Tra­ços do

QUA­DRO A QUA­DRO sua equi­pe, ex­põe HQs e faz ca­ri­ca­tu­ras

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Ariá­diny Ri­nal­di

ari­a­diny@odi­a­rio.com Um dos íco­nes do man­gá, o man­ga­ka (de­se­nhis­ta de his­tó­ri­as em qua­dri­nhos ja­po­ne­sas) Fá­bio Shin, está ex­pon­do seu tra­ba­lho no pa­vi­lhão cul­tu­ral do 24º Fes­ti­val Ni­po-Bra­si­lei­ro, que co­me­çou na úl­ti­ma sex­ta­fei­ra e se­gue até sá­ba­do.

Ao la­do das do­bra­du­ras, ce­râ­mi­cas e fo­to­gra­fi­as, o público en­con­tra os per­so­na­gens das HQs, fei­tas por Shin e pe­los in­te­gran­tes de sua equi­pe - a Man­gá Stu­dio Ja­pan Sun­set, de São Pau­lo. A no­vi­da­de da ex­po­si­ção são as ni­kayou man­gá (ca­ri­ca­tu­ras em de­se­nho ja­po­nês), de ce­le­bri­da­des co­mo He­be Ca­mar­go, Jô So­ra­es, Sil­vio Santos e de anô­ni­mos,en­co­men­da­das para fes­tas de ca­sa­men­to s e ou­tras co­me­mo­ra­ções.

“A ca­ri­ca­tu­ra em man­gá é di­fe­ren­te da con­ven­ci­o­nal, por­que não tem o ob­je­ti­vo de sa­ti­ri­zar a pes­soa. Pe­lo con­trá­rio, deixa a pes­soa mais jo­vi­al”, ex­pli­ca.No fes­ti­val, quem se in­te­res­sar po­de ter sua ca­ri­ca­tu­ra fei­ta na ho­ra, tan­to em pa­pel A2, quan­to em te­ci­dos, de fro­nhas de tra­ves­sei­ros ou eco­bags.

Shin é au­tor de tra­ba­lhos que são re­fe­rên­cia no man­gá bra­si­lei­ro. Fez a re­lei­tu­ra do “Sí­tio do Pi­ca-pau Ama­re­lo”, de Mon­tei­ro Lo­ba­to, e o pri­mei­ro vo­lu­me da bi­o­gra­fia de Mi­cha­el Jack­son. “Eter­na­men­te Mi­cha­el” foi lan­ça­do em 2009 pe­lo se­lo Se­o­man, da edi­to­ra Pen­sa­men­to, e ven­deu mais de 9 mil exem­pla­res. A obra te­ve des­ta­que mundial, foi ex­pos­ta em vá­ri­os paí­ses da Eu­ro­pa e che­gou a re­ce­ber con­vi­tes de pu­bli­ca­ção da par­te de edi­to­ras in­ter­na­ci­o­nais.

Shin está tra­ba­lhan­do no se- gun­do vo­lu­me da sé­rie. “A in­ten­ção é lan­çar a obra no País e fo­ra tam­bém. Es­ta­mos es­pe­ran­do a au­to­ri­za­ção dos Jack­son para po­der re­to­mar a pro­du­ção”, con­ta Shin. O se­gun­do vo­lu­me da bi­o­gra­fia ain­da não tem pre­vi­são de lan­ça­men­to, mas par­te do tra­ba­lho po­de ser vis­to pe­los ma­rin­ga­en­ses na ex­po­si­ção do fes­ti­val.

So­bre o es­pa­ço que o man­gá tem no mer­ca­do edi­to­ri­al bra­si­lei­ro, Shin ele­ge Mau­rí­cio de Sou­za co­mo o res­pon­sá­vel pe­lo cres­ci­men­to de opor­tu­ni­da­des de pu­bli­ca­ção. “De­pois que Mau­rí­cio de Sou­za lan­çou ‘Tur­ma da Mô­ni­ca Jo­vem’, mui­tas em­pre­sas pas­sa­ram a dar mais va­lor a es­se ti­po de ar­te. Ele cri­ou a de­man­da de ou­tro ti­po de público. ‘Mô­ni­ca Jo­vem’ vi­rou re­fe­rên­cia de acei­ta­ção e é um dos qua­dri­nhos que mais ven­dem no Bra­sil”, des­ta­ca o de­se­nhis­ta.

Pro­fis­si­o­na­lis­mo

Shin con­ta que des­co­briu o mun­do dos man­gás aos cin­co anos de ida­de, por meio de ami­gos nik­keis, vi­zi­nhos do bair­ro da Pe­nha, em São Pau­lo, on­de nas­ceu. “Aos on­ze anos de ida­de, in­ven­ta­va his­tó­ri­as e per­so­na­gens e, se­ma­nal­men­te, pre­ga­va os ca­pí­tu­los nas pa­re­des da es­co­la.”Ain­da na ado­les­cên­cia re­a­li­zou tra­ba­lhos para o jor­nal do bair­ro e, aos 17 anos, co­me­çou a mi­nis­trar au­las de man­gá no bair­ro Li­ber­da­de.

Na épo­ca, os man­gás não eram po­pu­la­res no Bra­sil e, para ser pro­fis­si­o­na­li­zar, Fá­bio pre­ci­sou ga­nhar ha­bi­li­da­des em ou­tros cur­sos - os mais va­ri­a­dos - e adap­tá-las para a prá- ti­ca do de­se­nho ja­po­nês. “Fiz cur­so de HQ ame­ri­ca­no, pin­tu­ra, cur­so de de­te­ti­ve, aná­li­se de ex­pres­são fa­ci­al, ma­qui­a­gem, e tam­bém de áre­as aca­dê­mi­cas, co­mo psi­co­lo­gia, lin­gua­gem etc. Por exem­plo, quem tem so­bran­ce­lhas gros­sas, ge­ral­men­te tem per­so­na­li­da­de for­te e é tei­mo­so, aque­les que tem pin­ti­nhas per­to do olho é mais emo­ti­vo, tu­do tem um sig­ni­fi­ca­do. Sa­ber dis­so é mui­to im­por­tan­te na ho­ra de cri­ar um per­so­na­gem”, diz.

Au­to­di­da­ta, de­sen­vol­veu a pró­pria téc­ni­ca e, atu­al­men­te, com apoio de sua equi­pe, re­pas­sa os en­si­na­men­tos para, apro­xi­ma­da­men­te, 800 alu­nos nas oi­to es­co­las da Man­gá Stu­dio Ja­pan Sun­set, es­pa­lha­das por São Pau­lo.

No man­gá, ape­sar de se­rem ja­po­ne­ses, os olhos dos per­so­na­gens não são pu­xa­dos. “Ori­en­tais sen­tem mui­ta di­fi­cul­da­de de di­zer o que sen­tem e, eles, uti­li­zam o man­gá para po­der pas­sar es­se sen­ti­men­to e a me­lhor for­ma de se ex­pres­sar é atra­vés dos olhos. Por isso, os per­so­na­gens têm os olhos gran­des, para trans­mi­tir rai­va, tris­te­za, amor, ale­gria”, ex­pli­ca.

Reprodução

Au­to­ca­ri­ca­tu­ra de Fá­bio Shin: de­se­nhis­ta de man­gá é au­tor de his­tó­ri­as com tra­ço ja­po­nês do “Sí­tio do Pi­ca-pau Ama­re­lo” e de bi­o­gra­fia de Mi­cha­el Jack­son

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.