In­clu­são e li­mi­tes

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

Pa­ra­da Gay é um exer­cí­cio le­gí­ti­mo de di­rei­tos de ci­da­dãos que os ti­ve­ram ne­ga­dos por lon­go tem­po. As úl­ti­mas edi­ções bra­si­lei­ras, re­a­li­za­das em São Pau­lo, trans­cor­re­ram em paz e ale­gria, com al­guns exa­ge­ros e ati­tu­des ca­ri­ca­tas per­fei­ta­men­te com­pre­en­sí­veis co­mo afir­ma­ção - ne­ces­sá­ria em opo­si­ção a sé­cu­los de ne­ga­ção.

Ain­da as­sim,é pos­sí­vel ou­vir al­gu­mas reações ira­das à ideia do “or­gu­lho gay”, do ti­po “va­mos fa­zer a pa­ra­da do or­gu­lho hé­te­ro”. Reações in­fan­tis e des­ca­bi­das: não se sa­be de ne­nhum he­te­ros­se­xu­al ri­di­cu­la­ri­za­do, agre­di­do ou mor­to ape­nas por ser he­te­ros­se­xu­al.He­te­ros­se­xu­ais não são obri­ga­dos a es­con­der es­ta con­di­ção pa­ra ob­ter ou man­ter em­pre­gos -e até mes­mo o amor e res­pei­to de seus fa­mi­li­a­res e ami­gos. E en­tão, co­mo nun­ca hou­ve uma “ver­go­nha hé­te­ro”, não há ne­ces­si­da­de de um “or­gu­lho hé­te­ro”.

Even­tos co­mo es­se de­mons­tram que de al­gu­ma for­ma o mun­do se mo­ve - o Bra­sil es­tá mais ci­vi­li­za­do na ques­tão dos di­rei­tos ci­vis de mai­o­ri­as e mi­no­ri­as(em­bo­ra es­te­ja ain­da mui­to lon­ge do ide­al) e as es­co­las têm par­te im­por­tan­te em to­do es­se pro­ces­so.

As pri­mei­ras ex­pres­sões pú­bli­cas da ho­mos­se­xu­a­li­da­de cos­tu­mam ocor­rer em am­bi­en­te es­co­lar e, co­mo to­do in­di­ví­duo que se sen­te de al­gum mo­do re­pri­mi­do, o ado­les­cen­te ma­ni­fes­ta-se de for­ma as­ser­ti­va,e mes­mo agres­si­va, tra­zen­do aos edu­ca­do­res um enor­me de­sa­fio.

To­das as ins­ti­tui­ções, prin­ci­pal­men­te as de­di­ca­das à edu­ca­ção e à cul­tu­ra, de­vem ter co­mo pon­to de hon­ra não dis­cri­mi­nar - e não per­mi­tir que se dis­cri­mi­ne - por mo­ti­vos re­li­gi­o­sos, bió­ti­po, ori­en­ta­ção se­xu­al ou qual­quer ou­tra “di­fe­ren­ça”. Es­co­las pú­bli­cas e pri­va­das pas­sa­ram por um pro­ces­so de are­ja­men­to - não têm mais a ati­tu­de e o as­pec­to si­su­do e cin­zen­to de ou­tros tem­pos. Os es­pa­ços de con­ví­vio, pá­ti­os e can­ti­nas são des­con­traí­dos e pro­pi­ci­am a for­ma­ção de re­la­ci­o­na­men­tos pes­so­ais, afe­ti­vos, e até pro­fis­si­o­nais, que po­dem pro­lon­gar­se uma vi­da in­tei­ra.

No en­tan­to, ins­ti­tui­ções de en­si­no não são áre­as de la­zer. Seu prin­ci­pal pro­pó­si­to é o es­tu­do, a pes­qui­sa e o co­nhe­ci­men­to. Não se po­de to­le­rar den­tro da es­co­la com­por­ta­men­tos que não são to­le­ra­dos fo­ra de­la, co­mo vi­o­lên­cia e uso de dro­gas -e tam­bém al­guns per­mi­ti­dos em ou­tros am­bi­en­tes, co­mo consumo de be­bi­das al­coó­li­cas, mú­si­ca al­ta de­mais e ma­ni­fes­ta­ções exa­ge­ra­das de afe­ti­vi­da­de, in­de­pen­den­te de seus pro­ta­go­nis­tas se­rem ou não do mes­mo se­xo. Não se tra­ta de pu­ri­ta­nis­mo, mas de bom sen­so e es­ta­be­le­ci­men­to de uma or­dem de va­lo­res ne­ces­sá­ria e ade­qua­da ao ti­po de lu­gar em que se es­tá. Re­gras de eti­que­ta não são ape­nas for­ma­li­da­des, mas, es­sen­ci­al­men­te, nor­mas de bem vi­ver em co­mu­ni­da­de, em que a con­ten­ção in­di­vi­du­al po­de re­pre­sen­tar res­pei­to aos di­rei­tos co­le­ti­vos.De mo­do ge­ral, em acor­do com a oca­sião e o am­bi­en­te, nos ves­ti­mos e com­por­ta­mos di­ver­sa­men­te, sem ab­di­car­mos de nos­sa es­sên­cia e in­di­vi­du­a­li­da­de.

A apa­ren­te fal­ta de li­mi­te en­tre o pú­bli­co e o pri­va­do, ca­rac­te­rís­ti­ca exa­cer­ba­da nas re­des so­ci­ais, não ape­nas con­fun­de o jo­vem nes­sa es­fe­ra, mas tam­bém na vi­da es­tu­dan­til e amo­ro­sa.Li­mi­tes cla­ros e ex­pli­ci­ta­dos fa­zem par­te do pro­ces­so edu­ca­ti­vo, na es­co­la e fo­ra de­la.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.