Fi­la por UTI che­ga a 20 pa­ci­en­tes no SUS

Che­fe da 15ª re­gi­o­nal da saú­de de Ma­rin­gá afir­ma que con­ges­ti­o­na­men­to das va­gas é cau­sa­do prin­ci­pal­men­te pe­la vi­o­lên­cia no trân­si­to

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Mu­ri­lo Gat­ti

mgat­ti@odi­a­rio.com Nas úl­ti­mas se­ma­nas a fi­la por va­gas em Uni­da­des de Te­ra­pia In­ten­si­va (UTIs) do Sis­te­ma Úni­co de Saú­de (SUS) na ma­cror­re­gião de Ma­rin­gá, que abran­ge 115 mu­ni­cí­pi­os, che­gou a ter 20 pa­ci­en­tes. “Há di­as em que o pa­ci­en­te po­de que­rer pa­gar e não vai ter lei­to”, afir­ma o che­fe da 15ª Re­gi­o­nal da Saú­de de Ma­rin­gá, Ka­zu­mi­chi Ko­ga. No en­tan­to, ele ex­pli­ca que há uma os­ci­la­ção gran­de na es­pe­ra e, em al­guns mo­men­tos, a pro­cu­ra é ze­ra­da. “Não con­se­gui­mos ze­rar a fi­la da pro­cu­ra de lei­tos em ge­ral, mas em al­guns pe­río­dos aten­de­mos to­da de­man­da por UTI”, diz.

Ou­tro fa­tor que ame­ni­za o qu­a­dro é que a ro­ta­ti­vi­da­de, se­gun­do Ko­ga, é al­ta, o que faz com que a es­pe­ra por um lei­to de UTI não se pro­lon­gue por mui­to tem­po. Um exem­plo prá­ti­co é de um se­nhor de 73 anos que fa­le­ceu no Hos­pi­tal Uni­ver­si­tá­rio (HU) na úl­ti­ma se­gun­da-fei­ra. “Hou­ve um pe­di­do de va­ga à 1 ho­ra e às 17 ho­ras con­se­gui­mos o lei­to. In­fe­liz­men­te, o pa­ci­en­te não re­sis­tiu e fa­le­ceu pou­co an­tes. Pro­va­vel­men­te, a UTI não evi­ta­ria o pi­or”, con­si­de­ra. De­vi­do às quei­xas dos fa­mi­li­a­res, a di­re­ção do HU de­ci­diu abrir uma sin­di­cân­cia pa­ra apu­rar se hou­ve al­gu­ma fa­lha no aten­di­men­to pres­ta­do.

Pa­ra aten­der aos mo­ra­do­res de to­da a ma­cror­re­gião, que en­glo­ba os mu­ni­cí­pi­os de Cam­po Mou­rão, Umu­a­ra­ma, Ci­a­nor­te e Pa­ra­na­vaí, a Cen­tral de Lei­tos, que fun­ci­o­na em Ma­rin­gá, tem “Nas úl­ti­mas se­ma­nas te­mos re­gis­tra­do uma mé­dia atí­pi­ca de es­pe­ra por va­ga em UTIs” 116 lei­tos ex­clu­si­vos do SUS e mais dez lei­tos da re­de pri­va­da que a Se­cre­ta­ria de Es­ta­do da Saú­de se pro­põe a pa­gar con­for­me a ne­ces­si­da­de. “Nas úl­ti­mas se­ma­nas te­mos re­gis­tra­do uma mé­dia atí­pi­ca de es­pe­ra por va­ga em UTI. Te­mos pe­di­do e le­van­ta­do o aler­ta pa­ra os hos­pi­tais pa­ra au­men­tar, mas is­to tam­bém de­pen­de de cons­tru­ções”, diz.

O prin­ci­pal mo­ti­vo do con­ges­ti­o­na­men­to na fi­la, na ava­li­a­ção do che­fe da 15ª Re­gi­o­nal da Saú­de é a gran­de quan­ti­da­de de aci­den­tes de trân­si­to nas ci­da­des e nas es­tra­das. “Em nos­sa ma­cror­re­gião te­mos três ci­da­des de sig­ni­fi­cân­cia gran­de em ter­mo de aci­den­tes. Ci­a­nor­te é a ci­da­de do Pa­ra­ná, on­de pro­por­ci­o­nal­men­te por mil ha­bi­tan­tes, mais pes­so­as mor­rem em aci­den­tes de trân­si­to. A se­gun­da é Cam­po Mou­rão, tam­bém em nos­sa ju­ris­di­ção, e a quar­ta nes­ta es­ta­tís­ti­ca é Ma­rin­gá. Is­to con­so­me mui­tos lei­tos de UTI e é uma do­en­ça es­ta­tis­ti­ca­men­te não con­ta­da”, re­la­ta.

In­ves­ti­men­tos

A pers­pec­ti­va de de­sa­fo­ga­men­to da fi­la vem com os in­ves­ti­men­tos em hos­pi­tais de Ma­rin­gá e de mu­ni­cí­pi­os da re­gião. “Em Umu­a­ra­ma, pro­va­vel­men­te em 2014, te­re­mos um no­vo hos­pi­tal com 200 lei­tos, sen­do 100 pa­ra o SUS e de 15 a 20 de UTI. Ou­tro re­for­ço ocor­re no HU de Ma­rin­gá, on­de até o fi­nal de 2013 é pre­vis­ta a aber­tu­ra de mais 30 lei­tos, do­ze de­les com ca­pa­ci­da­de pa­ra aten­di­men­to se­mi-in­ten­si­vo.

Ou­tros in­ves­ti­men­tos que po­de­rão fa­zer a di­fe­ren­ça se­rão fei­tos pe­lo Es­ta­do em Co­lo­ra­do e As­tor­ga. “Es­ta­mos mi­cror­re­gi­o­na­li­zan­do o aten­di­men­to da mé­dia com­ple­xi­da­de, oque­e­vi­ta­a­trans­fe­rên­cia des­te pa­ci­en­te pa­ra Ma­rin­gá. Em As­tor­ga, há pre­vi­são de aber­tu­ra de50­lei­to­se­emCo­lo­ra­do­te­mos pro­je­to­pa­ra­mais100­lei­tos”,diz.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.