STF en­cer­ra ses­são sem de­fi­ni­ção so­bre re­cur­sos

Qu­a­tro mi­nis­tros vo­ta­ram a fa­vor e dois se po­si­ci­o­na­ram con­tra os em­bar­gos, que so­li­ci­tam no­vo jul­ga­men­to; cin­co mi­nis­tros ain­da têm que se ma­ni­fes­tar

O Diario do Norte do Parana - - GERAL - Folhapress

re­da­cao@odi­a­rio.com A ses­são de on­tem do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) foi en­cer­ra­da com o pla­car de qu­a­tro vo­tos a dois, pe­la acei­ta­ção dos em­bar­gos in­frin­gen­tes, re­cur­sos que, se aca­ta­dos pe­la mai­o­ria dos mi­nis­tros, da­rão di­rei­to a um no­vo jul­ga­men­to a 12 dos 25 con­de­na­dos pe­lo men­sa­lão.

A vo­ta­ção con­ti­nua hoje. Vo­ta­ram a fa­vor os mi­nis­tros Luís Ro­ber­to Bar­ro­so, Te­o­ri Za­vasc­ki, Ro­sa We­ber e Dias Tof­fo­li. Jo­a­quim Bar­bo­sa e Luiz Fux fo­ram con­tra. São ne­ces­sá­ri­os seis vo­tos para um dos la­dos para al­can­çar a mai­o­ria.

A acei­ta­ção ou não des­ses re­cur­sos di­vi­de os mi­nis­tros, por­que os em­bar­gos in­frin­gen­tes são pre­vis­tos pe­lo re­gi­men­to in­ter­no do STF, mas a lei 8.038 de 1990, que re­gu­lou o an­da­men­to dos pro­ces­sos no Su­pre­mo e no Su­pe­ri­or Tri­bu­nal de Jus­ti­ça (STJ), não faz men­ção a eles.

Bar­ro­so e Za­vasc­ki, os no­vos mi­nis­tros da cor­te que não jul­ga­ram o men­sa­lão, fo­ram al­guns dos que vo­ta­ram pe­la re­a­li­za- ção de uma no­va aná­li­se de al­guns cri­mes para cer­tos réus. Du­ran­te o jul­ga­men­to, Bar­ro­so afir­mou que não se po­de­ria mu­dar “a re­gra do jo­go”, quan­do ele se en­con­tra qua­se no fim.

Para Te­o­ri, “não se po­de iden­ti­fi­car na lei qual­quer des­tra­to a ir­re­cor­ri­bi­li­da­de das de­ci­sões. Con­for­me se de­pre­en­de da ex­po­si­ção de mo­ti­vos do pro­je­to de lei, es­sa lei vi­sa­va adap­tar a nor­ma ao STJ. Não se co­gi­tou nem lon­gin­qua­men­te eli­mi­nar re­cur­sos do re­gi­men­to in­ter­no do Su­pre­mo”.

“Há uma in­com­pa­ti­bi­li­da­de [en­tre o re­gi­men­to in­ter­no e a le­gis­la­ção]”, des­ta­cou Ro­sa We­ber, tam­bém de­fen­den­do que de­ve va­ler o re­gi­men­to da cor­te. Para Tof­fo­li, ex-ad­vo­ga­do do PT, a lei ci­ta a ex­pres­são “na for­ma do seu re­gi­men­to in­ter­no”, o que va­li­da Re­gi­men­to In­ter­no do Su­pre­mo. Por isso, os em­bar­gos in­frin­gen­tes são vá­li­dos, se­gun­do Tof­fo­li.

Pri­vi­lé­gi­os

O mi­nis­tro Jo­a­quim Bar­bo­sa, re­la­tor do men­sa­lão e pre­si­den­te do STF, re­ba­teu o ar­gu­men­to de To­fo­li. “Com­pe­tên­cia de cor­te cons­ti­tu­ci­o­nal cons­tam na Cons­ti­tui­ção e não no re­gi­men­to in­ter­no”, dis­se. Ele já ha­via se po­si­ci­o­na­do con­tra os in­frin­gen- tes, na se­ma­na pas­sa­da. “A re­a­pre­ci­a­ção de fa­tos e pro­vas pe­lo mes­mo ór­gão jul­ga­dor é de to­da in­de­vi­da. A Cons­ti­tui­ção e as leis não pre­ve­em pri­vi­lé­gi­os adi­ci­o­nais. Es­ta Cor­te já se de­bru­çou cin­co me­ses em 2012 e ago­ra no se­gun­do se­mes­tre de 2013 já ul­tra­pas­sa­mos um mês de de­li­be­ra­ção. Ad­mi­tir em­bar­gos in­frin­gen­tes no ca­so se­ria uma for­ma de eter­ni­zar o fei­to”, dis­se.

Na ses­são des­ta qu­ar­ta, Fux dis­se que, para ele, ape­sar dos cha­ma­dos em­bar­gos in­frin­gen­tes cons­ta­rem no re­gi­men­to in­ter­no do STF, o fa­to os re­cur­sos não apa­re­ce­rem na lei que re­gu­lou os pro­ces­sos no Su­pre­mo e no STJ faz com que eles te­nham si­do, na prá­ti­ca, re­vo­ga­do.

A Pro­cu­ra­do­ria Ge­ral da Re­pú­bli­ca tam­bém opi­nou pe­la não va­li­da­de des­se re­cur­so num me­mo­ri­al apre­sen­ta­do ao pre­si­den­te da cor­te na se­ma­na pas­sa­da. “O ple­ná­rio do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral, em ne­nhu­ma hi­pó­te­se, apre­cia uma cau­sa mais de uma vez”

Ger­vá­sio Bap­tis­ta/STF

Re­cém-em­pos­sa­do, o mi­nis­tro Bar­ro­so vo­tou fa­vo­rá­vel à acei­ta­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.