Sim­pli­ci­da­de e Trans­pa­rên­cia

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

Co­mo fa­zer ne­gó­ci­os em um País on­de a car­ga tri­bu­tá­ria che­ga a 36% do PIB (só atrás da Rús­sia, en­tre os emer­gen­tes); os tri­bu­tos são tão com­ple­xos que re­que­rem es­pe­ci­a­lis­tas para li­dar com eles; o pa­ga­men­to dos tri­bu­tos exi­ge que uma empresa gas­te em mé­dia 2.600 ho­ras por ano (dez ve­zes mais do que a mé­dia mundial); as re­gras mu­dam a to­do o mo­men­to (são, em mé­dia, 40 no­vas nor­mas por dia) e a bu­ro­cra­cia para abrir e fe­char em­pre­sas é qua­se kaf­ki­a­na? Di­fí­cil. Es­se País é o Bra­sil.

O cus­to para efe­tu­ar os pa­ga­men­tos dos tri­bu­tos tem, evi­den­te­men­te, im­pac­to so­bre o mon­tan­te dos pró­pri­os tri­bu­tos, já ele­va­do. En­tre 1988 e 2005, a car­ga tri­bu­tá­ria au­men­tou em qua­se 90% além da ex­pan­são do PIB.

A com­ple­xi­da­de do sis­te­ma tri­bu­tá­rio one­ra em­pre­sas e pes­so­as fí­si­cas. Es­tran­gei­ros que in­ves­tem no Bra­sil com­pa­ram: en­quan­to em seus paí­ses as em­pre­sas ne­ces­si­tam de pou­cas ho­ras para pa­gar im­pos­tos, aqui pre­ci­sam cri­ar de­par­ta­men­tos com de­ze­nas de fun­ci­o­ná­ri­os. Des­de a pro­mul­ga­ção da Cons­ti­tui­ção de 1988, já fo­ram es­ta­be­le­ci­das mais de 270 mil nor­mas re­la­ci­o­na­das a ques­tões tri­bu­tá­ri­as. Co­mo dis­se­mos, são 40 por dia.

O Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Éti­ca Con­cor­ren­ci­al (ETCO) se de­bru­çou so­bre o as­sun­to e, em co­la­bo­ra­ção com a As­so­ci­a­ção Co­mer­ci­al de São Pau­lo, a Fe­co­mér­cio-SP e o Ses­con-SP, ela­bo­rou pro­pos­ta para o Pro­gra­ma de Sim­pli­fi­ca­ção e Ra­ci­o­na­li­za­ção do Sis­te­ma Tri­bu­tá­rio. Em maio, na pos­se da no­va di­re­to­ria da As­so­ci­a­ção Co­mer­ci­al, fez che­gar às mãos da Pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff as su­ges­tões de mu­dan­ça.

Ba­se­a­das em es­tu­dos de es­pe­ci­a­lis­tas, as su­ges­tões es­tão ali­nha­das com o pen­sa­men­to da pre­si­den­te. Em seu dis­cur­so de pos­se, Dil­ma afir­mou ser “ina­diá­vel a im­ple­men­ta­ção de um con­jun­to de me­di­das que mo­der­ni­ze o sis­te­ma tri­bu­tá­rio, ori­en­ta­do pe­lo prin­cí­pio da sim­pli­fi­ca­ção e da ra­ci­o­na­li­da­de”.

Vi­san­do a evi­tar um am­bi­en­te de in­se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca, sim­pli­fi­car pro­ces­sos, al­te­rar dis­po­si­ti­vos do Có­di­go Tri­bu­tá­rio Na­ci­o­nal e ade­quar a le­gis­la­ção às demandas atu­ais do Bra­sil, as su­ges­tões en­tre­gues à pre­si­den­te in­clu­em pro­pos­ta de emen­da cons­ti­tu­ci­o­nal (PEC), an­te­pro­je­to de lei com­ple­men­tar (PLC) e an­te­pro­je­to de lei or­di­ná­ria (PL).

En­tre ou­tras me­di­das, elas proí­bem a edi­ção de me­di­da pro­vi­só­ria so­bre ma­té­ria tri­bu­tá­ria; ve­dam a co­bran­ça de tri­bu­tos an­tes de de­cor­ri­dos 180 dias da da­ta em que a lei for pu­bli­ca­da; li­mi­tam o va­lor de multas tri­bu­tá­ri­as e obri­gam a Fa­zen­da a di­vul­gar cri­té­ri­os para a de­cla­ra­ção de ren­da até 31 de de­zem­bro.

As re­for­mu­la­ções aju­da­rão na for­ma­li­za­ção de pe­que­nas em­pre­sas. Re­cen­te pes­qui­sa do SPC Bra­sil e da Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal de Di­ri­gen­tes Lo­jis­tas mos­trou que qua­se me­ta­de (49%) des­ses em­pre­sá­ri­os não sa­be o que fa­zer para re­gu­la­ri­zar o pró­prio ne­gó­cio.

O es­ta­be­le­ci­men­to do Mi­cro­em­pre­en­de­dor In­di­vi­du­al em 2008, foi um gran­de pas­so na for­ma­li­za­ção. Es­sas me­di­das po­dem aju­dar a re­du­zir a so­ne­ga­ção, que che­ga a 30%. A com­ple­xi­da­de do sis­te­ma tem si­do usa­da por so­ne­ga­do­res co­mo jus­ti­fi­ca­ti­va para não pa­gar im­pos­tos. Ela be­ne­fi­cia, as­sim, os trans­gres­so­res, de­te­ri­o­ra o am­bi­en­te de ne­gó­ci­os, afas­ta in­ves­ti­men­tos e re­duz o po­ten­ci­al de cres­ci­men­to do País.

É ver­da­de que, nos úl­ti­mos anos, o Bra­sil se tor­nou mui­to mais efi­ci­en­te na ges­tão tri­bu­tá­ria. Vá­ri­as ini­ci­a­ti­vas apoi­a­das con­cre­ta­men­te pe­lo ETCO pro­du­zi­ram im­por­tan­tes re­sul­ta­dos. Uma de­las é a No­ta Fis­cal Ele­trô­ni­ca (NFe), im­ple­men­ta­da em 2008, que re­duz a bu­ro­cra­cia nas tran­sa­ções co­mer­ci­ais.

Em seu mais re­cen­te es­tu­do so­bre Amé­ri­ca La­ti­na e Ca­ri­be, o Ban­co In­te­ra­me­ri­ca­no de De­sen­vol­vi­men­to (BID) afir­ma que a cha­ve de qual­quer bom tri­bu­to é ser sim­ples. O es­tu­do, in­ti­tu­la­do “Não bas­ta ar­re­ca­dar: a tri­bu­ta­ção co­mo ins­tru­men­to de de­sen­vol­vi­men­to”, diz que a re­gião pre­ci­sa de uma no­va ge­ra­ção de re­for­mas fis­cais e tri­bu­tá­ri­as para re­du­zir a de­si­gual­da­de de ren­da, con­ter a eva­são, es­ti­mu­lar a pro­du­ti­vi­da­de, for­ta­le­cer os go­ver­nos lo­cais e pre­ser­var os re­cur­sos na­tu­rais.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.