Fa­mí­lia é ba­se da agri­cul­tu­ra nor­te-ame­ri­ca­na

Em­bo­ra es­tru­tu­ra­do fi­nan­cei­ra­men­te, o pro­du­tor ru­ral dos Es­ta­dos Uni­dos, con­ta com ape­nas a aju­da dos fa­mi­li­a­res, para fa­zer de tu­do na pro­pri­e­da­de

O Diario do Norte do Parana - - AGRONEGÓCIO - Ro­gé­rio Rec­co

Em­bo­ra tra­ba­lhan­do com a agri­cul­tu­ra mais avan­ça­da do pla­ne­ta, mo­ran­do em ca­sas con­for­tá­veis no cam­po e di­ri­gin­do ca­mi­nho­ne­tes de lu­xo, o pro­du­tor de mi­lho e so­ja do Meio-Oes­te dos Es­ta­dos Uni­dos en­fren­ta um du­ro di­le­ma: não po­de con­tar com nin­guém, além da pró­pria fa­mí­lia, para aju­dá-lo no dia a dia. Sim­ples­men­te, por­que não há em­pre­ga­dos e nem mes­mo pro­fis­si­o­nais para fa­zer a ma­nu­ten­ção das má­qui­nas.

Di­fe­ren­te dos co­le­gas bra­si­lei­ros, que vi­vem nas ci­da­des, eles re­si­dem nas pro­pri­e­da­des e de lá só con­se­guem sair de vez em quan­do. Gor­don Bar­nei, do­no de mil hec­ta­res nos ar­re- do­res de Cham­paign, no Es­ta­do de Il­li­nois, é um tí­pi­co agri­cul­tor do Meio-Oes­te. Pro­duz mi­lho e so­ja, co­mo qua­se to­dos os de­mais. De acor­do com ele, só a es­po­sa e dois fi­lhos o au­xi­li­am no tra­ba­lho no cam­po. “Es­sas ter­ras es­tão com a fa­mí­lia há mais de cem anos e a si­tu­a­ção é ca­da vez mais di­fí­cil”, afir­ma.

Jeff Fis­cher, da re­gião, tem me­nos sor­te. Aos 42 anos, ele só po­de con­tar com o pai, de 65, para fa­zer o plan­tio, a pul­ve­ri­za­ção e a co­lhei­ta. Nes­te ano, on­de o cli­ma chu­vo­so atra­sou o plan­tio da sa­fra, o agri­cul­tor co­men­ta que pre­ci­sou se des­do­brar e tra­ba­lhar qua­se vin­te ho­ras, por dia, para dar con­ta do ser­vi­ço, em 600 hec­ta­res. Quan­do não está na ro­ça, ele po­de ser vis­to no bar­ra­cão fa­zen­do um re­pa­ro ou ou­tro nas má­qui­nas. “Um me­câ­ni­co cus­ta mui­to ca­ro”, jus­ti­fi­ca.

A re­a­li­da­de dos pro­du­to­res nor­te-ame­ri­ca­nos foi vis­ta de per­to, nas úl­ti­mas se­ma­nas, por um grupo de co­o­pe­ra­dos, téc- ni­cos e con­vi­da­dos da Co­ca­mar em ex­cur­são àque­le país. Os bra­si­lei­ros se sur­pre­en­de­ram ao sa­ber des­sas di­fi­cul­da­des e tam­bém com os re­cur­sos que os co­le­gas dos EUA uti­li­zam para tra­ba­lhar. A es­cas­sez de mão de obra é su­pri­da por má­qui­nas gran­des e po­de­ro­sas, equi­pa­das com sen­so­res, ca­pa­zes de in­di­car de­ta­lhes mí­ni­mos, em agri­cul­tu­ra de pre­ci­são, para ga­ran­tir efi­cá­cia e evi­tar des­per­dí­cio de tem­po e in­su­mos.

Fic­ção ci­en­tí ca

Flá­vio Ko­ba­ta, do­no de uma pro­pri­e­da­de pro­du­to­ra de grãos em Flo­res­ta (a trin­ta quilô­me­tros de Ma­rin­gá), vol­tou im­pres­si­o­na­do com o que viu em so­lo ame­ri­ca­no. “Os agri­cul­to­res dos Es­ta­dos Uni­dos são mui­to bons no que fa­zem. Nun­ca ima­gi­nei que ve­ria o que en­con­trei lá”, des­ta­ca.

Para apro­fun­dar o co­nhe­ci­men­to da mis­são bra­si­lei­ra, o ro­tei­ro da vi­a­gem in­cluiu uma vi­si­ta a uma das prin­ci­pais fei­ras de tec­no­lo­gia agrí­co­la do pla­ne­ta: a Farm Pro­gress Show, re­a­li­za­da no fim de agos­to em Du­ca­tur, Il­li­nois. Du­ran­te a pas­sa­gem pe­los es­tan­des, o sem­blan­te dos pa­ra­na­en­ses de­mons­tra­va o quan­to eles es­ta­vam ad­mi­ra­dos.

O co­men­tá­rio ge­ral foi o de que a agri­cul­tu­ra ga­nha ares de fic­ção ci­en­tí­fi­ca. “É tan­ta so­fis­ti­ca­ção e má­qui­nas tão mo­der- nas que fi­ca di­fí­cil pen­sar que um dia elas es­ta­rão dis­po­ní­veis no Bra­sil”, de­cla­ra Na­za­re­no Ma­rós­ti­ca, do­no de uma pro­pri­e­da­de ru­ral em Dou­tor Ca­mar­go (a 37 quilô­me­tros de Ma­rin­gá). “É co­mo olhar para o fu­tu­ro e ima­gi­nar o que te­re­mos aqui”, emen­da Ju­li­a­no Va­ras­chi­ni, de Iva­tu­ba (a 46 quilô­me­tros de Ma­rin­gá).

Convidado a in­te­grar o grupo, o pre­si­den­te do Ins­ti­tu­to Agronô­mi­co do Pa­ra­ná (Ia­par), Flo­rin­do Dal­ber­to, res­sal­ta que “in­fe­liz­men­te a tec­no­lo­gia nor­te-ame­ri­ca­na, que po­de­ria tra­zer mais com­pe­ti­ti­vi­da­de para a agri­cul­tu­ra bra­si­lei­ra, de­mo­ra a che­gar aqui, por cau­sa do al­to cus­to”. Só com o pas­sar do tem­po, acres­cen­ta, o in­ves­ti­men­to se tor­na mais aces­sí­vel.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.