Ca­mi­nho pe­ri­o­go­so

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

O País tem ex­pe­ri­men­ta­do mo­men­tos de ten­são nos úl­ti­mos tem­pos por con­ta de ma­ni­fes­ta­ções vi­o­len­tas em al­gu­mas ca­pi­tais. Os pro­tes­tos se vol­ta­ram- in­dis­cri­mi­na­da­men­te con­tra tu­do e con­tra to­dos e foi a se­nha pa­ra que de­ter­mi­na­dos gru­pos to­mas­sem pa­ra si o di­rei­to de rei­vin­di­car pri­vi­lé­gi­os dos mais inu­si­ta­dos pos­sí­veis, trans­for­man­do lo­cais pú­bli­cos em ver­da­dei­ras pra­ças de gu­er­ra. Os ob­je­ti­vos que nor­te­a­ram as pri­mei­ras pas­se­a­tas fo­ram dei­xa­dos de la­do, num evi­den­te si­nal de que se per­deu de­fi­ni­ti­va­men­te o fo­co da ques­tão. Se an­tes os ma­ni­fes­tan­tes bra­da­vam con­tra a cor­rup­ção e os des­man­dos po­lí­ti­cos, ago­ra não se con­se­gue com­pre­en­der (mui­to me­nos iden­ti­fi­car) os mo­ti­vos pa­ra ta­ma­nha sel­va­ge­ria.

Em to­das as ma­ni­fes­ta­ções re­cen­tes fo­ram re­gis­tra­dos sa­ques e de­pre­da­ções em pré­di­os pú­bli­cos e pri­va­dos, agên­ci­as ban­cá­ri­as, con­ces­si­o­ná­ri­as de veí­cu­los e no co­mér­cio em ge­ral. O apa­ra­to de re­pres­são mos­trou-se in­ca­paz de con­ter a fú­ria avas­sa­la­do­ra de um van­da­lis­mo inex­pli­cá­vel que dei­xa um ras­tro de des­trui­ção pe­lo ca­mi­nho. Os mei­os de con­ten­ção de mas­sas uti­li­za­dos por agen­tes pú­bli­cos são in­su­fi­ci­en­tes pa­ra que­brar a re­sis­tên­cia e in­ti­mi­dar aque­les que ig­no­ram as ba­las de bor­ra­cha, as bom­bas de efei­to mo­ral ou o gás pi­men­ta e que bus­cam tão so­men­te pro­mo­ver a ba­der­na. O go­ver­no pau­lis­ta che­gou a proi­bir o em­pre­go de al­gu­mas ar­mas não le­tais, mas te­ve que su­cum­bir à re­a­li­da­de vi­san­do pre­ser­var a in­te­gri­da­de fí­si­ca de seus agen­tes.

A per­sis­tir es­se com­por­ta­men­to sem uma res­pos­ta à al­tu­ra por par­te das au­to­ri­da­des da área de se­gu­ran­ça pú­bli­ca, em cur­to es­pa­ço de tem­po es­se ti­po de ocor­rên­cia tor­nar-se-á a for­ma uti­li­za­da pe­la mai­o­ria pa­ra plei­te­ar su­pos­tos di­rei­tos. Não se com­pre­en­de os mo­ti­vos de ta­ma­nha le­ni­ên­cia do Es­ta­do no tra­to com es­sa ques­tão, uma vez que é fa­to com­pro­va­do o en­vol­vi­men­to de mar­gi­nais e ar­ru­a­cei­ros in­fil­tra­dos en­tre pes­so­as de bem. Pro­te­gi­dos pe­lo ano­ni­ma­to e am­pa­ra­dos pe­la cer­te­za da im­pu­ni­da­de, os mas­ca­ra­dos ba­der­nei­ros agem li­vre­men­te sob as vis­tas dos po­li­ci­ais que pou­co po­dem fa­zer pa­ra evi­tar atos de ex­tre­ma vi­o­lên­cia. Em que pe­sem as ga­ran­ti­as cons­ti­tu­ci­o­nais na pre­ser­va­ção dos di­rei­tos in­di­vi­du­ais e co­le­ti­vos (en­tre eles os da li­ber­da­de de ex­pres­são), há que se to­mar me­di­das re­so­lu­tas vi­san­do re­pri­mir atos con­trá­ri­os à ma­nu­ten­ção da or­dem pú­bli­ca. No­ta-se cla­ra­men­te que não exis­tem atu­al­men­te mei­os le­gais nem efe­ti­vos po­li­ci­ais dis­po­ní­veis pa­ra se exer­cer com efi­ci­ên­cia o po­der de per­su­a­são ofi­ci­al, ou es­te se re­ve­lou in­su­fi­ci­en­te pe­ran­te a de­man­da atu­al. É de­ver das au­to­ri­da­des cons­ti­tuí­das (po­de­res exe­cu­ti­vo e ju­di­ciá­rio) o es­ta­be­le­ci­men­to de uma so­lu­ção em ca­rá­ter emer­gen­ci­al, co­mo o in­tui­to de re­pri­mir es­se ti­po de com­por­ta­men­to.

A vi­ru­lên­cia dos pro­tes­tos ul­tra­pas­sa os li­mi­tes do acei­tá­vel e al­can­ça os re­qui­si­tos pa­ra a con­fi­gu­ra­ção da de­so­be­di­ên­cia ci­vil. Não é ad­mis­sí­vel que fa­tos des­sa na­tu­re­za se pro­li­fe­rem sem que os res­pon­sá­veis se­jam de­vi­da­men­te pe­na­li­za­dos. O es­tí­mu­lo à con­se­cu­ção de cri­mes dos mais va­ri­a­dos (for­ma­ção de qua­dri­lha ou ban­do, da­nos ao pa­trimô­nio, fur­to qua­li­fi­ca­do, ame­a­ça, le­são cor­po­ral en­tre ou­tros) é re­for­ça­do pe­la sen­sa­ção de im­pu­ni­da­de ge­ne­ra­li­za­da di­an­te na inér­cia ofi­ci­al. Não se ad­mi­te omis­são, mui­to me­nos tran­si­gên­cia mo­ti­va­da por te­mo­res de abu­so de au­to­ri­da­de an­te as len­tes im­pla­cá­veis das câ­me­ras de ví­deo, vol­ta­das de­li­be­ra­da­men­te na di­re­ção dos agen­tes pú­bli­cos in­ver­ten­do-se os ônus do re­sul­ta­do fi­nal, nu­ma mos­tra per­fei­ta de hi­po­cri­sia en­sai­a­da. Os de­se­jos de justiça dos ca­ras-pin­ta­das de al­gu­mas dé­ca­das não po­dem nem de­vem ser­vir de ins­pi­ra­ção pa­ra os atos cri­mi­no­sos dos mas­ca­ra­dos da atu­a­li­da­de. Não per­mi­ti­re­mos ana­lo­gi­as di­an­te des­sa con­de­ná­vel de­mons­tra­ção de ir­ra­ci­o­na­li­da­de gra­tui­ta. É im­pe­ra­ti­vo nes­se mo­men­to que se to­mem as me­di­das ne­ces­sá­ri­as pa­ra a res­tau­ra­ção da or­dem e da paz, di­rei­tos ina­li­e­ná­veis do ci­da­dão. As­sim es­pe­ra­mos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.