O do­no da

GLU-GLU Com mais de 30 anos de car­rei­ra, no for­ma­to de stand-up co­medy

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Ana Lui­za Ver­zo­la

ana­ver­zo­la@odi­a­rio.com

SER­GIO MAL­LAN­DRO

A gra­ça co­me­ça na ho­ra de com­prar o in­gres­so da apre­sen­ta­ção do Sér­gio Mal­lan­dro: quem dis­ser “iê-ié” ao aten­den­te, ga­nha des­con­to. Pai de três fi­lhos, com 57 anos, Mal­lan­dro tem mais de 30 anos de car­rei­ra - ou de ma­lan­dra­gem - ar­tís­ti­ca sem per­der o fô­le­go. De um show em Por­to Ale­gre, ele vem fa­zer glu-glu em Ma­rin­gá ho­je às 19h30, on­de se apre­sen­ta no Te­a­tro Ma­ris­ta com o stand-up co­medy “Sem Cen­su­ra”. Rein­ven­tan­do-se to­dos es­ses anos, o Mal­lan­dro que fi­cou co­nhe­ci­do pe­los bor­dões clás­si­cos que dis­pen­sam apre­sen­ta­ção ga­nha ho­je sta­tus de cult. Rá! E is­so não é pe­ga­di­nha.

Nas­ci­do Sér­gio Nei­va Cavalcanti, o ca­ri­o­ca fez hu­mo­rís­ti­cos, na TV, mais de dez fil­mes, in­cluin­do lon­gas com Re­na­to Ara­gão e Xu­xa, fez da vi­da um re­a­lity show e ago­ra se ren­deu ao no­vo for­ma­to de stand-up. E pa­re­ce que deu cer­to – es­tá há mais de um ano em car­taz por to­do o País.

Ao lon­go da car­rei­ra, se não es­te­ve em evi­dên­cia na mídia, o pró­prio pú­bli­co o co­lo­cou no au­ge: fo­ram vá­ri­as tur­mas de gra­du­a­ção que ele­ge­ram de pa­ra­nin­fo nin­guém mais, nin­guém me­nos que o Mal­lan­dri­nho. Foi mui­to “glu glu, iê-ié” ani­man­do as fes­tas aca­dê­mi­cas, ele se tor­nou um “amu­le­to” uni­ver­si­tá­rio.

Na en­tre­vis­ta con­ce­di­da por te­le­fo­ne ao Diá­rio, Mal­lan­do fa­la de re­a­dap­ta­ção, pú­bli­co e um pou­co do que vai ro­lar no es­pe­tá­cu­lo. Sal­ci­fu­fu pa­ra quem per­der! O DIÁ­RIO Vo­cê ho­je é um íco­ne do hu­mor bra­si­lei­ro. Co­mo foi is­so de se rein­ven­tar ao lon­go de 30 anos de car­rei­ra?

Hahahahaha. A gen­te vai fa­zen­do do jei­to que as pes­so­as gos­tam. O pú­bli­co que an­tes era jo­vem, ho­je já é adul­to. Mas fa­ço hu­mor pa­ra to­do mun­do, adul­tos, jo­vens. Ago­ra no te­a­tro en­tão, a cen­su­ra do meu show é de 14 anos. O im­por­tan­te é dar ri­sa­da. Exis­te al­gum mo­ti­vo pa­ra que vo­cê es­te­ja sem­pre em evi­dên­cia? Amar sua pro­fis­são. Tem que gos­tar mui­to, não de­sis­tir nun­ca do que se quer fa­zer e cui­dar do pú­bli­co, tem que bus­car on­de as pes­so­as es­tão. O so­nho só mor­re quan­do dei­xa­mos de so­nhar. Em vá­ri­as en­tre­vis­tas vo­cê afir­ma que é mui­to mais do que os bor­dões co­nhe­ci­dos “glu glu” e “ye­ah ye­ah”. Quem é o Ser­gio Mal­lan­dro por trás das gra­ci­nhas? Quem for ver o show vai ver co­mo é. Lá eu con­to his­tó­ri­as da mi­nha vi­da, de ar­tis­tas que pas­sam e pas­sa­ram pe­la mi­nha vi­da. Con­to his­tó­ri­as mi­nha com a Xu­xa, Chi­co Bu­ar­que, da mi­nha mãe, mi­nhas na­mo­ra­das, mi­nha ex-mu­lher, meu pa­dras­to. Fa­lo o que es­tá acon­te­cen­do co­mi­go no show, que ve­nho fa­zen­do por di­ver­sos te­a­tros no Rio, São Pau­lo. Du­as ses­sões em Cu­ri­ti­ba. De­pois de Ma­rin­gá vou pa­ra Goiânia. En­tão as pes­so­as que fo­rem me as­sis­tir vão ver um ou­tro Sér­gio Mal­lan­dro. No show vo­cê en­si­na a pla­teia a usar o “Rá! Pe­ga­di­nha do Mal­lan­dro!” sem pa­re­cer um idi­o­ta. En­si­na pra gen­te: co­mo po­de­mos usar es­sa ex­pres­são? No show eu con­to co­mo é, foi em uma en­tre­vis­ta com a Ma­rí­lia Ga­bri­e­la, que ela per­gun­tou se as mi­nhas pe­ga­di­nhas fa­zi­am su­ces­so. Eu dis­se que fa­zi­am. Aí ela per­gun­tou se da­vam au­di­ên­cia. Mui­ta au­di­ên­cia. No show eu con­to as his­tó­ri­as das mi­nhas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.