Ta­xa para acom­pa­nhar par­to pro­vo­ca po­lê­mi­ca

Obs­te­tras têm co­bra­do até R$ 6 mil para fa­zer o par­to de usuá­ri­as dos pla­nos de saú­de. Prá­ti­ca é con­si­de­ra­da ir­re­gu­lar pe­lo Pro­con e Mi­nis­té­rio Público

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Rú­bia Pi­men­ta

ru­bia@odi­a­rio.com Mé­di­cos obs­te­tras, cre­den­ci­a­dos pe­los pla­nos de saú­de, es­tão co­bran­do uma ta­xa ex­tra para fi­car à dis­po­si­ção das ges­tan­tes na ho­ra do nas­ci­men­to do be­bê. Em Ma­rin­gá, a redação de O Diá­rio apu­rou que os va­lo­res va­ri­am en­tre R$ 1,5 mil e R$ 6 mil. Ape­nas uma das clí­ni­cas con­sul­ta­das não re­a­li­za­va a co­bran­ça adi­ci­o­nal. O pro­ce­di­men­to é con­si­de­ra­do ir­re­gu­lar pe­lo Pro­con e Mi­nis­té­rio Público e pro­vo­ca po­lê­mi­ca. En­ti­da­des mé­di­cas de­fen­dem o adi­ci­o­nal, res­sal­tan­do que não há obri­ga­ção le­gal do acom­pa­nha­men­to do par­to.

A fi­si­o­te­ra­peu­ta A.M., 31 anos, es­pe­ra o pri­mei­ro fi­lho. O pla­no de saú­de de­la ofe­re­ce co­ber­tu­ra com­ple­ta do pré­na­tal até o par­to. Na ho­ra de es­co­lher o mé­di­co para acom­pa­nhar a ges­ta­ção, ela con­sul­tou dois obs­te­tras. “Am­bos co­bram para re­a­li­zar o par­to. Em ca­so de ce­sa­ri­a­na, com da­ta agen­da­da, um de­les pe­diu R$ 3 mil e ou­tro R$ 1,5 mil. Se op­tar pe­lo par­to nor­mal, o va­lor é mai­or”, afir­ma.

Um dos pro­fis­si­o­nais ain­da co­bra R$ 190, por con­sul­tas fo­ra do ho­rá­rio de ex­pe­di­en­te, e de­li­mi­ta um nú­me­ro de con­sul­tas para pa­ci­en­tes de con­vê­ni­os, du­ran­te a se­ma­na. “Se eu pre­ci­sar em um dia que não há mais “va­ga” para pla­no de saú­de, te­nho que pa­gar uma con­sul­ta par­ti­cu­lar”, de­cla­ra. Mes­mo con­tra­ri­a­da, ela de­ci­diu acei­tar os ter­mos e pa­gar a ta­xa ex­tra. “É a se­gu­ran­ça do meu fi­lho. Por isso, que­ro que tu­do saia per­fei­to. Não pos­so ser aten­di­da por um des­co­nhe­ci­do em uma ho­ra tão im­por­tan­te co­mo a do par­to”, des­ta­ca.

Prá­ti­ca abu­si­va

A co­bran­ça da ta­xa é com­ba­ti­da pe­lo Pro­con e pe­la Pro­mo­to­ria de Di­rei­tos do Con­su­mi­dor em Ma­rin­gá. “Quan­do o obs­te­tra acom­pa­nha to­da a ges­ta­ção, e no par­to não está à dis­po­si­ção, ou co­bra para es­tar pre­sen­te, ele re­a­li­za uma prá­ti­ca abu­si­va”, res­sal­ta o di­re­tor do Pro­con de Ma­rin­gá, João Luiz Re­gi­a­ni. Se­gun­do ele, as ta­xas co­bra­das são in­jus­tas do pon­to de vis­ta fi­nan­cei­ro. “Equi­va­le a vá­ri­as par­ce­las do pla­no”, com­pa­ra. Ele tam­bém aler­ta so­bre os ris­cos à saú­de. “É pe­ri­go­so a ges­tan­te não ser aten­di­da nes­te mo­men­to cru­ci­al por um pro­fis­si­o­nal que não acom­pa­nhou o pas­so a pas­so”, opi­na.

O pro­mo­tor de Di­rei­tos do Con­su­mi­dor de Ma­rin­gá, Mau- “Não pos­so ser aten­di­da por um des­co­nhe­ci­do em uma ho­ra tão im­por­tan­te co­mo a do par­to” rí­cio Ka­la­che, ex­pli­ca que, pe­la lei, o mé­di­co que re­a­li­zou o pré­na­tal não tem obri­ga­ção de re­a­li­zar o par­to. “A mai­o­ria dos pla­nos pre­vê o par­to com equi­pes plan­to­nis­tas dos hos­pi­tais con­ve­ni­a­dos”, es­cla­re­ce. No en­tan­to, para ele, a co­bran­ça da ta­xa não é éti­ca. “Se o pla­no de saú­de to­le­ra tal prá­ti­ca do mé­di­co, am­bos le­sam o con­su­mi­dor, que po­de pe­dir, ju­di­ci­al­men­te, re­pa­ra­ção por da­no mo­ral”, co­men­ta. Para ele, a si­tu­a­ção se agra­va se o mé­di­co re­ce­ber do pa­ci­en­te e do pla­no de saú­de. “Se o pa­ga­men­to for, ex­clu­si­va­men­te, par­ti­cu­lar não há im­pli- ca­ções, pois é uma es­co­lha da pes­soa, mas o mé­di­co não po­de re­ce­ber dos dois”, diz.

O pro­mo­tor aler­ta que mui­tos pro­fis­si­o­nais se apro­vei­tam da fra­gi­li­da­de das ges­tan­tes para in­du­zi-las a pa­gar as ta­xas. “Mui­tos dei­xam a mu­lher in­se­gu­ra, ale­gan­do que se o par­to não for re­a­li­za­do pe­lo obs­te­tra do pré-na­tal ele não se­rá bem su­ce­di­do, mas isso não pas­sa de chan­ta­gem”, ad­ver­te.

O pro­mo­tor e o di­re­tor do Pro­con ori­en­tam as ges­tan­tes que se sen­ti­rem le­sa­das a pro­cu­ra­rem os ór­gãos, e de­nun­ci­a­rem a si­tu­a­ção aos pla­nos de saú­de.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.