Mor­ta­li­da­de in­fan­til cai 21% em 12 anos

Em 2000, Ma­rin­gá re­gis­trou 12,3 mor­tes de me­no­res de 1 ano a ca­da mil nas­ci­dos. Em 2012, a ta­xa foi de 9,8 óbi­tos. Is­to é re­sul­ta­do de con­tro­le de do­en­ças e va­ci­na­ção

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Carla Gu­e­des

carla@odi­a­rio.com A ta­xa de mor­ta­li­da­de in­fan­til caiu 21% nos úl­ti­mos 12 anos em Ma­rin­gá. Em 2000, o mu­ni­cí­pio re­gis­trou 12,3 mor­tes de me­no­res de 1 ano a ca­da mil nas­ci­dos. Em 2012, a ta­xa foi de 9,8 mor­tes.

Em 2000, dos 4.521 nas­ci­dos em Ma­rin­gá, 56 mor­re­ram an­tes de com­ple­tar 1 ano. Ano pas­sa­do, fo­ram 4.757 nas­ci­dos e 47 óbi­tos.

A re­du­ção dos ín­di­ces, se­gun­do mé­di­cos, de­ve-se ao con­tro­le de do­en­ças e cam­pa­nhas de va­ci­na­ção. O Sis­te­ma Úni­co de Saú­de (SUS) ofe­re­ce 12 va­ci­nas, des­de o nas­ci­men­to até a ter­cei­ra ida­de. As cam­pa­nhas fi­ze­ram com que as do­en­ças in­fec­to­con­ta­gi­o­sas su­mis­sem das es­ta­tís­ti­cas. Não há re­gis­tros de ca­sos de pa­ra­li­sia in­fan­til há 22 anos, e o sa­ram­po foi er­ra­di­ca­do do País há uma dé­ca­da. “A di­vul­ga­ção das va­ci­nas foi um pon­to fun­da­men­tal na queda da ta­xa de mor­ta­li­da­de”, afir­ma o pe­di­a­tra Ke­mel Jor­ge Chammas, pre­si­den­te da So­ci­e­da­de Mé­di­ca de Ma­rin­gá. “Pra­ti­ca­men­te dei­xa­mos de ter al­gu­mas do­en­ças, des­de po­li­o­mi­e­li­te, tu­ber­cu­lo­se e he­pa­ti­te.” O pri­mei­ro ca­len­dá­rio bá­si­co e o car­tão de va­ci­nas, com as va­ci­nas obri­ga­tó­ri­as pa­ra os me­no­res de 1 ano, fo­ram ins­ti­tuí­dos em 1977.

Chammas tam­bém ci­ta a obri­ga­to­ri­e­da­de do pré-na­tal e o in­cen­ti­vo ao alei­ta­men­to ma­ter­no co­mo de­ter­mi­nan­tes pa­ra a queda nos ín­di­ces de mor­tes de me­no­res de 1 ano. Em Ma­rin­gá, o ín­di­ce de alei­ta­men­to ma­ter­no ex­clu­si­vo – que vai até o sex­to mês de vi­da do be­bê – cres­ceu. Pas­sou de 43,6% em 2009 pa­ra 50,27% em 2012. “A ama­men­ta­ção atua co­mo uma va­ci­na na­tu­ral pa­ra o be­bê.”

As cam­pa­nhas de di­vul­ga­ção de hi­gi­e­ne bá­si­ca e o in­ves­ti­men­to em sa­ne­a­men­to bá­si­co nos mu­ni­cí­pi­os são fa­to­res que tam­bém con­tri­bu­em pa­ra a queda da ta­xa de mor­tes na in­fân­cia. O re­la­tó­rio da Uni­cef so­bre as cau­sas da mor­ta­li­da­de in­fan­til no mun­do, di­vul­ga­do on­tem, in­for­ma que os pre­cá­ri­os há­bi­tos de hi­gi­e­ne e a fal­ta de aces­so à água po­tá­vel são “ame­a­ças sig­ni­fi­ca­ti­vas pa­ra a so­bre­vi­vên­cia e pa­ra a saú­de das cri­an­ças”. De acor­do com a pu­bli­ca­ção, hi­gi­e­ne ade­qua­da, in­cluin­do a la­va­gem das mãos, já foi iden­ti­fi­ca­da no sé­cu­lo 19 co­mo um im­por­tan­te fa­tor pa­ra a saú­de pú­bli­ca. Pes­qui­sas re­cen­tes su­ge­rem que la­var as mãos com sa­bo­ne­te po­de re­du­zir em 23% o ris­co de do­en­ças res­pi­ra­tó­ri­as e em 47% a mor­bi­da­de por di­ar­reia.

Ape­sar dos avan­ços, as prin­ci­pais cau­sas de mor­tes na in­fân­cia são pneu­mo­nia e di­ar­reia. Em me­nor nú­me­ro apa­re­cem ma­lá­ria, sa­ram­po e aids. O pri­mei­ro mês de vi­da, se­gun­do a Uni­cef, é o mais cru­ci­al pa­ra a cri­an­ça. Ano pas­sa­do, 3 mi­lhões de be­bês mor­re­ram nos pri­mei­ros 30 di­as do nas­ci­men­to; a mai­o­ria de­vi­do a do­en­ças evi­tá­veis.

Chammas afir­ma que o País es­tá no ca­mi­nho cer­to pa­ra a re­du­ção das ta­xas de mor­ta­li­da­de in­fan­til e que a ten­dên­cia é de ín­di­ces ain­da me­no­res nos pró­xi­mos anos. “São ações al­ta­men­te po­si­ti­vas e são de­ter­mi­nan­tes tam­bém as con­sul­tas com o pe­di­a­tra no pri­mei­ro ano de vi­da. A ro­ti­na men­sal é mui­to bem fei­ta nas uni­da­des bá­si­cas de saú­de.” A mor­ta­li­da­de in­fan­til no Bra­sil caiu 77% en­tre 1990 e 2012, de acor­do com o Re­la­tó­rio de Pro­gres­so 2013 so­bre o Com­pro­mis­so com a So­bre­vi­vên­cia In­fan­til: Uma Pro­mes­sa Re­no­va­da, do Fun­do das Na­ções Uni­das pa­ra a In­fân­cia (Uni­cef). Se­gun­do o es­tu­do, em 1990, a ta­xa de mor­ta­li­da­de in­fan­til no Bra­sil era 62 pa­ra ca­da mil nas­ci­dos vi­vos. Em 2012, o nú­me­ro caiu pa­ra 14, o que co­lo­ca o País em 120º lu­gar no ran­king en­tre mais de 190 paí­ses. A lis­ta é de­cres­cen­te e quan­to mais à fren­te, mai­or o ín­di­ce de mor­ta­li­da­de.

A ta­xa de mor­ta­li­da­de in­fan­til cal­cu­la a pro­ba­bi­li­da­de de mor­te en­tre o nas­ci­men­to e os 5 anos de ida­de a ca­da mil nas­ci­men­tos. Ela com­põe a ex­pec­ta­ti­va de vi­da ao nas­cer, que faz par­te do Ín­di­ce de De­sen­vol­vi­men­to Hu­ma­no (IDH) do Pro­gra­ma das Na­ções Uni­das pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to (Pnud) e é um dos in­di­ca­ti­vos mais usa­dos pa­ra men­su­rar o de­sen­vol­vi­men­to dos paí­ses e nor­te­ar a ela­bo­ra­ção de po­lí­ti­cas pú­bi­cas.

O Bra­sil te­ve me­lho­ra em to­dos os ín­di­ces apu­ra­dos. No ran­king do Uni­cef, o país es­tá atrás de ou­tros de­sen­vol­vi­dos co­mo Fin­lân­dia, Ja­pão, Cin­ga­pu­ra, No­ru­e­ga e Is­lân­dia – pri­mei­ra co­lo­ca­da no ran­king. Os cin­co paí­ses com os pi­o­res ín­di­ces de mor­ta­li­da­de in­fan­til es­tão no con­ti­nen­te: Ser­ra Le­oa, An­go­la, Cha­de, So­má­lia e Con­go.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.