Pas­sos da

Grupo Fo­gan­ça, da UEM, apre­sen­ta até o fi­nal do mês dan­ças fol­cló­ri­cas na­ci­o­nais; es­pe­tá­cu­lo de hoje, “Mo­çam­bi­que”, mos­tra co­re­o­gra­fi­as afro-bra­si­lei­ras

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Ana Lui­za Ver­zo­la

ana­ver­zo­la@odi­a­rio.com O mês de setembro é to­do do Fo­gan­ça: fo­ram 57 co­re­o­gra­fi­as di­vi­di­das em qu­a­tro es­pe­tá­cu­los, e a ca­da qu­ar­ta-fei­ra um é apre­sen­ta­do dentro do pro­je­to Con­vi­te à Dan­ça. “Nos­so ob­je­ti­vo é ex­plo­rar, co­nhe­cer, re­pro­du­zir e di­fun­dir ma­ni­fes­ta­ções de can­tos e dan­ças fol­cló­ri­cas”, des­ta­ca Su­e­li Al­ves de Sou­za La­ra, co­or­de­na­do­ra do grupo Fo­gan­ça, da UEM, que se apre­sen­ta hoje às 20h30 com o es­pe­tá­cu­lo “Mo­çam­bi­que” no te­a­tro Re­vi­ver. A entrada é gra­tui­ta.

A apre­sen­ta­ção de hoje reú­ne co­re­o­gra­fi­as re­gi­o­nais afro-bra­si­lei­ras, co­mo mo­çam­bi­que, tam­bo­riú, tam­bor de cri­ou­la, sam­ba de ro­da, dan­ça do fa­cão, festa de Ie­man­já, en­tre ou­tras. “O úni­co po­vo que as­su­miu a pró­pria cul­tu­ra fo­ram os ne­gros, isso por­que eles não vi­e­ram para cá por li­vre e es­pon­tâ­nea von­ta­de”, diz.

Há 26 anos na es­tra­da, o Fo­gan­ça é fo­ca­do na pes­qui­sa aca­dê­mi­ca de ma­ni­fes­ta­ções cul­tu­rais. “É mui­to di­fí­cil co­nhe­cer as dan­ças que nos per­ten­cem e por ser um grupo de pes­qui­sa, te­mos es­sa ca­rac­te­rís­ti­ca. A UEM é a úni­ca uni­ver­si­da­de no Pa­ra­ná que tem es­sa pre­o­cu­pa­ção com a bra­si­li­da­de, de ve­ri­fi­car nos­sas ma­ni­fes­ta­ções”, ob­ser­va. É es­se o pa­pel do Fo­gan­ça, que é for­ma­do por 33 in­te­gran­tes - fun­ci­o­ná­ri­os da ins­ti­tui­ção, uni­ver­si­tá­ri­os e pes­so­as da co­mu­ni­da­de.

Al­guns ques­ti­o­na­men­tos mo­vem Su­e­li na co­or­de­na­ção do grupo: com que ti­po de cul­tu­ra vai re­pre­sen­tar o seu país? Qual mú­si­ca? Qual dan­ça? Qual co­mi­da? “In­co­mo­da mui­to as pes­so­as não va­lo­ri­za­rem o que nós te­mos, o cli­ma ma­ra­vi­lho­so, a mis­tu­ra de ra­ças, a li­ber­da­de re­li­gi­o­sa”, diz. Ela res­sal­ta que são apren­di­za­dos que mui­tas ve­zes nem cul­tu­ra fa­mi­li­ar e mui­to me­nos a cul­tu­ra aca­dê­mi­ca ex­plo­ram e apre­sen­tam. “Isso não foi nos en­si­na­do e é um pou­co do que o grupo Fo­gan­ça vem su­prir”, diz.

Ques­ti­o­na­da so­bre a cul­tu­ra pa­ra­na­en­se, Su­e­li con­vi­da a to­dos que pres­ti­gi­em o es­pe­tá­cu­lo de hoje, pois três ti­pos de dan­ças que se­rão apre­sen­ta­das fa­zem par­te da cul­tu­ra do Es­ta­do. “Nos­sa re­gião é mui­to jo­vem, ain­da não tem co­mo iden­ti­fi­car raí­zes. Nós es­ta­mos fa­zen­do o que vai nos iden­ti­fi­car da­qui a al­guns anos”, diz.

Com apre­sen­ta­ções na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais no cur­rí­cu­lo, a co­or­de­na­do­ra do Fo­gan­ça fa­la com um pou­co de pro­pri- eda­de so­bre a cul­tu­ra na­ci­o­nal. “Ad­mi­ro e ve­ne­ro meu país. Nin­guém aqui nos mos­trou co­mo nós so­mos”, ob­ser­va.

A pró­xi­ma pa­ra­da do Fo­gan­ça é em uma apre­sen­ta­ção fo­ra do Bra­sil e, em no­vem­bro, no Ce­a­rá. A mis­são con­ti­nua a mes­ma de qua­se três dé­ca­das: le­var o fol­clo­re para even­tos que pri­mam por es­sa bra­si­li­da­de, des­ven­dan­do e apre­sen­tan­do um pou­co do rit­mo das raí­zes na­ci­o­nais.

Os in­gres­sos para o es­pe­tá­cu­lo se­rão dis­tri­buí­dos no pró­prio te­a­tro com 30 mi­nu­tos de an­te­ce­dên­cia.

Arquivo

O Fo­gan­ça: grupo tem 26 anos de vi­da e é for­ma­do por fun­ci­o­ná­ri­os da UEM, es­tu­dan­tes e co­mu­ni­da­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.