so­lo.”

Bel­luc­ci foi um dos mai­o­res no­mes do ur­ba­nis­mo em Ma­rin­gá. De­se­nhou o an­ti­go ae­ro­por­to – ain­da de ma­dei­ra –, Ce­mi­té­rio Mu­ni­ci­pal, Ma­rin­gá Clu­be, Pa­ço Mu­ni­ci­pal, a Pra­ça Na­po­leão Mo­rei­ra da Sil­va e a ca­te­dral. Ou­tros não saí­ram do pa­pel, co­mo a capela de ve­ló­ri­os do ce­mi­té­rio e o Te­a­tro Mu­ni­ci­pal, pro­je­ta­do para ser cons­truí­do na Pra­ça Ma­no­el Ribas, na Zo­na 4.

A atu­a­ção de Bel­luc­ci em Ma­rin­gá foi ana­li­sa­da em um mes­tra­do da UEM e o arquivo do es­cri­tó­rio foi do­a­do para o De­par­ta­men­to de Ar­qui­te­tu­ra e Ur­ba­nis­mo da ins­ti­tui­ção por Jo­sé Car­los Be­luc­ci, fi­lho do ar­qui­te­to.

Se nos anos 50, Ma­rin­gá te­ve Bel­luc­ci, a dé­ca­da de 60 foi mar­ca­da por obras do ar­qui­te­to e en­ge­nhei­ro Luty Vi­cen­te Kas­prowicz. Da pran­che­ta do cu­ri­ti­ba­no nas­ce­ram a Ro­do­viá­ria Amé­ri­co Dias Fer­raz – de­mo­li­da em 2010 –, Bi­bli­o­te­ca Cen­tral, o pré­dio on­de fun­ci­o­na o Ins­ti­tu­to Mé­di­co-Le­gal (IML), to­dos os cen­tros es­por­ti­vos e o can­tei­ro cen­tral da Ave­ni­da Ge­tú­lio Var­gas, que te­ve con­cep­ção mo­der­na para a épo­ca. “A in­ter­ven­ção na Ge­tú­lio Var­gas tem des­ní­veis, que são ven­ci­dos com ban­cos e jar­dins”, de­ta­lha Tânia. “O pro­je­to é mui­to de­li­ca­do.”

É tam­bém de Kas­prowicz o pro­je­to de uma re­si­dên­cia na Ave­ni­da XV de No­vem­bro, on­de hoje fun­ci­o­na uma lo­ja de ilu­mi­na­ção. O ar­qui­te­to de­se­nhou um imó­vel de com­po­si­ção cú­bi­ca, com plan­ta li­vre e pi­la­res des­co­ber­tos – ele­men­tos tí­pi­cos de cons­tru­ções do mo­vi­men­to mo­der­no.

No fi­nal da dé­ca­da de 60 e iní­cio da se­guin­te, Jai­me Ler­ner pro­je­ta a UEM, Es­tá­dio Wil­lie Da­vids e uma pas­sa­gem sub­ter­râ­nea na Ave­ni­da Co­lom­bo, que li­ga­ria UEM ao com­ple­xo es­por­ti­vo. O pro­je­to do tú­nel foi re­jei­ta­do pe­la pre­fei­tu­ra.

Ain­da nos anos 60, ou­tro mar­co ar­qui­tetô­ni­co co­me­ça­va a ser er­gui­do. O Edi­fí­cio Três Ma­ri­as, na es­qui­na das ave­ni­das Ge­tú­lio Var­gas e XV de No­vem­bro, foi con­tra­ta­do pe­lo den­tis­ta Hé­lio Mo­rei­ra e exe­cu­ta­do pe­la cons­tru­to­ra do en­ge­nhei­ro ci­vil Car­los Al­cân­ta­ra Ro­sa. O Três Ma­ri­as foi pi­o­nei­ro na ci­da­de a ter ele­va­dor e mais do que três pa­vi­men­tos. Anos mais tar­de, co­me­çou a cons­tru­ção do Cen­tro Co­mer­ci­al, na es­qui­na da Bra­sil com a Tra­ves­sa Gui­lher­me de Al­mei­da. “Os edi­fí­ci­os trou­xe­ram o es­ti­lo mo­der­no para a ci­da­de e eram bas­tan­te ar­ro­ja­dos para a épo­ca”, ana­li­sa Tânia. Os dois imó­veis têm ele­men­tos mar­can­tes da ar­qui­te­tu­ra mo­der­na, com aber­tu­ras ho­ri­zon­tais, li­ber­da­de na ocu­pa­ção dos es­pa­ços e vi­gas e pi­la­res apa­ren­tes. “São edi­fí­ci­os com me­nos ca­ma­das, ao con­trá­rio da ar­qui­te­tu­ra de hoje, que tem mui­tas pe­les. Vo­cê tal­vez te­nha di­fi­cul­da­de de olhar para um edi­fí­cio e ver co­mo ele foi fei­to. A ar­qui­te­tu­ra mo­der­na é mais des­nu­da, mais es­can­ca­ra­da.”

O ano de 1972, mar­ca o tér­mi­no do mai­or mo­nu­men­to ar­qui­tetô­ni­co de Ma­rin­gá, a ca­te­dral. Cons­truí­da por Bel­luc­ci, Tânia diz que o edi­fí­cio tem “in­te­li­gên­cia cons­tru­ti­va”. “Se o peso do con­cre­to fos­se de­po­si­ta­do no so­lo de ma­nei­ra ób­via, te­ría­mos uma na­ve re­du­zi­da. Mas a car­ga do co­ne é apoi­a­da em uma vi­ga cir­cu­lar, que tem co­mo ba­se uma sequên­cia de pi­la­res no for­ma­to de um W. Es­sa sa­ca­da do pro­je­to au­men­tou a área de cir­cu­la­ção dos fre­quen­ta­do­res.”

A pro­fes­so­ra da UEM diz que tal­vez a obra da ca­te­dral não se­ja ain­da mais sig­ni­fi­ca­ti­va por­que o pro­je­to não foi to­tal­men­te exe­cu­ta­do. Ela se re­fe­re aos fun­dos da igre­ja, on­de se­ria cons­truí­da uma saí­da para a ce­le­bra­ção de mis­sas cam­pais.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.