O 36 da ABL

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

ca­mi­nhar a car­ta que for­ma­li­zou sua ins­cri­ção, FHC jus­ti­fi­cou a de­ci­são: “Mi­nha re­ti­cên­cia sem­pre foi a de que não sou ho­mem de le­tras e não que­ria cri­ar cons­tran­gi­men­tos por ter si­do pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. Mas ago­ra, pas­sa­dos tan­tos anos da pre­si­dên­cia e man­ti­da, se não mes­mo que am­pli­a­da, a con­vic­ção de vá­ri­os mem­bros da ABL de que eu de­ve­ria jun­tar-me a eles, aca­bei­por­con­cor­dar.”

A es­co­lha da ABL le­va em con­si­de­ra­ção a pro­du­ção in­te­lec­tu­al do can­di­da­to, mas o his­tó­ri­co pro­fis­si­o­nal tam­bém exer­ce cer­ta in­fluên­cia. “Jo­a­quim Na­bu­co e Ma­cha­do de As­sis tro­ca­ram mui­tas cor­res­pon­dên­ci­as so­bre os cri­té­ri­os que de­ve­ri­am nor­te­ar as es­co­lhas. E Na­bu­co de­fen­dia que a pre­sen­ça na aca­de­mia não de­ve­ria fi­car res­tri­ta às Le­tras”, dis­se à re­por­ta­gem o ad­vo­ga­do Cel­so La­fer, que ocu­pa a ca­dei­ra de nº 14 da ABL.

“Sem­pre ti­ve­ram pre­sen­ça na Aca­de­mia não só po­e­tas e ro­man­cis­tas, mas tam­bém pen­sa­do­res do Bra­sil co­mo Na­bu­co, Eu­cli­des da Cu­nha, Ray­mun­do Fa­o­ro e Cel­so Fur­ta­do”, ci­tou o aca­dê­mi­co, que ocu­pou o car­go de mi­nis­tro das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res du­ran­te ose­gun­do­man­da­to­deFHC.

La­fer foi quem en­ca­mi­nhou a car­ta que for­ma­li­zou a can­di­da­tu­ra de FHC. A es­cri­to­ra Né­li­da Piñon des­de o iní­cio tam­bém dei­xou ex­plí­ci­to seu apoio. No pe­río­do da es­co­lha, co­men­tou a van­ta­gem de FHC so­bre seus con­cor­ren­tes. Dis­se que em de­ter­mi­nan­do mo­men­to da vi­da, “após tan­tas lu­tas, é jus­to re­ce­ber a re­a­li­da­de já acol­cho­a­da.”

Fer­nan­do Hen­ri­que Car­do­so pre­si­diu o país por dois man­da­tos, de1995a1998,ede1999a2002.

Dou­tor em so­ci­o­lo­gia, o ex-pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca é au­tor ou co- au­tor de 23 li­vros e mais de cem ar­ti­gos aca­dê­mi­cos, nos quais tran­si­ta pe­los cam­pos da so­ci­o­lo­gia, ci­ên­ci­as po­lí­ti­cas, eco­no­mia e re­la­ções in­ter­na­ci­o­nais. “De­pen­dên­cia e De­sen­vol­vi­men­to na Amé­ri­ca La­ti­na”, es­cri­to com En­zo Fa­let­to, foi sua pri­mei­ra obra de gran­de re­per­cus­são. Nos anos 1970, FHC re­tor­nou ao Bra­sil e seus li­vros fo­ram in­flu­en­ci­a­dos pe­lo ce­ná­rio po­lí­ti­co­doPaís.

Em seu dis­cur­so de pos­se na ABL, o ex-pre­si­den­te de­ve men­ci­o­nar o fun­da­dor da ca­dei­ra nº 36, Afonso Cel­so, au­tor de “Por que me Ufa­no de meu País”, de 1900, uma exal­ta­ção ao amor in­con­di­ci­o­nal à pá­tria, que po­pu­la­ri­zou a pa­la­vra “ufa­nis­mo”. O lu­gar foi ocu­pa­do, em or­dem cro­no­ló­gi­ca, pe­lo mé­di­co Cle­men­ti­no Fraga, o bi­oquí­mi­co Pau­lo Car­nei­ro, o di­plo­ma­ta Jo­sé Gui­lher­me Mer­qui­or e o jor­na­lis­ta João de Sca­tim­bur­go. FHC é o sex­to aca­dê­mi­co.

Ricardo Lo­pes

O ex-pre­si­den­te Fer­nan­do Hen­ri­que Car­do­so, de­pois de anos de re­cu­sa a con­cor­rer: “Aca­bei por con­cor­dar”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.