Con­tra a es­tu­pi­dez da guer­ra

Pri­mei­ra das obras-pri­mas de Ku­brik, “Gló­ria Fei­ta de San­gue” mos­tra hor­ror da guer­ra e cinismo mi­li­tar; com Kirk Dou­glas, fil­me é atra­ção do Pro­je­to Um Ou­tro Olhar

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Pau­lo Cam­pag­no­lo

Não é que se­ja o me­lhor ou o mais im­por­tan­te, mas tra­ta-se de ser es­sen­ci­al. “Gló­ria Fei­ta de San­gue”, car­taz do Pro­je­to Um Ou­tro Olhar des­te sá­ba­do, dentro do ci­clo To­das As Guer­ras Que Per­de­mos, bas­ta­ria por ser sim­ples­men­te um fil­me de Stan­ley Ku­brick (1928–1999), um dos mais in­flu­en­tes di­re­to­res de to­dos os tem­pos. Bas­ta­ria, ain­da, que fos­se a sua pri­mei­ra obra-pri­ma, de uma car­rei­ra re­che­a­da de­las – “Dou­tor Fan­tás­ti­co” (64), “2001 – Uma Odis­séia no Es­pa­ço” (68), “La­ran­ja Me­câ­ni­ca” (71) e “Bar­ry Lyndon” (75). Mas o fil­me é mais do que isso: é um dos ata­ques mais ve­e­men­tes e emo­ci­o­nan­tes con­tra o mi­li­ta­ris­mo, con­tra to­das as guer­ras, con­tra o cinismo e a es­tu­pi­dez hu­ma­na, por con­seqüên­cia.

Ba­se­a­do num ro­man­ce de Humph­rey Cobb (de 1935) que, por sua vez, se ba­se­ou num epi­só­dio re­al ocor­ri­do na Fran­ça, o fil­me traz Kirk Dou­glas (num tour de for­ce ex­tra­or­di­ná­rio) co­mo o co­ro­nel Dax que, em com­ba­te con­tra os ale­mães du­ran­te a Pri­mei­ra Gran­de Guer­ra, re­ce­be or­dens do ge­ne­ral Mi­re­au (Ge­or­ge MacRe­ady) para to­mar a po­si­ção ini­mi­ga, cus­te o que cus­tar. Sa­ben­do ser uma mis­são sui­ci­da, mas ten­do de cum­prir as or­dens su­pe­ri­o­res, O co­ro­nel pe­de para seus ho­mens avan­ça­rem, mas mui­tos são ime­di­a­ta­men­te aba­ti­dos e os ou­tros re­cu­am. Para dar co­ber­tu­ra ao pró­prio er­ro, o co­man­do or­de­na que Dax es­co­lha três sol­da­dos para se­rem exe­cu­ta­dos por co­var­dia e mo­tim di­an­te de uma cor­te mar­ci­al. Dax, que é ad­vo­ga­do, se en­car­re­ga­rá de ten­tar de­fen­der seus sol­da­dos, mes­mo sa­ben­do que isso não te­rá efei­to ne­nhum no jo­go de cartas mar­ca­das im­pos­to pe­los ge­ne­rais.

Com di­fi­cul­da­des para fi­nan­ci­ar um fil­me de te­ma tão es­pi­nho­so, Ku­brick con­tou com a aju­da da pro­du­to­ra de Kirk Dou­glas e de Ja­mes B. Har­ris.

Em seu quar­to lon­ga-me­tra­gem, o di­re­tor já de­mons­tra o ri­gor for­mal com o qual se tor­na­ria um dos gran­des do cinema: a com­po­si­ção dos qua­dros (in­fluên­cia da sua car­rei­ra co­mo fotógrafo), os pla­nos sequên­cia de gran­de for­ça dra­má­ti­ca, a di­re­ção de ato­res, a exe­cu­ção da mon­ta­gem que não per­mi­te ne­nhu­ma dis­tra­ção. Con­tu­do, ain­da que es­tes as­pec­tos se­jam pri­mor­di­ais para nos dar a di­men­são de su­as qua­li­da­des es­té­ti­cas, é o te­ma de Ku­brick que fi­ca­rá por mui­to tem­po na men­te dos es­pec­ta­do­res – o qual ele re­to­ma­ria, 30 anos de­pois, com o vi­o­len­to “Nas­ci­do Para Ma­tar” (87). Em tem­pos de tan­tos con­fli­tos pe­lo mun­do, o fil­me re­for­ça o cinismo e a co­var­dia da­que­les que de­tém o po­der e para os quais as pes­so­as não pas­sam de nú­me­ros – nú­me­ros a se­rem aba­ti­dos.

E num fil­me com tan­tas cenas ab­so­lu­ta­men­te mar­can­tes, é de se des­ta­car uma que me pa­re­ce ser aque­la que to­das as pes­so­as que car­re­gam no seu ca­rá­ter a pri­ma­zia da paz e da li­ber­da­de gos­ta­ri­am de tam­bém te­rem vi­vi­do: de­pois da exe­cu­ção dos três sol­da­dos, o co­ro­nel Dax é cha­ma­do pe­lo ge­ne­ral Brou­lard (pa­pel de Adolphe Men­jou – a en­car­na­ção per­fei­ta do cinismo mi­li­tar) para uma con­ver­sa – on­de tam­bém está pre­sen­te o ge­ne­ral Mi­re­au que se­rá, ali, in­for­ma­do so­bre uma ave­ri­gua­ção de sua con­du­ta, dei­xan­do cla­ro que ele se­rá trans­for­ma­do num bo­de ex­pi­a­tó­rio de to­do o ca­so. Quan­do Mi­ra­beu sai, o ge­ne­ral Brou­lard fa­la para Dax: “Não fi­que tão sur­pre­so, meu ga­ro­to”. Ao que Dax com fú­ria e des­pre­zo res­pon­de: “Eu pos­so ser mui­tas coi­sas, mas não sou o seu ga­ro­to”. É o ti­po de res­pos­ta que va­le co­mo um gran­de so­co da ca­ra num dos gran­des mo­men­tos do cinema.

Pau­lo Cam­pag­no­lo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.