Ho­mem se in­to­xi­ca ao apli­car pro­du­to quí­mi­co

O Diario do Norte do Parana - - GERAL - Le­o­nar­do Fi­lho

le­o­nar­do­fi­lho@odi­a­rio.com Um aci­den­te do­més­ti­co mo­bi­li­zou pe­lo me­nos três vi­a­tu­ras do Cor­po de Bom­bei­ros e uma uni­da­de de su­por­te avan­ça­do do Ser­vi­ço de Aten­di­men­to Mó­vel de Ur­gên­cia (Sa­mu) de Ma­rin­gá, por vol­ta das 18h40 de on­tem em Pai­çan­du (a 14 quilô­me­tros de Ma­rin­gá).

A ví­ti­ma, um ho­mem de 50 anos, que não te­ve o no­me re­ve­la­do, es­ta­va na pró­pria ca­sa, na Rua João To­don, no Jar­dim Be­la Vis­ta I, quan­do re­sol­veu im­per­me­a­bi­li­zar uma fos­sa.

En­quan­to fa­zia a apli­ca­ção do pro­du­to quí­mi­co,o mo­ra­dor se in­to­xi­cou com o ma­te­ri­al e des­mai­ou. No lo­cal, a re­por­ta­gem cons­ta­tou um chei­ro ain­da mui­to for­te do pro­du­to.

Vi­zi­nhos aci­o­na­ram os bom­bei­ros que quan­do che­ga­ram ao lo­cal en­con­tra­ram o ho­mem de­sa­cor­da­do. Ele es­ta­va dentro do bu­ra­co com apro­xi­ma­da­men­te 2,5 me­tros de pro­fun- di­da­de, ves­tin­do ape­nas uma ber­mu­da e ca­mi­se­ta. Ape­sar da fal­ta de cons­ci­ên­cia no mo­men­to em que era aten­di­do, ele não apre­sen­ta­va fe­ri­men­tos ou fra­tu­ras.

“Re­ce­be­mos a in­for­ma­ção ini­ci­al de que a ví­ti­ma caiu dentro do bu­ra­co e des­mai­ou. Em si­tu­a­ções as­sim, ge­ral­men­te, a pes­soa so­fre trau­mas ou fra­tu­ras gra­ves, o que não cons­ta­ta­mos aqui”, co­men­tou a ofi­ci­al do Cor­po de Bom­bei­ros que es­te­ve no lo­cal, te­nen­te Lui­si­a­na Gui­ma­rães Ca­val­ca.

Se­gun­do os mi­li­ta­res dos bom­bei­ros que es­ti­ve­ram no aten­di­men­to, a ví­ti­ma não uti­li­za­va qual­quer ti­po de más­ca­ra ou equi­pa­men­to de pro­te­ção para re­a­li­zar o ser­vi­ço.

“É o ti­po de si­tu­a­ção bas­tan­te pe­ri­go­sa e que não re­co­men­da­mos. A pes­soa, pri­mei­ro, pre­ci­sa ter co­nhe­ci­men­to téc­ni­co para exe­cu­tar es­se ti­po de fun­ção e, evi­den­te­men­te, uti­li­zar equi­pa­men­tos para a pro­te­ção in­di­vi­du­al. Já cons­ta­ta­mos ca­sos de óbi­tos nes­se ti­po de ocor­rên­cia. In­fe­liz­men­te isso se re­pe­te com cer­ta frequên­cia”, com­ple­tou a ofi­ci­al.

O mo­ra­dor do imó­vel já ha­via re­to­ma­do, par­ci­al­men­te, a cons­ci­ên­cia ain­da en­quan­to re­ce­bia os pri­mei­ros aten­di­men­tos, mes­mo as­sim, foi en­ca­mi­nha­do ao hos­pi­tal. “Ape­sar des­ses si­nais, ele ain­da está um pou­co con­fu­so”, dis­se a te­nen­te. Ele foi so­cor­ri­do e le­va­do até o Hos­pi­tal San­ta Ca­sa de Ma­rin­gá, fo­ra de pe­ri­go. Um mé­di­co do Sa­mu acom­pa­nhou o des­lo­ca­men­to.

O en­ca­mi­nha­men­to ao hos­pi­tal ocor­reu para ava­li­ar o grau de in­to­xi­ca­ção e ve­ri­fi­car o es­ta­do clí­ni­co da ví­ti­ma. O ob­je­ti­vo era ain­da apu­rar se o ho­mem te­ve al­gum ti­po de he­mor­ra­gia.

O trân­si­to na PR-323, que está em obras, foi ou­tro fa­tor que com­pli­cou um pou­co o aten­di­men­to dos bom­bei­ros. Para vol­tar a Ma­rin­gá, a equi­pe le­vou em tor­no de 25 mi­nu­tos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.