Pre­fei­to de Qu­e­rên­cia vi­ve mo­men­tos de ter­ror

CRI­MES Em poucos dias, Qu­e­rên­cia do Nor­te, a qua­se 200 km de Ma­rin­gá, pas­sou por on­da de vi­o­lên­cia: de as­sal­to a ban­co e ti­ro­teio, a pre­fei­to fei­to re­fém e rou­bo de di­nhei­ro de festa

O Diario do Norte do Parana - - ZOOM - Luiz de Car­va­lho

car­va­lho@odi­a­rio.com Uma se­ma­na de­pois de ser aba­la­da por um as­sal­to à agên­cia do Ban­co do Bra­sil, com cli­en­tes fei­tos re­féns e ti­ro­teio em ple­na área cen­tral, a ci­da­de de Qu­e­rên­cia do Nor­te (a 198 quilô­me­tros de Ma­rin­gá) vi­veu no­vo dra­ma nes­ta ter­ça-fei­ra, quan­do qu­a­tro ho­mens en­ca­pu­za­dos e ar­ma­dos de pis­to­las e car­tu­chei­ra in­va­di­ram a ca­sa do pre­fei­to, usa­ram ele, a mu­lher e um fi­lho co­mo re­féns e aca­ba­ram le­van­do cer­ca de R$ 75 mil ar­re­ca­da­dos du­ran­te a 32ª Festa do Ar­roz, even­to anu­al mais im­por­tan­te da ci­da­de. Um se­cre­tá­rio e uma cri­an­ça de 10 anos tam­bém fo­ram fei­tos re­féns.

Para a po­pu­la­ção, o acon­te­ci­do “é mais uma pro­va de que o sos­se­go aca­bou na ci­da­de e nin­guém faz na­da para mu­dar es­ta si­tu­a­ção”, co­mo dis­se o pi­o­nei­ro Va­lé­rio Pe­raz­za, mo­ra­dor há 52 anos. Se­gun­do ele, a agên­cia do Ban­co do Bra­sil já so­freu qu­a­tro as­sal­tos, to­dos du­ran­te o ex­pe­di­en­te, com re­féns e ti­ros em ple­na rua. O ban­co está fe­cha­do des­de o úl­ti­mo as­sal­to e só faz tran­sa­ções fi­nan­cei­ras por meio de cai­xas ele­trô­ni­cos. “De um ano para cá, pa­re­ce que a si­tu­a­ção fi­cou sem con­tro­le, di­re­to ou­vi­mos fa­lar de as­sal­tos a ca­sas, lan­chas são rou­ba­das na ma­ri­na e ago­ra até o pre­fei­to vi­ve um dra­ma des­tes”.

A opi­nião de Pe­raz­za é com­par­ti­lha­da pe­lo res­tan­te da po­pu­la­ção. On­tem, em vá­ri­os pon­tos da ci­da­de via-se gru­pos dis­cu­tin­do sem­pre o mes­mo. “Es­ta­mos cho­ca­dos, um fa­to co­mo es­te po­de acon­te­cer com qual­quer um”, dis­se uma mu­lher, que pe­diu ano­ni­ma­to. Por con­ta do ocor­ri­do, on­tem não te­ve ex­pe­di­en­te na pre­fei­tu­ra e nem na Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal.

Le­va­ram até o por­qui­nho

O pre­fei­to Car­los Ben­ve­nut­ti (PTB) dis­se que os la­drões o sur­pre­en­de­ram por vol­ta das 4h30. Eles en­tra­ram por uma por­ta dos fun­dos da ca­sa, pri­mei­ro ren­de­ram o fi­lho de Ben­ve­nut­ti, Fer­nan­do, de 20 anos, e de­pois o pre­fei­to e a pri­mei­ra da­ma, Ma­ria Le­o­nil­da, no quar­to ao la­do. “Eles es­ta­vam en­ca­pu­za­dos, usa­vam lu­vas e blu­sas de frio e se mos­tra­ram vi­o­len­tos”. Se­gun­do o pre­fei­to, os ho­mens dis­se­ram que que­ri­am o di­nhei­ro da Festa do Ar­roz e in­sis­ti­ram que ele es­ta­va guar­dan­do o di­nhei­ro. Quan­do dis­se que não es­ta­va com o di­nhei­ro, “um de­les en­ga­ti­lhou uma car­tu­chei­ra ca­li­bre 12 e apon­tou para mi­nha ca­be­ça, di­zen­do que eu ia mor­rer”. De­pois, um dos ho­mens acer­tou um gol­pe no ros­to de Ben­ve­nut­ti com uma pis­to­la.

Du­ran­te o as­sal­to, os ho­mens fur­ta­ram da ca­sa vá­ri­os ob­je­tos de pe­que­no por­te, in­clu­si­ve a ali­an­ça de ca­sa­men­to que es­ta­va no de­do da pri­mei­ra da­ma, re­ló­gi­os e um por­qui­nho de lou­ça cheio de mo­e­das. Ao se­rem in­for­ma­dos de que o di­nhei­ro es­ta­va no co­fre da pre­fei­tu­ra, os assaltantes qui­se­ram le­var o pre­fei­to e a fa­mí­lia até lá,. Co­mo a cha­ve do co­fre fi­ca com o se­cre­tá­rio de Ad­mi­nis­tra­ção, de­ci­di­ram ir, le­van­do a fa­mí­lia co­mo re­fém, à ca­sa de Márcio Es­ser, em uma pro­pri­e­da­de fo­ra da área ur­ba­na.

To­dos fo­ram na ca­mi­nho­ne­te GM S10 do pre­fei­to. Ao che­ga­rem, ba­te­ram na ja­ne­la do quar­to de Es­ser e quan­do ele abriu deu de ca­ra com o ca­no da car­tu­chei­ra. O se­cre­tá­rio che­gou a cor­rer para o in­te­ri­or da ca­sa, mas dois mar­gi­nais pu­la­ram a ja­ne­la, al­can­ça­ram e agar­ra­ram o se­cre­tá­rio e fi­ze­ram um so­bri­nho de­le, de 10 anos, de re­fém.

Se­gun­do Ben­ve­nut­ti, to­dos fo­ram le­va­dos até uma re­pre­sa pró­xi­ma à ci­da­de e fo­ram man­ti­dos sob a mi­ra de dois ho­mens, en­quan­to ou­tros dois se­gui­ram para a ci­da­de le­van­do o se­cre­tá­rio no car­ro do pre­fei­to. Do co­fre da pre­fei­tu­ra, além do di­nhei­ro da festa foi le­va­do di­nhei­ro do pró­prio mu­ni­cí­pio.

Ain­da na S10, os mar­gi­nais pas­sa­ram para apa­nhar os com­par­sas e dei­xa­ram os cin­co re­féns na re­pre­sa. “Eu saí cor­ren­do a pé para a ci­da­de para ten­tar avi­sar a po­lí­cia e no ca­mi­nho um car­re­tei­ro me deu ca­ro­na. Mas, quan­do os po­li­ci­ais ini­ci­a­ram as bus­cas não acha­ram mais na­da”, con­tou Ben­ve­nut­ti. O car­ro foi en­con­tra­do por vol­ta das 8 ho­ras em uma es­tra­da ru­ral pró­xi­ma à ci­da­de.

Sus­pei­tos são da ci­da­de

A Po­lí­cia Ci­vil de Lo­an­da as­su­miu as in­ves­ti­ga­ções e du­ran­te to­da es­ta ter­ça-fei­ra cer­ca de 20 po­li­ci­ais de vá­ri­os mu­ni­cí­pi­os da re­gião par­ti­ci­pa­ram das bus­cas. Até a noi­te nin­guém ti­nha si­do pre­so, mas a po­lí­cia tem sus­pei­tos. Se­gun­do os po­li­ci­ais, há uma qua­dri­lha atu­an­do no rou­bo de bar­cos, lan­chas, jet-skis e re­si­dên­ci­as de ve­ra­neio nos mu­ni­cí­pi­os de Qu­e­rên­cia do Nor­te, Por­to Ri­co e São Pe­dro do Ivaí, mas há tam­bém ele­men­tos fa­zen­do as­sal­tos a es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais e a pes­so­as nas ru­as. Com re­la­ção ao cri­me de on­tem, a po­lí­cia acre­di­ta que não se tra­ta dos mes­mos ele­men­tos que as­sal­ta­ram o Ban­co do Bra­sil e nem são mem­bros da qua­dri­lha que rou­ba em­bar­ca­ções. As in­ves­ti­ga­ções es­tão vol­ta­das para gen­te da pró­pria ci­da­de.

A Po­lí­cia Ci­vil acre­di­ta que os ele­men­tos sa­bi­am do quan­to foi ar­re­ca­da­do na Festa do Ar­roz e que o di­nhei­ro não ti­nha si­do de­po­si­ta­do. Co­mo o Ban­co do Bra­sil, que tem a con­ta da pre­fei­tu­ra, está fe­cha­do des­de o as­sal­to da se­ma­na pas­sa­da, de­pois que fos­se fei­to o ba­lan­ço e pa­go os for­ne­ce­do­res da festa o res­tan­te se­ria de­po­si­ta­do na agên­cia de Mon­te Cas­te­lo, a 30 quilô­me­tros de Qu­e­rên­cia.

As pró­pri­as ví­ti­mas dis­se­ram que os mar­gi­nais mos­tra­ram co­nhe­cer bem a ci­da­de, a lo­ca­li­za­ção da re­pre­sa e as ca­sas, tan­to do pre­fei­to quan­to de Es­ser. Além dis­so, ne­nhum veí­cu­lo es­ta­nho foi vis­to na ci­da­de du­ran­te a noi­te, o que in­di­ca que os mar­gi­nais es­ta­vam a pé. No lo­cal em que aban­do­na­ram a S10 do pre­fei­to não ha­via in­dí­ci­os da pre­sen­ça de ou­tro veí­cu­lo. “Um de­les en­ga­ti­lhou uma car­tu­chei­ra ca­li­bre 12 e apon­tou para mi­nha ca­be­ça, di­zen­do que eu ia mor­rer”

Fai­xas na ci­da­de ques­ti­o­nam quan­do se­rá o pró­xi­mo as­sal­to: du­as si­tu­a­ções gra­ves no in­ter­va­lo de uma se­ma­na

Ricardo Lo­pes

Pre­fei­to mos­tra o co­fre da pre­fei­tu­ra, on­de es­ta­vam os R$ 75 mil ar­re­ca­da­dos com a Festa do Ar­roz; ban­di­dos le­va­ram tu­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.