Três ve­zes Go­mes

LI­VRO/HIS­TÓ­RIA LAN­ÇA­MEN­TO Com a pu­bli­ca­ção de “1889”, so­bre a pro­cla­ma­ção da Re­pú­bli­ca, pre­mi­a­do es­cri­tor ma­rin­ga­en­se Lau­ren­ti­no Go­mes en­cer­ra sua tri­lo­gia his­tó­ri­ca ini­ci­a­da com “1808”

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Ana Lui­za Ver­zo­la

ana­ver­zo­la@odi­a­rio.com Lan­ça­do na úl­ti­ma se­ma­na de agos­to, o li­vro “1889”, do es­cri­tor ma­rin­ga­en­se Lau­ren­ti­no Go­mes, en­cer­ra a tri­lo­gia que co­me­çou com “1808” e se­guiu­se com “1822”, am­bos fi­gu­ran­do na lis­ta dos li­vros de não-fic­ção mais ven­di­dos no País (fo­ram 1,5 mi­lhão de exem­pla­res ven­di­dos aqui e em Por­tu­gal). As três da­tas mar­cam a cons­tru­ção do es­ta­do bra­si­lei­ro du­ran­te o sé­cu­lo 19. Na da­ta em que se co­me­mo­ra o dia da In­de­pen­dên­cia do Bra­sil (abor­da­do em 1822), por que não fa­lar da sequên­cia li­te­rá­ria, so­bre a Pro­cla­ma­ção da Re­pú­bli­ca? Uma da­ta que dá no­me a pra­ças, ru­as e ave­ni­das por to­do o País mas que, na vi­são do es­cri­tor, não re­ce­be a de­vi­da im­por­tân­cia: o 15 de no­vem­bro.

“As três da­tas ex­pli­cam a for­ma co­mo nós, bra­si­lei­ros, nos or­ga­ni­za­mos co­mo na­ção in­de­pen­den­te e so­be­ra­na ao rom­per os nos­sos vín­cu­los com Por­tu­gal. Por­tan­to, para en­ten­der o Bra­sil de hoje é pre­ci­so es­tu­dá-las”, afir­ma. O li­vro re­cém-lan­ça­do abor­da os úl­ti­mos dias do im­pé­rio bra­si­lei­ro e é re­sul­ta­do de três anos de pes­qui­sa no Bra­sil e nos Es­ta­dos Uni­dos – País que re­ce­beu nes­ta se­ma­na a pri­mei­ra le­va de “1808” tra­du­zi­do para o in­glês, so­nho an­ti­go de Lau­ren­ti­no, que ago­ra se con­cre­ti­za. Na en­tre­vis­ta a se­guir ele fa­la do mé­to­do e or­ga­ni­za­ção para es­cre­ver, adi- an­ta um pos­sí­vel pro­je­to fu­tu­ro e re­vi­ve as me­mó­ri­as de quan­do mo­rou em Ma­rin­gá. “1889” en­cer­ra uma tri­lo­gia cons­truí­da a par­tir de da­tas im­por­tan­tes da nos­sa his­tó­ria. O se­nhor não pre­ten­de se des­ven­ci­lhar da his­tó­ria do Bra­sil no fu­tu­ro: o pró­xi­mo pas­so é re­al­men­te se de­di­car à bi­o­gra­fia de Ti­ra­den­tes? Te­nho vá­ri­os pro­je­tos, mas con­fes­so que ain­da não me de­ci­di por um de­les. Uma pos­si­bi­li­da­de é es­cre­ver uma bi­o­gra­fia his­tó­ri­ca. Sou apai­xo­na­do, por exem­plo, pe­la fi­gu­ra de Ti­ra­den­tes e pe­la In­con­fi­dên­cia Mi­nei­ra. Gos­ta­ria mui­to de tra­ba­lhar nes­se te­ma. O que me en­can­ta é o fa­to de que Ti­ra­den­tes pas­sou um sé­cu­lo com­ple­ta­men­te in­cóg­ni­to na his­tó­ria bra­si­lei­ra. Afi­nal, era uma ví­ti­ma da mo­nar­quia. Foi a bi­sa­vó de D. Pe­dro II que de­cre­tou sua sen­ten­ça de mor­te. Por­tan­to, não fi­ca­ria bem ao im­pé­rio ce­le­brá-lo co­mo he­rói na­ci­o­nal. Tu­do isso mu­dou de­pois da Pro­cla­ma­ção da Re­pú­bli­ca. É quan­do Ti­ra­den­tes re­nas­ce das cin­zas para se tor­nar um he­rói re­pu­bli­ca­no, coi­sa que, apa­ren­te­men­te, ele não era. Es­sa re­cons­tru­ção de Ti­ra­den­tes me fas­ci­na. Já ou­vi que mui­to da sua pro­du­ção vem das su­as ca­mi­nha­das e, quan­do tem al­gu­ma ideia no­va, o se­nhor uti­li­za um gra­va­dor de bol­so para re­gis­trar. O úl­ti­mo li­vro foi con­ce­bi­do des­sa ma­nei­ra tam­bém? Co­mo or­ga­ni­za tan­ta in­for­ma­ção? Em ge­ral, sou um es­cri­tor bas­tan­te or­ga­ni­za­do nas mi­nhas pes­qui­sas. Para fa­zer “1889”, li cer­ca de 150 ou­tras obras so­bre o te­ma, mo­rei um ano nos Es­ta­dos Uni­dos e vi­si­tei os lo­cais dos acon­te­ci­men­tos no Rio de Ja­nei­ro, em Pe­tró­po­lis e ou­tras ci­da­des. Tam­bém sou bas­tan­te dis­ci­pli­na­do na ho­ra de es­cre­ver e nun­ca atra­so a en­tre­ga dos ori­gi­nais para a edi­to­ra. Às ve­zes, no en­tan­to, meu pro­ces­so cri­a­ti­vo de­pen­de de fa­to­res que nem eu mes­mo con­si­go ex­pli­car. As ca­mi­nha­das são um exem­plo. Quan­do es­cre­ver se tor­na uma ta­re­fa di­fí­cil, saio para ca­mi­nhar com o meu ca­chor­ro e le­vo jun­to um pe­que­no gra­va­dor di­gi­tal. Ao lon­go do ca­mi­nho, de for­ma qua­se mi­la­gro­sa, ge­ral­men­te uma boa ideia me vem à ca­be­ça. En­tão, gra­vo e, ao vol­tar para ca­sa, trans­fi­ro para o com- O se­nhor nas­ceu em Ma­rin­gá, mas vi­veu por pou­co tem­po na ci­da­de. Quais su­as re­fe­rên­ci­as da­qui? Ma­rin­gá para mim é uma sau­da­de es­con­di­da em al­gum lu­gar do pas­sa­do. A ci­da­de em que eu nas­ci e vi­vi até a ju­ven­tu­de não exis­te mais. Per­deu-se no tem­po. Hoje é uma me­tró­po­le ri­ca, di­nâ­mi­ca e ino­va­do­ra. Na mi­nha épo­ca era uma fron­tei­ra no­va no avan­ço da agri­cul­tu­ra no Bra­sil, um lu­gar mui­to sim­ples cu­jos pi­o­nei­ros le­va­vam uma vi­da di­fí­cil e re­ple­ta de gran­des so­nhos. A ca­sa do meu avô, on­de eu nas­ci, fi­ca­va na Zo­na Se­te, per­to do Es­tá­dio Wil­lie Da­vids. Vim ao mun­do no co­me­ço da ma­dru­ga­da de 17 de fe­ve­rei­ro de 1956, no exa­to mo­men­to em que o trem Ou­ro Ver­de par­tia da es­ta­ção ru­mo a Ou­ri­nhos, no in­te­ri­or de São Pau­lo. O trem era a nos­sa prin­ci­pal li­ga­ção com o res­to do mun­do e che­ga­va até Água Boa, dis­tri­to ru­ral de Pai­çan­du aon­de pas­sei mi­nha in­fân­cia. De­pois vol­tei a mo­rar em Ma­rin­gá, em uma ca­sa de ma­dei­ra na Zo­na Cin­co, es­qui­na das ru­as San­ta Joaquina de Ve­dru­na com Tei­xei­ra de Frei­tas, per­to do Horto Flo­res­tal. Co­mo não ha­via pa­vi­men­ta­ção, nos dias de chu­va era pre­ci­so en­fren­tar o bar­ro. Meus pais eram agri­cul­to­res re­la­ti­va­men­te po­bres. Ti­ve de tra­ba­lhar para aju­dar nas des­pe­sas da fa­mí­lia des­de os qua­tor­ze anos. Tra­ba­lha­va du­ran­te o dia e es­tu­da­va à noi­te, sem­pre em es­co­la pú­bli­ca, pri­mei­ro no Bying­ton Ju­ni­or, de­pois no Bra­sí­lio Iti­be­rê e, por fim, no Co­lé­gio Es­ta­du­al. Fui jar­di­nei­ro, sa­pa­tei­ro, tor­nei­ro me­câ­ni­co, em­pa­co­ta­dor de su­per­mer­ca­dos, au­xi­li­ar de es­cri­tó­rio, car­to­rá­rio e ban­cá­rio. Ga­nha­va pou­co, mas fiz de tu­do um pou­co e apren­di mui­to. Des­se mo­do, a ci­da­de aju­dou a for­jar o que sou hoje. pu­ta­dor. Dor­mir tam­bém aju­da. Quan­do eu es­tou com di­fi­cul­da­de para cons­truir um pa­rá­gra­fo ou ex­pli­car uma de­ta­lhe da his­tó­ria, lar­go tu­do e vou dor­mir. Ge­ral­men­te a so­lu­ção vem du­ran­te o so­no. Por isso, sem­pre dei­xo, por pre­cau­ção, uma ca­ne­ta e um blo­co de ano­ta­ção so­bre a me­sa de ca­be­cei­ra para re­gis­trar es­sas idei­as quan­do elas che­gam, de ma­dru­ga­da. Na ma­nhã se­guin­te, o tra­ba­lho cos­tu­ma ren­der em do­bro. Para al­guém que quei­ra de­sen­vol­ver um tra­ba­lho ex­plo­ran­do al­gum pe­río­do da his­tó­ria do Bra­sil, quais se­ri­am os pe­río­dos ain­da su­per­fi­ci­al­men­te ex­plo­ra­dos que o se­nhor re­co­men­da­ria? Isso de­pen­de mui­to da vo­ca­ção de ca­da pes­qui­sa­dor ou es­cri­tor. O Bra­sil tem mais de qui­nhen­tos anos de uma his­tó­ria mui­to ri­ca e mal con­ta­da. Há tu­do por fa­zer ain­da, es­pe­ci­al­men­te no que diz res­pei­to a obras de di­vul­ga­ção ci­en­tí­fi­ca que bus­cam fil­trar o co­nhe­ci­men­to aca­dê­mi­co para lei­to­res lei­gos em lin­gua­gem mais aces­sí­vel. Eu, por exem­plo, te­nho uma cer­ta pre­di­le­ção pe­lo Sé­cu­lo 19, ob­je­to da tri­lo­gia que es­tou en­cer­ran­do ago­ra com “1889”. Gos­ta­ria de es­cre­ver so­bre os gran­des con­fli­tos do pe­río­do da Re­gên­cia, en­tre a ab­di­ca­ção de D. Pe­dro I, em 1831, e a mai­o­ri­da­de de D. Pe­dro II, em 1840. É uma fa­se mui­to tur­bu­len­ta e pou­co co­nhe­ci­da da his­tó­ria na­ci­o­nal. Só na Ca­ba­na­gem, no Pa­rá, mor­re­ram cer­ca de 40 mil pes­so­as. O pa­lá­cio do go­ver­no foi to­ma­do por um va­quei­ro ce­a­ren­se anal­fa­be­to, Eduardo An­ge­lim, que go­ver­nou a pro­vín­cia até ser pre­so. Isso da­ria um ex­ce­len­te li­vro. Ou­tro bom as­sun­to é a Guer­ra do Pa­ra­guai. En­fim, te­ma é o que não fal­ta.

odi­a­rio.com)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.