Pres­cri­ção far­ma­cêu­ti­ca

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

O bra­si­lei­ro está acos­tu­ma­do a ver o far­ma­cêu­ti­co na far­má­cia, ori­en­tan­do so­bre o uso de me­di­ca­men­tos. Mais ra­ra­men­te, em um ou ou­tro es­ta­be­le­ci­men­to, é pos­sí­vel ob­ser­var pro­fis­si­o­nais afe­rin­do a pres­são ar­te­ri­al, apli­can­do in­je­ções ou re­a­li­zan­do uma con­sul­ta em con­sul­tó­rio pró­prio. A mai­o­ria das pes­so­as não sa­be, mas o far­ma­cêu­ti­co exer­ce mais de 70 ati­vi­da­des di­fe­ren­tes.

Es­ses pro­fis­si­o­nais de­sem­pe­nham um pa­pel im­por­tan­te para a qua­li­da­de de vi­da das pes­so­as. O Con­se­lho Fe­de­ral de Far­má­cia (CFF) tem atu­a­do no sen­ti­do de que o far­ma­cêu­ti­co, além de ser, de fa­to, uma re­fe­rên­cia na área de saú­de, se­ja re­co­nhe­ci­do co­mo tal. Ins­tru­men­tos im­por­tan­tes es­tão em cons­tru­ção com es­se ob­je­ti­vo no Con­se­lho, que aca­ba de apro­var du­as im­por­tan­tes re­so­lu­ções. Uma ins­ti­tui a pres­cri­ção far­ma­cêu­ti­ca. A ou­tra de­fi­ne as atri­bui­ções clí­ni­cas do far­ma­cêu­ti­co.

Os tex­tos das du­as re­so­lu­ções fo­ram fru­to de am­plo de­ba­te que en­vol­veu Con­se­lhos Re­gi­o­nais de Far­má­cia, en­ti­da­des li­ga­das à área e pro­fis­si­o­nais de to­do o País. Mes­mo re­pre­sen­ta­ções da so­ci­e­da­de ci­vil or­ga­ni­za­da e ci­da­dãos co­muns pu­de­ram par­ti­ci­par da cons­tru­ção das pro­pos­tas, de­mo­cra­ti­ca­men­te, por meio de con­sul­tas pú­bli­cas, re­a­li­za­das pe­lo CFF en­tre ju­nho e ju­lho.

A pres­cri­ção far­ma­cêu­ti­ca po­de­rá ser fei­ta para os me­di­ca­men­tos isen­tos de pres­cri­ção mé­di­ca, as plan­tas me­di­ci­nais, as dro­gas ve­ge­tais e os fi­to­te­rá­pi­cos tam­bém isen­tos de pres­cri­ção. No ca­so de me­di­ca­men­tos que exi­jam pres­cri­ção mé­di­ca, fa­cul­ta-se ao far­ma­cêu­ti­co o es­ta­be­le­ci­men­to de acor­dos de co­la­bo­ra­ção com os pres­cri­to­res.

Para isso, o CFF pro­po­rá ao Mi­nis­té­rio da Saú­de, pro­to­co­los ins­ti­tu­ci­o­nais ou nor­ma­ti­vas téc­ni­cas a se­rem es­ta­be­le­ci­das pe­lo ór­gão e de­mais es­fe­ras de ges­tão sa­ni­tá­ria. O ob­je­ti­vo é re­gu­la­men­tar de que for­ma po­de­rá se dar a ati­vi­da­de do far­ma­cêu­ti­co no iní­cio, adi­ção, ma­nu­ten­ção, subs­ti­tui­ção, ajus­te ou in­ter­rup­ção da far­ma­co­te­ra­pia do pa­ci­en­te.

Para pres­cre­ver, o far­ma­cêu­ti­co to­ma­rá co­mo ba­se as ne­ces­si­da­des de saú­de do pa­ci­en­te, as evi­dên­ci­as ci­en­tí­fi­cas dis­po­ní­veis em prin­cí­pi­os éti­cos e em con­for­mi­da­de com as po­lí­ti­cas de saú­de. E mais: de­ve­rá fo­car, sem­pre, no uso se­gu­ro e ra­ci­o­nal de me­di­ca­men­tos. Com a apro­va­ção da re­so­lu­ção, o ato da pres­cri­ção far­ma­cêu­ti­ca cons­ti­tui­rá prer­ro­ga­ti­va do far­ma­cêu­ti­co le­gal­men­te ha­bi­li­ta­do e ins­cri­to no Con­se­lho Re­gi­o­nal de Far­má­cia de sua ju­ris­di­ção.

Em­bo­ra se­ja no­vi­da­de no Bra­sil, a pres­cri­ção far­ma­cêu­ti­ca é pra­ti­ca­da em di­ver­sos paí­ses. São dois os mo­de­los ado­ta­dos no mun­do: o in­de­pen­den­te e o de­pen­den­te. O CFF op­tou pe­la pres­cri­ção dos me­di­ca­men­tos isen­tos e pe­la pres­cri­ção far­ma­cêu­ti­ca de­pen­den­te, que po­de ser co­la­bo­ra­ti­va, su­ple­men­tar, re­pe­ti­ção da pres­cri­ção, pro­to­co­lo e pres­cri­ção ou in­di­ca­ção far­ma­cêu­ti­ca.

É pre­ci­so avan­çar de ma­nei­ra só­li­da e res­pon­sá­vel, am­pli­an­do a for­ma­ção far­ma­cêu­ti­ca na área da Farmacologia, Far­má­cia Clí­ni­ca e Co­mu­ni­ca­ção com o Pa­ci­en­te, para con­so­li­dar ca­da pro­gres­so fei­to e con­quis­tar a con­fi­an­ça dos pa­ci­en­tes e dos de­mais pro­fis­si­o­nais de saú­de.

O pró­xi­mo pas­so se­rá bus­car o con­sen­so en­tre An­vi­sa, Mi­nis­té­rio da Saú­de, Co­nass, Co­na­sems e Con­se­lho Na­ci­o­nal de Saú­de na ela­bo­ra­ção de uma no­va lis­ta de me­di­ca­men­tos isen­tos de pres­cri­ção sob res­pon­sa­bi­li­da­de do far­ma­cêu­ti­co. Tam­bém é ne­ces­sá­rio es­ta­be­le­cer pro­to­co­los de cui­da­dos com pa­ci­en­tes em que o far­ma­cêu­ti­co pos­sa atu­ar co­mo pres­cri­tor de­pen­den­te, con­for­me ex­pos­to aci­ma.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.