Mes­mo com au­tu­a­ções, ir­re­gu­la­ri­da­des são co­muns

Car­ros es­ta­ci­o­na­dos em lo­cais proi­bi­dos ou ocu­pan­do in­de­vi­da­men­te va­gas es­pe­ci­ais, lo­jas in­va­din­do as cal­ça­das e li­xo sen­do jo­ga­do em lo­cal im­pró­prio são abu­sos co­muns na ci­da­de

O Diario do Norte do Parana - - ZOOM - Fá­bio Cas­tal­del­li

fa­bi­o­au­gus­to@odi­a­rio.com Es­ta­ci­o­nar veí­cu­los em lo­cal proi­bi­do; uti­li­zar o es­pa­ço pú­bli­co pa­ra fins pri­va­dos; jo­gar li­xo e en­tu­lho na rua. Ações co­mo es­tas, ape­sar de proibidas, pas­sí­veis de mul­ta e de oca­si­o­na­rem trans­tor­nos à so­ci­e­da­de, ain­da são co­muns em Ma­rin­gá. A re­por­ta­gem foi pa­ra as ru­as e em 2 ho­ras cons­ta­tou qua­se uma dezena de ir­re­gu­la­ri­da­des.

É co­mum en­con­trar co­mer­ci­an­tes e pres­ta­do­res de ser­vi­ço uti­li­zan­do a cal­ça­da co­mo ex­ten­são de seus es­ta­be­le­ci­men­tos, obs­truin­do a pas­sa­gem de pe­des­tres. No Jar­dim Al­vo­ra­da, na Ave­ni­da Sophia Ras­gu­la­eff, por exem­plo, uma re­ven­de­do­ra de veí­cu­los uti­li­za o pas­seio pú­bli­co pa­ra mos­trar os mo­de­los dis­po­ní­veis. Já na Ave­ni­da Co­lom­bo, é uma con­ces­si­o­ná­ria de mo­to­ci­cle­tas que re­a­li­za a mes­ma prá­ti­ca.

No Par­que das Pal­mei­ras, mais ir­re­gu­la­ri­da­des. Na Rua Ar­lin­do Mar­que­zi­ne, um su­per­mer­ca­do trans­for­mou a cal­ça­da em de­pó­si­to de mer­ca­do­ri­as; na Ave­ni­da das Pal­mei­ras, foi a vez de um pet shop e de uma lo­ja de utilidades do lar apro­vei­ta­rem o pas­seio pú­bli­co pa­ra ex­por mos­truá­ri­os.

O des­car­te ir­re­gu­lar de li­xo e en­tu­lho tam­bém con­ti­nua cau­san­do trans­tor­nos a mo­ra­do­res. Na quar­ta-fei­ra, a re­por­ta­gem re­gis­trou uma gran­de quan­ti­da­de de res­tos de mó­veis de ma­dei­ra, pneus e pi­sos de cons­tru­ção to­man­do a fren­te in­tei­ra de uma ca­sa, na Rua Bo­lí­via, na Vi­la Mo­ran­guei­ra.

Em to­do o ano pas­sa­do, a pre­fei­tu­ra re­gis­trou 36 au­tu­a­ções re­la­ci­o­na­das ao uso ir­re­gu­lar do es­pa­ço pú­bli­co. Es­te ano, até o iní­cio da tar­de de sex­ta-fei­ra, já eram 45 re­gis­tros – as mul­tas são de R$ 500. Já as ações de fis­ca­li­za­ção de li­xo e en­tu­lho descartado em lo­cais ina­pro­pri­a­dos co­mo ter­re­nos bal­di­os, fun­dos de va­le e ru­as e ave­ni­das re­sul­tou em mul­ta pa­ra 32 pes­so­as em 2013, sen­do que os va­lo­res va­ri­am de R$ 5 mil a R$10 mil.

“Com es­te tra­ba­lho de fis­ca­li­za­ção não que­re­mos le­sar os mo­ra­do­res ou pro­pri­e­tá­ri­os de es­ta­be­le­ci­men­tos que co­me­tem ir­re­gu­la­ri­da­des, mas sim fa­zer com que ca­da vez mais a lei se­ja cum­pri­da”, afir­ma o Diretor de Fis­ca­li­za­ção, Mar­co An­to­nio Lo­pes de Aze­ve­do.

No Cen­tro, a mai­o­ria das in­fra­ções es­tá no des­res­pei­to às leis que re­gu­lam o es­ta­ci­o­na­men­to. Na Rua San­tos Dum­mont, um car­ro de lu­xo blo- queia um con­têi­ner de li­xo e ocu­pa par­te de uma va­ga pa­ra ido­sos sem apre­sen­tar o car­tão de iden­ti­fi­ca­ção. A ram­pa de aces­so da cal­ça­da pa­ra a rua tam­bém é blo­que­a­da. Na Ave­ni­da Bra­sil, per­to da Ave­ni­da Ge­tú­lio Var­gas, des­ta­que pa­ra du­as mo­tos es­ta­ci­o­na­das em lu­ga­res des­ti­na­dos a car­ros.

Se­gun­do a Se­cre­ta­ria de Trân­si­to e Se­gu­ran­ça (Se­trans), fo­ram au­tu­a­dos em Ma­rin­gá de maio a ju­lho des­te ano 816 mo­to­ris­tas por es­ta­ci­o­na­men­to ir­re­gu­lar em va­gas pa­ra ido­sos e 450 por dei­xa­rem o car­ro em lo­cais des­ti­na­dos a pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia. O Có­di­go de Trân­si­to Bra­si­lei­ro (CTB) tra­ta es­ses ca­sos co­mo in­fra­ção le­ve, que ren­de 3 pon­tos na car­tei­ra de ha­bi­li­ta­ção e mul­ta de R$ 53,20.

O nú­me­ro to­tal de mul­tas por es­ta­ci­o­na­men­to em lo­cal proi­bi­do gi­ra em tor­no de 1 mil por mês na ci­da­de. “O ma­rin­ga­en­se só mu­da­rá de ati­tu­de a par­tir do mo­men­to em que se cons­ci­en­ti­zar da im­por­tân­cia de res­pei­tar a si­na­li­za­ção de trân­si­to. Is­so só po­de ser con­se­gui­do atra­vés de edu­ca­ção”, ava­lia o ge­ren­te de Edu­ca­ção no Trân­si­to da Se­trans, Cí­ce­ro Por­ce­la­ni. Pa­ra mui­tas pes­so­as a pu­ni­ção que afe­ta a par­te fi­nan­cei­ra não tem sig­ni­fi­ca­do al­gum. Nes­se sen­ti­do, sou a fa­vor de um pro­ces­so de cons­ci­en­ti­za­ção. É ár­duo, le­va um pou­co mais de tem­po, mas é mui­to mais efi­caz. Que co­me­ce na in­fân­cia. É pre­ci­so mos­trar pa­ra a cri­an­ça que ela não é o cen­tro do mun­do, mas que faz par­te de uma fa­mí­lia, de uma so­ci­e­da­de, de uma vi­da co­mum. Os pais têm uma gran­de in­fluên­cia so­bre a cri­an­ça, em especial até que ela com­ple­te 12 anos de ida­de. Des­sa ma­nei­ra, con­ver­sar, tro­car idei­as, mos­trar o que é cor­re­to ou não, é al­go fun­da­men­tal.

lva­tu­ba não po­de pa­rar

Iva­tu­ba ain­da era dis­tri­to e os ve­re­a­do­res de Ma­rin­gá de­ci­di­ram que não se po­dia mais tra­ba­lhar lá aos do­min­gos. Mas fi­ca­ram al­gu­mas bre­chas. A lei 16/1957 es­ta­be­le­ceu co­mo ter­mi­nan­te­men­te proi­bi­do o tra­ba­lho no dis­tri­to aos do­min­gos e fe­ri­a­dos, ex­ce­to “far­má­ci­as, ba­res, pa­da­ri­as, mer­ce­a­ri­as, qui­tan­das, etc.”

Ca­dá­ver em ca­mi­nhão

Dá a en­ten­der que era cos­tu­me na épo­ca. A lei 43/1957 proi­bia o trans­por­te de ca­dá­ve­res em ca­mi­nhões e ca­mi­nho­ne­tes em Ma­rin­gá. A par­tir da­que­le ano, só em car­ros fú­ne­bres. O com­ba­te ao fu­mo em Ma­rin­gá foi pre­co­ce. A lei 421/1965 proi­biu os fu­man­tes de dar ba­fo­ra­das em ôni­bus de trans­por­te co­le­ti­vo e ele­va­do­res.

Ca­fé ba­ni­do da ci­da­de

Até 1967, os ter­re­nos va­zi­os na zo­na ur­ba­na de Ma­rin­gá eram pre­en­chi­dos por ca­fe­zais. A lei 519/1967 man­dou cor­tar to­dos os pés que es­ta­vam den­tro do pe­rí­me­tro ur­ba­no.

Endereços homô­ni­mos

Em 14 de ju­nho de 1973, a lei mu­ni­ci­pal 994 es­ta­be­le­ceu que os ve­re­a­do­res de Ma­rin­gá não po­di­am dar no­mes re­pe­ti­dos pa­ra lo­gra­dou­ros pú­bli­cos. Pa­re­ce ób­vio. Mas 40 anos de­pois, a ci­da­de ain­da con­ta com du­as ave­ni­das Her­val, uma no Cen­tro e ou­tra no Jar­dim Im­pe­ri­al II, du­as

Bo­te­co lon­ge dos alu­nos

Des­de 2010 es­tá proi­bi­da a ven­da de be­bi­das al­coó­li­cas em um raio de 150 me­tros de fa­cul­da­des e uni­ver­si­da­des de Ma­rin­gá. Em 1980, foi apro­va­da lei pa­re­ci­da, que nun­ca saiu do pa­pel. A lei 1.454/80 proi­bia a li­be­ra­ção de al­va­rás pa­ra ba­res que es­ti­ves­sem em um raio de 200 me­tros de es­co­las.

Pré­dio só até 4 an­da­res

Em 1983 os ve­re­a­do­res apro­va­ram que o al­tu­ra má­xi­ma dos pré­di­os re­si­den­ci­ais não po­de­ria pas­sar de 15 me­tros – ta­ma­nho, em mé­dia, de um pré­dio de qua­tro an­da­res. Tra­ta-se da lei 1.652/1983. Fi­cou em vi­gên­cia me­nos que o tem­po pa­ra cons­truir um pré­dio de cin­co pa­vi­men­tos.

To­da nu­dez se­rá cas­ti­ga­da

No ano em que che­ga­va às bi­lhe­te­ri­as o pornô na­ci­o­nal Ra­bo Quen­te, a Câ­ma­ra de Ma­rin­gá proi­bia, por meio da lei 2.095/86, que os ci­ne­mas ex­pu­ses­sem na par­te ex­ter­na car­ta­zes, ou até mes­mo o no­me, dos fil­mes de sa­ca­na­gem

Com­ba­te ao mo­to­tá­xi

A lei 4.452/97 proi­biu a ati­vi­da­de de mo­to­tá­xi em Ma­rin­gá. De­pois de mui­ta po­lê­mi­ca, a ati­vi­da­de foi li­be­ra­da qua­se 15 anos de­pois.

Cães atle­tas

Em 1998 a ca­chor­ra­da fi­cou proi­bi­da de acom­pa­nhar os do­nos nas pis­tas de ca­mi­nha­da de Ma­rin­gá – co­mo no en­tor­no dos bos­que e do es­tá­dio. A lei 4698/98 tam­bém pre­via mul­ta de 100 Ufirs pa­ra o do­no que fos­se fla­gra­do com o ca­chor­ro nes­ses lo­cais. Até ho­je não cons­ta que al­guém te­nha si­do mul­ta­do. Ca­lou­ros chei­os de la­ma pe­din­do di­nhei­ro no se­má­fo­ro es­tão to­dos fo­ra da lei em Ma­rin­gá. A Lei Com­ple­men­tar 310/99 proí­be a prá­ti­ca e es­ta­be­le­ce mul­ta de 500 Ufirs aos in­fra­to­res.

Cer­ca elé­tri­ca ren­dia mul­ta

Vi­rou lei, mas não du­rou mui­to di­an­te do au­men­to da vi­o­lên­cia em Ma­rin­gá. As cer­cas elé­tri­cas, ho­je po­pu­la­res, che­ga­ram a ser proibidas na dé­ca­da pas­sa­da, por meio da lei 5387/2001. Quem in­sis­tis­se em ins­ta­lar o sis­te­ma de pro­te­ção se­ria mul­ta­do em R$ 404. Pou­ca gen­te sa­be, mas em Ma­rin­gá, uma lei em vi­gor há dez anos só per­mi­te que a po­pu­la­ção la­ve a cal­ça­da na sex­ta-fei­ra. Sim, em qual­quer ou­tro dia da se­ma­na é ex­pres­sa­men­te proi­bi­do, diz a lei com­ple­men­tar 456/2003.

Pul­sei­ras do se­xo

Fe­bre en­tre jo­vens em 2010, as po­lê­mi­cas “pul­sei­ri­nhas do se­xo” fo­ram abo­li­das da ci­da­de por meio da lei 8.617/2010. Nem pre­ci­sa­va. Em pou­co tem­po os jo­vens se can­sa­ram do aces­só­rio.

Ape­sar da fis­ca­li­za­ção atu­an­te, es­ta­ci­o­nar veí­cu­los em lo­cal in­de­vi­do, usar o es­pa­ço pú­bli­co pa­ra fins pri­va­dos pre­ju­di­can­do a pas­sa­gem de pe­des­tres e jo­gar li­xo e en­tu­lho na rua ain­da é ro­ti­na na ci­da­de

Fo­tos: Dou­glas Mar­çal/João Cláu­dio Fra­go­so

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.