As­so­ci­a­ção de­fen­de co­bran­ça

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES -

De acor­do com o pre­si­den­te da So­ci­e­da­de de Obs­te­tras e Gi­ne­co­lo­gis­tas do Pa­ra­ná (So­gi­pa), Amil­ton Jú­lio, a co­bran­ça ocor­re por um ser­vi­ço que não está pre­vis­to nos pla­nos de saú­de. “Es­te va­lor de­ve ser com­bi­na­do en­tre mé­di­co e pa­ci­en­te des­de a pri­mei­ra con­sul­ta no pré-na­tal, co­mo um ho­no­rá­rio à par­te”, des­ta­ca.

Jú­lio res­sal­ta que o mé­di­co não po­de fi­car a dis­po­si­ção da ges­tan­te 24 ho­ras. “Os pla­nos não in­clu­em con­sul­tas de ma­dru­ga­da ou aten­der o te­le­fo­ne fo­ra do ho­rá­rio de ex­pe­di­en­te”, acres­cen­ta. Ele de­fen­de que o mé­di­co de­ve re­ce­ber tan­to pe­lo pla­no, quan­to pe­la pa­ci­en­te. “É uma com­ple­men­ta­ção do va­lor a ser re­ce­bi­do pe­lo par­to”, opi­na.

Para o pre­si­den­te da So­gi­pa, o ide­al é que o mé­di­co que re­a­li­zou o aten­di­men­to da ges­tan­te es­te­ja pre­sen­te na ho­ra do nas­ci­men­to do be­bê. “No en­tan­to, se a pa­ci­en­te fez o pré-na­tal cor­re­ta­men­te e man­tém jun­to de­la a car­tei­ri­nha de ges­tan­te, com to­das as in­for­ma­ções da gra­vi­dez e ris­cos que pos­sam ocor­rer, o par­to tem to­dos os re­qui­si­tos para ser bem­su­ce­di­do”, opi­na.

Em no­vem­bro de 2012, o Con­se­lho Fe­de­ral de Me­di­ci­na emi­tiu pa­re­cer no qual con­si­de­ra éti­co a co­bran­ça da ta­xa ex­tra. Em ja­nei­ro, a Agên­cia Na­ci­o­nal de Saú­de Su­ple­men­tar (ANS) di­vul­gou que para ha­ver a co­bran­ça adi­ci­o­nal, as ope­ra­do­ras de pla­no de saú­de de­ve­rão mu­dar os con­tra­tos com os obs­te­tras, dei­xan­do cla­ro aos usuá­ri­os o ser­vi­ço para qual o pro­fis­si­o­nal está con­tra­ta­do. Pri­mei­ra­men­te, a pes­soa de­ve de­fi­nir qual é o ob­je­ti­vo des­se di­nhei­ro, ou se­ja, se vai gas­tá­lo no cur­to, mé­dio ou lon­go pra­zo. Após de­fi­nir es­se per­fil, é sem­pre bom com­pa­rar pro­du­tos fi­nan­cei­ros e ta­xas. Se o in­ves­ti­men­to for para lon­go pra­zo é re­co­men­dá­vel com­prar tí­tu­los pú­bli­cos, atre­la­dos à in­fla­ção, que são as No­tas do Te­sou­ro Na­ci­o­nal - Ti­po (NTNB). Acon­se­lho a quem op­tar por es­se in­ves­ti­men­to a sa­car, no mí­ni­mo, de­pois de três anos, pois, an­tes des­se pe­río­do, o ren­di­men­to deixa de ser atra­ti­vo e exis­tem ou­tras op­ções.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.