De­le­ga­cia de Es­te­li­o­na­tos acu­mu­la 3 mil inqué­ri­tos

ES­TE­LI­O­NA­TO Apro­vei­tan­do da boa-fé, in­ge­nui­da­de ou ga­nân­cia alheia, es­te­li­o­na­tá­ri­os fa­zem a fes­ta em Ma­rin­gá e con­ti­nu­am à sol­ta, fa­vo­re­ci­dos pe­la pou­ca es­tru­tu­ra pa­ra o com­ba­te aos cri­mes

O Diario do Norte do Parana - - ZOOM - Leonardo Fi­lho e Ro­ber­to Sil­va

re­da­cao@odi­a­rio.com A Po­lí­cia Ci­vil de Ma­rin­gá re­ce­be uma mé­dia de cin­co quei­xas de es­te­li­o­na­to por dia. O re­sul­ta­do dis­so: mais de 3 mil bo­le­tins de ocor­rên­cia es­tão à es­pe­ra de in­ves­ti­ga­ção, in­clu­si­ve de anos an­te­ri­o­res, na úni­ca De­le­ga­cia de Es­te­li­o­na­to. A es­tru­tu­ra pa­ra a elu­ci­da­ção de to­dos es­ses cri­mes é com­pos­ta de um pré­dio,um de­le­ga­do, qua­tro in­ves­ti­ga­do­res e três es­cri­vães. De­ta­lhe é que es­se ti­me de po­li­ci­ais não se de­di­ca ex­clu­si­va­men­te às ví­ti­mas de gol­pes: o mes­mo pes­so­al tem que dar con­ta da De­le­ga­cia do Trân­si­to, on­de atu­al­men­te há 700 inqué­ri­tos.

Os gol­pes são os mais di­ver­sos e em to­dos eles a ví­ti­ma que so­freu uma gran­de per­da fi­nan­cei­ra. Em uma das si­tu­a­ções mais re­cen­tes, uma mu­lher de 74 anos per­deu R$ 17 mil no gol­pe do bi­lhe­te de lo­te­ria. Ela dis­se aos in­ves­ti­ga­do­res que foi con­ven­ci­da pe­los es­te­li­o­na­tá­ri­os de que re­ce­be­ria R$ 100 mil co­mo re­com­pen­sa por aju­dar um des­co­nhe­ci­do a sa­car um prê­mio da lo­te­ria.

Em um ou­tro ca­so, nes­ta se­ma­na, cin­co pes­so­as pro­cu­ra­ram aju­da da po­lí­cia pa­ra lo­ca­li­zar o do­no de uma re­ven­da de veí­cu­los usa­dos na Vi­la Mo­ran­guei­ra. Se­gun­do as ví­ti­mas, os car­ros eram en­tre­gues à re­ven­da e pa­gos me­di­an­te che­ques, to­dos sem fun­do. Ao pro­cu­ra­rem o em­pre­sá­rio e o só­cio de­le, a du­pla já ha­via fu­gi­do com os au­to­mó­veis.

Em uma ou­tra quei­xa, en­vol­ven­do a mes­ma re­ven­da, os veí­cu­los eram en­tre­gues, no en­tan­to, o ven­de­dor não for­ne­cia re­ci­bo. “A in­for­ma­ção é de que ele

No­vo gol­pe

(sus­pei­to) es­ta­ria na Suí­ça, no en­tan­to sou­be­mos que ele es­tá na In­gla­ter­ra”, des­ta­cou uma das ví­ti­mas no re­la­to fei­to a um in­ves­ti­ga­dor. A Po­lí­cia Ci­vil ins­tau­rou inqué­ri­to e vai apu­rar o ca­so.

“Exis­tem ca­sos re­gis­tra­dos na de­le­ga­cia em que um só gol­pis­ta fez vá­ri­as ví­ti­mas. Nes­se ca­so, é aber­to ape­nas um inqué­ri­to. Mas ho­je o vo­lu­me de tra­ba­lho é tan­to que pre­ci­so le­var os inqué­ri­tos e pro­ce­di­men­tos pa­ra exe­cu­tar em ca­sa”, diz o de­le­ga­do Pau­lo Cé­zar da Sil­va que res­pon­de pe­las de­le­ga­ci­as de Trân­si­to e Es­te­li­o­na­to de Ma­rin­gá.

De acor­do com o de­le­ga­do, a in­ves­ti­ga­ção do cri­me de es­te­li­o­na­to é com­ple­xa por­que os cri­mi­no­sos não fi­cam por um lon­go pe­río­do em uma ci­da­de e uti­li­zam do­cu­men­tos fal­sos. Eles apli­cam o gol­pe nas ví­ti­mas e ao ar­re­ca­da­rem cer­ta quan­tia em di­nhei­ro fo­gem. Re­cen­te­men­te, la­rá­pi­os que apli­ca­vam o gol­pe do bi­lhe­te che­ga­ram a ser iden­ti­fi­ca­dos por in­ves­ti­ga­do­res, mas con­se­gui­ram es­ca­par. “A gen­te ini­cia a in­ves­ti­ga­ção, mas o es­te­li­o­na­tá­rio fo­ge e às ve­zes vai pa­ra lon­ge”. Re­cen­te­men­te, qua­tro pes­so­as pro­cu­ra­ram a de­le­ga­cia pa­ra re­la­tar uma his­tó­ria no­va aos po­li­ci­ais. Cri­mi­no­sos se pas­san­do por fun­ci­o­ná­ri­os de hos­pi­tais en­tra­vam em con­ta­to com ex-pa­ci­en­tes ori­en­tan­do pa­ra a com­pra de um ti­po de me­di­ca­men­to. Mas o re­mé­dio não é ven­di­do em far­má­ci­as con­ven­ci­o­nais e o su­pos­to fun­ci­o­ná­rio pe­dia um de­pó­si­to em di­nhei­ro pa­ra en­vi­ar o pro­du­to à fa­mí­lia.

Em mé­dia, as fa­mí­li­as so­fre­ram um pre­juí­zo de R$ 4 mil ca­da. “Va­mos ten­tar ras­tre­ar a con­ta pa­ra che­gar­mos ao gol­pis­ta. Mas é im­por­tan­te que as pes­so­as an­tes de de­po­si­ta­rem di­nhei­ro ve­ri­fi­quem an­tes. Nes­se ca­so, por exem­plo, uma li­ga­ção ao hos­pi­tal po­de­ria evi­tar que a ví­ti­ma per­des­se di­nhei­ro”, diz o de­le­ga­do. A ví­ti­ma mais re­cen­te com­pa­re­ceu on­tem à de­le­ga­cia.

His­tó­ri­as

O in­ves­ti­ga­dor Ivan Gal­di­no de Frei­tas, que acu­mu­la mais de 30 anos na Po­lí­cia Ci­vil, é quem re­ce­be a mai­o­ria das ví­ti­mas de es­te­li­o­na­to em Ma­rin­gá. Se­gun­do ele, a for­ma co­mo o cri­mi­no­so age va­ria bas­tan­te, mas é sem­pre fo­ca­da em en­vol­ver a ví­ti­ma em uma his­tó­ria. Des­de pes­so­as que fa­zem do­cu­men­tos fal­sos pa­ra apli­car pe­que­nos ca­lo­tes no co­mér­cio a su­pos­tos em­pre­sá­ri­os que mon­tam em­pre­sas de fa­cha­da – as cha­ma­das ara­ras – pa­ra dar gol­pes em for­ne­ce­do­res e cli­en­tes.

“Há si­tu­a­ções em que a per­da fi­nan­cei­ra é ex­tre­ma­men­te gran­de. Acre­di­to que se as pes­so­as to­mas­sem mais cui­da­do, elas não cai­ri­am com tan­ta fa­ci­li­da­de”, ava­lia. Se­gun­do o po­li­ci­al, atu­al­men­te os gol­pis­tas têm usa­do a in­ter­net pa­ra a prá­ti­ca des­se ti­po de cri­me.

“Há mui­to gol­pe pe­la re­de. Re­ce­bi um mo­to­ris­ta que viu um anún­cio de um ca­mi­nhão ava­li­a­do no mer­ca­do a R$ 60 mil, com R$ 20 mil de des­con­to. O ho­mem de­po­si­tou o di­nhei­ro, mas não fez a de­vi­da che­ca­gem. Re­sul­ta­do: per­deu os R$ 40 mil”, diz Frei­tas. A po­lí­cia ori­en­ta que as pes­so­as pro­cu­rem uma de­le­ga­cia o mais rá­pi­do pos­sí­vel pa­ra co­mu­ni­car es­ses ca­sos de gol­pe.

Rafael Sil­va

Pi­lhas de inqué­ri­tos na De­le­ga­cia de Es­te­li­o­na­tos de Ma­rin­gá: mé­dia de cin­co no­vos ca­sos por dia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.