Bom ne­gó­cio sem­pre

O Diario do Norte do Parana - - CLASSIDIÁRIO - Fernanda Ber­to­la su­ple­men­tos@odi­a­rio.com

In­ves­tir em imó­veis está na cul­tu­ra do bra­si­lei­ro. E não é à toa. Co­mo o País já pas­sou por mo­men­tos de ins­ta­bi­li­da­de fi­nan­cei­ra ao lon­go de sua his­tó­ria, in­ves­tir em bens só­li­dos ins­pi­ra, até hoje, mais se­gu­ran­ça tan­to a quem pen­sa em fa­zer di­nhei­ro, co­mo a quem quer ape­nas ter uma ga­ran­tia para o fu­tu­ro.

En­tre­tan­to, a apli­ca­ção em imó­veis, co­mo qual­quer in­ves­ti­men­to, de­ve ser pre­ce­di­da de uma cui­da­do­sa aná­li­se dos ris­cos e be­ne­fí­ci­os. A fal­ta de li­qui­dez é um pon­to im­por­tan­te a ser ana­li­sa­do, tam­bém fu­tu­ros gas­tos co­mo con­do­mí­nio, im­pos­tos, a pos­si­bi­li­da­de de o imó­vel fi­car mui­to tem­po va­go, en­tre ou­tros. Co­mo as­pec­to po­si­ti­vo, há a va­lo­ri­za­ção cons­tan­te, já que di­fi­cil­men­te o va­lor do imó­vel cai de for­ma ex­pres­si­va, além de da pos­si­bi­li­da­de de re­ce­bi­men­to de alu­guel.

Se ao pon­de­rar os ris­cos a de­ci­são for mes­mo por in­ves­tir na com­pra de um imó­vel, fa­ça a me­lhor es­co­lha. O que po­de ser mais ren­tá­vel? Imó­vel co­mer­ci­al, re­si­den­ci­al, lo­tes, ou ain­da, ru­rais? Se­gun­do a de­le­ga­da de Ma­rin­gá do Con­se­lho Re­gi­o­nal de Cor­re­to­res de Imó­veis do Pa­ra­ná (Cre­ci-PR), Ma­ri­sa Ma­ru­ta­ka, o pri­mei­ro pas­so é de­fi­nir o ob­je­ti­vo da com­pra. “Às ve­zes a pes­soa tem o di­nhei­ro e quer au­men­tar a ren­da men­sal re­ce­ben­do alu­guel ou quer ob­ter lu­cros fu­tu­ros com a va­lo­ri­za­ção do imó­vel”.

De­pois, é pre­ci­so re­cor­rer à con­sul­to­ria es­pe­ci­a­li­za­da. Ma­ri­sa res­sal­ta que há épo­cas em que o in­ves­ti­men­to em sa­las co­mer­ci­ais está mais em al­ta, mas tam­bém há ter­re­nos, ou áre­as que es­tão sen­do lo­te­a­das, ou que re­ce­be­rão al­gum em­pre­en­di­men­to que va­lo­ri­za­rão a re­gião, que po­dem ser uma boa op­ção. Há quem ado­te a es­tra­té­gia de ad­qui­rir o imó­vel na plan­ta e re­ven­dê-lo de­pois de cons­truí­do, para que já pos­sa apli­car o ga­nho em ou­tro in­ves­ti­men­to.

Um cor­re­tor de con­fi­an­ça, no en­tan­to, po­de­rá in­di­car a me­lhor op­ção. “Es­se pro­fis­si­o­nal tem vi­vên­cia de mer­ca­do, en­ten­de do pla­no di­re­tor da ci­da­de, sa­be dos imó­veis dis­po­ní­veis, po­de in­di­car as ten­dên­ci­as de acor­do com a épo­ca e o me­lhor in­ves­ti­men­to a ser fei­to”, des­ta­ca Ma­ri­sa. “Há pes­so­as que às ve­zes com­pram para cons­truir, mas por fal­ta de con­sul­to­ria de um bom pro­fis­si­o­nal, que co­nhe­ce as exi­gên­ci­as e a le­gis­la­ção, não se dão con­ta de que na­que­le lo­cal aque­le ti­po de em­pre­en­di­men­to não po­de­ria ser fei­to e aca­bam per­den­do di­nhei­ro”.

Ela re­for­ça que ao con­tar com os ser­vi­ços de um cor­re­tor é pre­ci­so exi­gir a cre­den­ci­al do Cre­ci, ór­gão que fis­ca­li­za e re­gu­la­men­ta a pro­fis­são do cor­re­tor. O pró­xi­mo pas­so é de­ter­mi­nar a quan­tia que se pre­ten­de in­ves­tir. “Tal­vez va­lha a pe­na fi­nan­ci­ar uma cer­ta di­fe­ren­ça para com­prar uma ca­sa, sa­la ou apar­ta­men­to me­lhor. Às ve­zes é pos­sí­vel, só com o va­lor do alu­guel, co­brir as par­ce­las do fi­nan­ci­a­men­to e, ain­da, con­tar com a va­lo­ri­za­ção no lon­go pra­zo”, diz. Por es­se mo­ti­vo, ela re­for­ça a ne­ces­si­da­de de um pro­fis­si­o­nal ca­pa­ci­ta­do para aju­dar no pro­ces­so de com­pra.

Di­vul­ga­ção

COM­PRA DE IMÓ­VEL Com aju­da do cor­re­tor, o com­pra­dor po­de re­co­nhe­cer as opor­tu­ni­da­des mais ra­pi­da­men­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.