Po­li­ci­ais pa­gam do bol­so por lim­pe­za de de­le­ga­cia

Pro­ble­ma du­ra há qu­a­tro me­ses: con­tra­to do go­ver­no com empresa que fa­zia a lim­pe­za de pré­di­os pú­bli­cos li­ga­dos à área de se­gu­ran­ça ter­mi­nou e não foi re­no­va­do Sem pra­zo

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Le­o­nar­do Fi­lho

le­o­nar­do­fi­lho@odi­a­rio.com Ser­vi­do­res es­ta­du­ais que tra­ba­lham em pré­di­os pú­bli­cos de Ma­rin­gá e re­gião li­ga­dos à Se­cre­ta­ria de Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca (Sesp) são obri­ga­dos a pa­gar do bol­so pe­la lim­pe­za dos imó­veis. O pro­ble­ma sur­giu em maio , quan­do o con­tra­to com a empresa que pres­ta­va o ser­vi­ço ven­ceu e não foi re­no­va­do.

Os pon­tos mais crí­ti­cos en­con­tra­dos pe­la re­por­ta­gem são o Ins­ti­tu­to Mé­di­co Le­gal, 9ª Sub­di­vi­são Po­li­ci­al de Ma­rin­gá , De­le­ga­cia de Ho­mi­cí­di­os, 1º e 2º dis­tri­tos po­li­ci­ais e Ins­ti­tu­to de Iden­ti­fi­ca­ção. No Se­tor de Car­ce­ra­gem Tem­po­rá­ria da 9ª SDP – lo­cal hoje vin­cu­la­do à Se­cre­ta­ria de Jus­ti­ça Ci­da­da­nia e Di­rei­tos Hu­ma­nos – a si­tu­a­ção só não é mais gra­ve por­que os agen­tes que cui­dam dos pre­sos tam­bém fa­zem a lim­pe­za.

Com re­ceio de retaliações ou al­gum ti­po de ad­ver­tên­cia, os ser­vi­do­res confirmam o pro­ble­ma, mas pre­fe­rem man­ter ano­ni­ma­to. O pro­ble­ma é mai­or nos ba­nhei­ros, que acu­mu­lam gran­des quan­ti­da­des de li­xo. “O pes­so­al se reú­ne e pa­ga uma di­a­ris­ta para lim­par ba­nhei­ro e cor­re­dor uma vez por se­ma­na. Os fun­ci­o­ná­ri­os se re­ve­zam para le­var o li­xo para fo­ra”, co­men­tou um in­ves­ti­ga­dor.

“Em al­guns ca­sos, o delegado pa­ga tu­do, mas em ou­tras si­tu­a­ções nós di­vi­di­mos. A ze­la­do­ra vem sem­pre uma vez por se­ma­na. Se não for as­sim, a si­tu­a­ção fi­ca ain­da mais gra­ve”, co­men­tou um es­cri­vão. No IML, fun­ci­o­ná­ri­os tam­bém pa­ga­vam do pró­prio bol­so pe­la lim­pe­za, mas de­sis­ti­ra. O pré­dio acu­mu­la su­jei­ra em vá­ri­os am­bi­en­tes.

Em ju­nho des­te ano, O Diá­rio já ha­via mos­tra­do o pro­ble- “A ze­la­do­ra vem sem­pre uma vez por se­ma­na. Se não for as­sim, a si­tu­a­ção fi­ca ain­da mais gra­ve” ma e a pro­mes­sa da Sesp era de uma so­lu­ção dentro de pou­co tem­po. Até ago­ra não hou­ve a re­no­va­ção ou no­vo con­tra­to com em­pre­sas de lim­pe­za. “A si­tu­a­ção é ruim, por­que a gen­te sem­pre re­ce­be o público e a im­pres­são de vir a uma de­le­ga­cia já não é boa. Com a su­jei­ra, fi­ca ain­da mais de­sa­gra­dá­vel”, de­sa­ba­fou um ou­tro po­li­ci­al. A as­ses­so­ria de co­mu­ni­ca­ção da Sesp foi ques­ti­o­na­da três ve­zes on­tem à tar­de por te­le­fo­ne. para in­for­mar so­bre o an­da­men­to da re­no­va­ção dos con­tra­tos. Os as­ses­so­res se com­pro­me­te­ram em en­vi­ar uma no­ta de es­cla­re­ci­men­to so­bre o ca­so, mas não hou­ve re­tor­no até o fe­cha­men­to des­ta edi­ção.

Ra­fa­el Sil­va

Ba­nhei­ro da de­le­ga­cia acu­mu­la li­xo: po­li­ci­ais têm que di­vi­dir des­pe­sas para pa­gar di­a­ris­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.