O Ca­ra

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

sou eu”. Am­bas são can­ções de amor, mas ope­ram em frequên­ci­as to­tal­men­te dis­tin­tas. Em ou­tras pa­la­vras, se uma me fez lem­brar da ou­tra, foi mais pe­la di­fe­ren­ça de en­fo­que do que pe­la se­me­lhan­ça. Ro­ber­to Car­los, sa­bem os lei­to­res, can­ta a sa­ga de um ca­ra per­ma­nen­te­men­te amo­ro­so e pro­te­tor, co­mo exem­pli­fi­cam es­tes ver­sos: “Eu sou o ca­ra cer­to pra vo­cê/que te faz fe­liz e que te ado­ra/que en­xu­ga seu pranto quan­do vo­cê cho­ra/Es­se ca­ra sou eu”. Tra­ta-se do ca­ra que re­mo­ve os obs­tá­cu­los e en­fren­ta os pe­ri­gos, que está para o que der e vi­er, o “he­rói es­pe­ra­do por to­da mu­lher”. Os ver­sos de Dy­lan di­zem, de for­ma crua e tal­vez cho­can­te, exa­ta­men­te o opos­to. Ini­ci­al­men­te, man­da a ga­ro­ta de­sa­pa­re­cer o mais rá­pi­do que pu­der, pois ele não era o ca­ra de que ela pre­ci­sa­va, não era o ca­ra que ela pro­cu­ra­va. Mo­ti­vo? A mo­ça pro­cu­ra­va al­guém que fos­se for­te por ela, que a pro­te­ges­se e a se­gu­ras­se ca­da vez que ela caís­se, que abris­se to­das as por­tas, que nun­ca se se­pa­ras­se, vi­ves­se e mor­res­se por ela, que lhe man­das­se flo­res to­dos os dias, que vi­es­se a ca­da vez que ela cha­mas­se. Se a mo­ça pas­sou a vi­da so­nhan­do com um ca­ra as­sim, ele en­fa­ti­za: “Não sou eu, baby, eu não sou o ca­ra pe­lo qual vo­cê está pro­cu­ran­do”. Bem vis­tas as coi­sas, nem se po­de di­zer que es­se se­ja o ou­tro la­do de Dy­lan tra­tar te­mas de amor. No se­gun­do dis­co de seu ca­tá­lo­go, cha­ma­do “Fre­ewhe­e­ling”, Dy­lan ha­via gra­va­do uma can­ção de amor des­fei­to com a mes­ma sin­to­nia, “Don’t think twi­ce, it´s al­right”. Os ver­sos di­zem: “eu amei uma mu­lher/eu lhe dei o meu co­ra­ção, mas ela que­ria mi­nha al­ma/Es­tou an­dan­do nes­se ca­mi­nho lon­go e solitário, baby/Aon­de vou, não sei di­zer”. E acres­cen­ta: “não adi­an­ta acen­der sua luz, baby/a luz que eu nun­ca co­nhe­ci/es­tou do la­do es­cu­ro da es­tra­da”. De cer­ta for­ma, a ou­tra can­ção é uma va­ri­a­ção do te­ma aqui apre­sen­ta­do. Ro­ber­to Car­los te­ve seus tem­pos de “lo­bo mau”, mas es­co­lheu se­guir a tri­lha do ro­man­tis­mo sem pudor, para ale­gria de ge­ra­ções de in­con­tá­veis fãs. A can­ção “Es­se ca­ra sou eu” tem, evi­den­te­men­te, mui­tos pre­ce­den­tes em sua obra. Para não ir mais lon­ge, tra­ta-se de uma es­pé­cie de atu­a­li­za­ção de “Aman­te à mo­da an­ti­ga”. Se for­mos pro­cu­rar na cau­da­lo­sa obra de Dy­lan, va­mos en­con­trar ver­sos de amor der­ra­ma­do, mas sua prin­ci­pal mar­ca está na des­cri­ção poé­ti­ca des­ses de­sen­con­tros. Para citar a es­can­da­lo­sa­men­te be­la can­ção “One mo­re cup of cof­fe”, do dis­co “De­si­re”, pa­re­ce que está sem­pre pe­din­do mais um ca­fé para po­der par­tir e cair na es­tra­da, co­mo uma pe­dra que ro­la.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.