Fal­ta de li­cen­ça am­bi­en­tal in­vi­a­bi­li­za lo­te­a­men­to

Trin­ta fa­mí­li­as vi­vem o dra­ma de ter com­pra­do lo­tes e cons­truí­do ca­sas em em­pre­en­di­men­to, que não tem re­de de ener­gia elé­tri­ca, por­que não aten­de às exi­gên­ci­as le­gais

O Diario do Norte do Parana - - REGIÃO - Luiz de Car­va­lho

car­va­lho@odi­a­rio.com Trin­ta fa­mí­li­as que com­pra­ram chá­ca­ras em um lo­te­a­men­to em Ma­ri­al­va (a vin­te quilô­me­tros de Ma­rin­gá), há dois anos, con­ti­nu­am sem po­der uti­li­zar as pro­pri­e­da­des, por­que o lo­te­a­men­to foi con­si­de­ra­do ir­re­gu­lar e não po­de re­ce­ber be­ne­fí­ci­os co­mo ener­gia elé­tri­ca, co­le­ta de li­xo e trans­por­te es­co­lar. O ca­so está na Jus­ti­ça e o lo­te­a­dor po­de ser con­de­na­do a in­de­ni­zar os com­pra­do­res.

A si­tu­a­ção do lo­te­a­men­to cri­a­do no an­ti­go Sí­tio Se­vi­lha, a cer­ca de dez quilô­me­tros da área ur­ba­na, às mar­gens da Ro­do­via Tan­cre­do Ne­ves, es­tra­da que li­ga Ma­ri­al­va ao dis­tri­to de Aqui­da­ban, é se­me­lhan­te à de ou­tros 12 em­pre­en­di­men­tos imo­bi­liá­ri­os re­a­li­za­dos na ci­da­de e de vá­ri­os im­plan­ta­dos em ou­tros mu­ni­cí­pi­os da re­gião. São lo­te­a­men­tos cri­a­dos sem anuên­cia da pre­fei­tu­ra e dos ór­gãos am­bi­en­tais. “O pro­pri­e­tá­rio de uma área ru­ral, sim­ples­men­te, ven­de re­ta­lhos da pro­pri­e­da­de, sem aten­der qual­quer exi­gên­cia le­gal para a cri­a­ção de lo­te­a­men­tos”, des­ta­ca o che­fe do Ins­ti­tu­to Am­bi­en­tal do Pa­ra­ná (IAP), em Ma­rin­gá, Pau­li- no Me­xia.

De acor­do com o re­pre­sen­tan­te do IAP, co­mo se tra­ta de pro­je­to ir­re­gu­lar, o Ins­ti­tu­to não tem co­mo con­ce­der as li­cen­ças am­bi­en­tais e as­sim ne­nhum ou­tro ser­vi­ço po­de ser im­plan­ta­do no lo­cal. “Sem a li­cen­ça, a Co­pel fi­ca im­pe­di­da de le­var ener­gia elé­tri­ca, a pre­fei­tu­ra não po­de en­vi­ar ôni­bus es­co­lar ou fa­zer a co­le­ta de li­xo”, res­sal­ta.

Me­xia lem­bra que o pró­prio IAP de­nun­ci­ou ao Mi­nis­té­rio Público os 12 lo­te­a­men­tos ir­re­gu­la­res de Ma­ri­al­va.

Per­di­do

O lo­te­a­men­to no an­ti­go Sí­tio Se­vi­lha foi cri­a­do há dois anos e pes­so­as de Ma­ri­al­va, Ma­rin­gá, Sarandi e Man­da­gua­ri com­pra­ram lo­tes. A mai­o­ria, na es­pe­ran­ça de apro­vei­tar a área para cul­ti­var uva ou hor­ta­li­ças ou para a im­plan­ta­ção de gran­ja de fran­gos. Foi o ca­so do ca­sal Di­a­na e Ro­gé­rio Ros­se­ti, que com­prou uma área de 4 mil me­tros qua­dra­dos e plan­tou cer­ca de 700 pés de uva. Ou­tros vi­zi­nhos fi­ze­ram o mes­mo e o grupo se jun­tou para per­fu­rar um po­ço ar­te­si­a­no. A mai­o­ria cons­truiu ca­sas, in­clu­si­ve, fi­nan­ci­a­das pe­lo pro­gra­ma Mi­nha Ca­sa, Mi­nha Vi­da, do go­ver­no fe­de­ral.

“Es­tou com a ca­sa pron­ta, po­ço ar­te­si­a­no no quin­tal, mas não pos­so me mu­dar para a ca­sa e meus pés de uva es­tão mor­ren­do por fal­ta de água”, co­men­tou Ro­gé­rio. Em­bo­ra exis­ta uma car­rei­ra de pos­tes na fren­te da ca­sa, ele não po­de pu­xar ener­gia, por­que a Co­pel exi­ge li­cen­ça do IAP e sem ele­tri­ci­da­de não tem co­mo aci­o­nar a bom­ba do po­ço ar­te­si­a­no.

O vi­zi­nho Di­mas Vas­so­ler se re­vol­ta com a fal­ta de ação das au­to­ri­da­des, que per­mi­ti­ram a ven­da do lo­te­a­men­to ir­re­gu­lar. “Nós não te­mos co­mo sa­ber se está ir­re­gu­lar se a pró­pria pre­fei­tu­ra es­cri­tu­rou os ter­re­nos”, cri­ti­ca. “So­mos po­bres e só qu­e­ría­mos um pe­da­ço de ter­ra para tra- ba­lhar. Ago­ra per­de­mos o di­nhei­ro da com­pra do ter­re­no, in­ves­ti­mos per­fu­ran­do po­ço ar­te­si­a­no e com­pran­do pos­tes para a re­de elé­tri­ca, mas não po­de­mos nem se­quer vi­ver em um lu­gar on­de não há água”, fri­sa.

O lo­te­a­dor, Pau­lo Said, foi pro­cu­ra­do pe­la re­por­ta­gem de O Diá­rio, mas o te­le­fo­ne de­le está pro­gra­ma­do para não re­ce­ber cha­ma­das.

Ricardo Lo­pes

Di­mas Vas­so­ler cri­ti­ca a fal­ta de ação das au­to­ri­da­des, que per­mi­ti­ram a ven­da do em­pre­en­di­men­to ir­re­gu­lar

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.