A me­ta­fí­si­ca da ma­ter­ni­da­de

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Pau­lo Cam­pag­no­lo

Foi re­al­men­te um mons­tro do ci­ne­ma o Se­nhor Ing­mar Berg­man (1918-2007). Ao lon­go de uma car­rei­ra de 60 anos e con­sa­gra­do na sua ter­ra na­tal, a Sué­cia, prin­ci­pal­men­te co­mo um ho­mem do te­a­tro, Berg­man re­a­li­zou uma das obras mais con­sis­ten­tes, ins­ti­gan­tes e es­te­ti­ca­men­te mais be­ma­ca­ba­das de to­da a his­tó­ria do ci­ne­ma. Is­so, é cla­ro, é cho­ver no mo­lha­do. Con­tu­do, re­pen­san­do sua tra­je­tó­ria, seus fil­mes, su­as ima­gens con­tun­den­tes e, prin­ci­pal­men­te, a for­ma (di­ria im­pi­e­do­sa) co­mo, atra­vés de clo­ses sur­pre­en­den­tes, de­vas­sa­va a al­ma de su­as per­so­na­gens, não tem co­mo não fi­car eter­na­men­te gra­to por ter­mos um le­ga­do tão po­de­ro­so da­con­di­çãohu­ma­na.

Cos­tu­ma-se di­zer que um pe­que­no Berg­man va­le mais do que mil fil­mes que cir­cu­lam por aí. Ho­je em dia, a ver­da­de de tal afir­ma­ção tor­nou-se ain­da mais im­pe­ri­o­sa, ta­ma­nha é a su­per­fi­ci­a­li­da­de e a mor­ni­dão do ci­ne­ma atu­al que, ba­si­ca­men­te im­be­cil na sua con­du­ta for­mal e sim­plis­ta no tra­ta­men­to da­do ao con­teú­do, es­tá for­man­do uma ge­ra­ção de es­pec­ta­do­res in­ca­pa­zes de se­quer sa­ber o no­me do fil­me que as­sis­ti­ram de­pois de 15 mi­nu­tos de ter­mi­na­da a ses­são.

Bem, mas va­mos ao que re­al­men­te in­te­res­sa. Berg­man, na sua só­li­da car­rei­ra, tra­tou de te­mas co­mo a au­sên­cia de Deus, a in­co­mu­ni­ca­bi­li­da­de, a re­li­gião, os la­ços fa­mi­li­a­res cor­rom­pi­dos pe­la hi­po­cri­sia etc. Em 1958, de­pois do mag­ní­fi­co “Mo­ran­gos Sil­ves­tres”, Berg­man fez “No Li­mi­ar da Vi­da”, car­taz do Pro­je­to Um Ou­tro Olhar des­te sá­ba­do. Um fil­me “me­nor”, di­ri­am al­guns, mas cu­ja com­ple­xi­da­de vi­su­al anun­ci­a­va o fu­tu­ro, cul­mi­nan­do na sua obra-pri­ma ab­so­lu­ta (mas não a úni­ca) “Per­so­na” (65). Com uma di­nâ­mi­ca apa­ren­te­men­te sim­ples, en­tre pla­nos mé­di­os e fe­cha­dos, “No Li­mi­ar da Vi­da” se pas­sa nu­ma ma­ter­ni­da­de mo­der­na, bem equi­pa­da, na­que­le ti­po de as­sep­sia su­e­ca que Berg­man vai cu­tu­car em mui­tos de seus fil­mes. Ali che­ga Ce­cí­lia (a fa­bu­lo­sa In­grid Thu­lin), jun­to com seu ma­ri­do. Grá­vi­da, ela es­tá com san­gra­men­to e aca­ba abor­tan­do. Na en­fer­ma­ria, fi­ca­rá jun­to com ou­tras du­as mu­lhe­res tam­bém grá­vi­das: a ale­gre Sti­na (Eva Dahl­beck), que de­se­ja seu fi­lho mais do que tu­do, e a me­lan­có­li­ca Hjör­dis (Bi­bi An­ders­son), que de­se­ja abor­tar.

O con­fron­to se da­rá atra­vés da pre­ci­são ci­rúr­gi­ca (e o ter­mo en­tra aqui de for­ma li­te­ral) com que Berg­man co­lo­ca­rá a ques­tão da ma­ter­ni­da­de des­sas três mu­lhe­res em pers­pec­ti­va. Com uma le­va­da qua­se mi­ni­ma­lis­ta e o acen­to te­a­tral da en­ce­na­ção – que se pas­sa em gran­de par­te den­tro do quar­to da ma­ter­ni­da­de -, Berg­man faz um es­tu­do pro­fun­do so­bre a dor, ine­xo­rá­vel quan­do vi­da e mor­te se de­ba­tem. É im­pres­si­o­nan­te a ha­bi­li­da­de com que, num tem­po tão es­cas­so (84 mi­nu­tos), Berg­man con­se­gue su­bli­nhar to­da uma di­men­são me­ta­fí­si­ca da ma­ter­ni­da­de por in­term­né­dio de pe­que­nos ges­tos, olha­res, ruí­dos, dos ros­tos bran­cos de su­as es­tu­pen­das atri­zes (pre­mi­a­das em con­jun­to em Can­nes/58) e de en­qua­dra­men­tos qua­se as­sus­ta­do­res. Coi­sa de que os ho­mens ja­mais po­de­rão se dar con­ta. E, tal­vez por is­so, são­tão­pá­li­dos­nes­te fil­me.

Tam­bém premiado co­mo me­lhor diretor em Can­nes com es­te fil­me, Berg­man nos le­gou mais do que pro­pri­a­men­te uma obra mo­nu­men­tal, mas in­ci­sões pro­fun­das na nos­sa cons­ci­ên­cia.

Pau­lo Cam­pag­no­lo

Re­pro­du­ção

In­grid Thu­lin em “No Li­mi­ar da Vi­da”, de Berg­man: es­tu­do so­bre a dor

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.