Do­na de ca­sa dis­tri­bui mar­mi­tas a ca­ren­tes

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Van­da Mu­nhoz

van­da@odi­a­rio.com Pou­cas pes­so­as têm a dis­po­si­ção da do­na de ca­sa Cláu­dia Mar­que­zi­ni, 47 anos. Des­de o co­me­ço des­te ano, ela dis­tri­bui de 60 a 80 mar­mi­tas a mo­ra­do­res de rua em Ma­rin­gá. O tra­ba­lho é ape­nas a con­ti­nui­da­de de uma ação de ca­ri­da­de que ela re­a­li­za des­de o iní­cio dos anos oi­ten­ta do sé­cu­lo pas­sa­do. Os ali­men­tos são do­a­dos por em­pre­sas e vo­lun­tá­ri­os. O pre­pa­ro é fei­to na co­zi­nha da ca­sa de­la. A dis­tri­bui­ção é fei­ta du­as ou três ve­zes por se­ma­na. O tra­ba­lho é in­de­pen­den­te, sem vín­cu­los a igre­jas ou ONGs.

Cláu­dia re­si­de no Jar­dim Mon­te Rei, zo­na nor­te da ci­da­de, e tem a aju­da de fa­mi­li­a­res e vo­lun­tá­ri­os para pre­pa­rar as mar­mi­tas. Quan­do tu­do fi­ca pron­to, à noi­te, ela co­lo­ca os mar­mi­tex no car­ro da fa­mí­lia e vai com o ma­ri­do, João Tei­xei­ra, as fi­lhas e ou­tros co­la­bo­ra­do­res, dis­tri­buir o ali­men­to pe­la ci­da­de.

Mo­ra­do­res de rua, pros­ti­tu­tas, vi­ci­a­dos em dro­gas en­tre ou­tros são be­ne­fi­ci­a­dos com uma mar­mi­ta. “São pes­so­as que não têm on­de mo­rar e pre­ci­sam de um pra­to de co­mi­da”, ob­ser­va con­tan­do que dis­tri­bui con­for­me en­con­tra as pes­so­as que ne­ces­si­tam. “A vi­da na rua é tris­te, por­que há dro­gas, pros­ti­tui­ção e vi­o­lên­cia. Quan­do ve­jo que não têm on­de mo­rar, aju­do”, con­ta.

Ela diz que nem sem­pre tem tu­do o que pre­ci­sa para pre­pa­rar os ali­men­tos. “Daí, ti­ra­mos do pró­prio bol­so”, des­ta­ca. O car­dá­pio é va­ri­a­do. De­pen­de do que re­ce­bem em do­a­ção: ar­roz, fei­jão, ma­car­rão, ba­ta­ta, lin­gui­ça, ovos, pão. “As em­ba­la­gens de mar­mi­tex tam­bém são do­a­das. Dia des­ses, um ra­paz do­ou tam­bém um bo­ti­jão de gás”, co­men­ta. Cláu­dia faz ques­tão de men­ci­o­nar a fé em Deus quan­do fa­la do tra­ba­lho de­la. “Não dei­xo de enal­te­cer o no­me de Deus, por­que é Ele que nos sus­ten­ta para fa­zer isso”, ob­ser­va.

Com tan­tos anos de­di­ca­dos à ca­ri­da­de, Cláu­dia co­le­ci­o­na his­tó­ri­as. “Aju­da­va sem­pre o ‘seo Jor­ge’, aque­le mo­ra­dor de rua que mor­reu dia des­ses”, de­cla­ra. Ela se re­fe­re a um an­da­ri­lho co­nhe­ci­do por “seo Jor­ge”, que fi­ca­va na Ave­ni­da 19 de De­zem­bro es­qui­na com a Ave­ni­da Co­lom­bo. Ele foi as­sas­si­na­do com dez ti­ros no dia 31 de agos­to. “Sou­be no ou­tro dia e fi­quei cho­ca­da. Uma ho­ra an­tes de ele mor­rer, eu ha­via lhe da­do uma mar­mi­ta. Ele agra­de­ceu e fa­lou em Deus”, re­cor­da.

João Cláudio Fragoso

O ali­men­to é preparado em fa­mí­lia, na co­zi­nha da ca­sa de Cláu­dia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.