Gran­de pe­que­na mí­dia

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

Mas há sen­ti­dos que só eles con­se­guem ex­pres­sar. Em­bu­ce­tar, por exem­plo, sig­ni­fi­ca que al­go fi­cou tão com­pli­ca­do que não há so­lu­ção à vis­ta. Ten­te achar ou­tro ver­bo para di­zer isso. Se en­con­trar, me di­ga. Cla­ro que não es­cre­ve­ria es­sas pa­la­vras à toa, co­mo na in­ter­net. Fi-lo aqui por uma ne­ces­si­da­de ex­pli­ca­ti­va in­trín­se­ca à ló­gi­ca do tex­to. Tam­bém pos­so des­cer a le­nha na gran­de mí­dia. Des­de os protestos de ju­nho, es­tou com uns gri­tos en­ta­la­dos na gar­gan­ta. Se­gu­rei-os por­que as pró­pri­as ma­ni­fes­ta­ções com­ba­te­ram as co­ber­tu­ras ten­den­ci­o­sas, medíocres e pre­con­cei­tu­o­sas. Lem­bram do ve­xa­me do Ja­bor? Se­gun­do Mi­no Car­ta, nos­so jor­na­lis­mo é o pi­or do mun­do. Mas se acha o me­lhor, acres­cen­to; e vou um pou­co além: só se­re­mos um país sé­rio quan­do jor­na­lis­tas pa­ga­rem por seus cri­mes de im­pren­sa. E quan­do dei­xar­mos de ser re­féns de qu­a­tro fa­mí­li­as que do­mi­nam a in­for­ma­ção na­ci­o­nal. A pou­ca in­te­li­gên­cia que te­nho se sen­te ul­tra­ja­da to­da vez que abro um jor­na­lão, ve­jo uma re­vis­ti­nha ou li­go a TV. Não é es­tra­nho uma mí­dia que se au­to­pro­cla­ma aci­ma do bem e do mal? E isso no Bra­sil, on­de o mal é tão ba­nal? Em ter­mos de ma­ni­pu­la­ção dos fa­tos, o Gran­de Ir­mão orwel­li­a­no era um in­gê­nuo per­to da gran­de im­pren­sa tu­pi­ni­quim. Vol­tei a sen­tir co­cei­ras na gar­gan­ta com o no­ti­ciá­rio so­bre a im­por­ta­ção de mé­di­cos. Quan­ta par­ci­a­li­da­de, quan­ta men­ti­ra, quan­to pre­con­cei­to ra­ci­al e so­ci­al, meu Deus! Tu­do para ata­car um pro­gra­ma que po­de ren­der vo­tos ao go­ver­no. E o po­vão que se las­que. FHC foi o pri­mei­ro pre­si­den­te a tra­zer mé­di­cos cu­ba­nos para o Bra­sil, sob os aplau­sos da nos­sa mí­dia “apar­ti­dá­ria”. Sin­to en­gu­lhos quan­do ve­jo es­sas coi­sas. Ape­sar de tu­do, acho que o Bra­sil está mos­tran­do mais a sua ca­ra. Es­ta­mos co­me­çan­do a ver quem pa­ga pra gen­te fi­car as­sim. Es­ta­mos per­ce­ben­do o quan­to so­mos bo­ni­ti­nhos, mas or­di­ná­ri­os. So­mos o país da men­ti­ra e do fin­gi­men­to. Acha­mos feio fa­lar pa­la­vrão, mas dei­ta­mos e ro­la­mos no se­xo. Di­ze­mos não ter pre­con­cei­tos, e so­mos um dos pai­ses mais in­jus­tos do mun­do. De­fen­de­mos a vi­da de ur­si­nhos panda na Chi­na, mas não a de cri­an­ças aban­do­na­das em nos­sas ru­as. So­mos au­to­ri­tá­ri­os, mas po­sa­mos de de­mo­cra­tas. Pre­ga­mos o po­li­ti­ca­men­te cor­re­to e pra­ti­ca­mos o mo­ral­men­te in­cor­re­to. Tal­vez eu es­te­ja en­ga­na­do, mas acho que os protestos de ju­nho tam­bém eram con­tra es­sas coi­sas. E que o su­ces­so dos no­vos co­mu­ni­ca­do­res na in­ter­net se ba­seia no des­mas­ca­ra­men­to e na rup­tu­ra de com­por­ta­men­tos hi­pó­cri­tas. Se eu es­ti­ves­se no Youtu­be, di­ria: de­mo­rou, por­ra!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.